Gustavo empolgado com funções extraquadra em Canoas



Na terça-feira, o Canoas iniciou com uma bela vitória por 3 a 0 sobre o Bolívar, de Giba, Suxho e Dennis, uma série de amistosos que fará pelo Rio Grande do Sul. Os times voltarão a se enfrentar no Top Four e creio que o time argentino vai impor mais dificuldades, já que no primeiro duelo ainda sentiu o desgaste da viagem. Não que isso seja uma desculpa pelo resultado. O triunfo, certamente, servirá como combustível para Canoas, principalmente na busca por patrocinadores.

Na semana passada, conversei com o central Gustavo. Além de ser o grande nome do time em quadra, ele tem atuado, cada vez mais, fora dela como padrinho do projeto. Ao lado de Paulão, técnico e idealizador do Canoas, ele tem visitado empresas e os mais diversos níveis de governo para “vender” o time. Ao blog, ele contou como vem sendo a experiência.

– É diferente participar de reuniões, visitar empresas, ter encontro com políticos. É uma área que ainda preciso me preparar bastante, pois ela exige conhecimento específico, até para falar, usando as expressões corretas. Logicamente, meu nome ajuda a abrir muitas portas, as pessoas me conhecem, sabem que conquistei títulos, são sempre muito atenciosos. Pretendo fazer cursos, talvez no ano que vem, que pode ser meu último como jogador.

Guistavo e o técnico Paulão: dois campeões olímpicos

Divulgação/TXT Assessoria

Vai parar mesmo, Gustavo?

– Pode ser. Quando o Paulão me chamou, queria que eu fechasse por dois anos. Falei que iria jogar um e depois sentaríamos para ver o outro, Eu me cobro muito e quero estar bem para seguir jogando. Se não estiver, paro.

Sobre o projeto de Canoas, Gustavo prevê vida longa. Para isso, conta com a influência e os contatos de Paulão, que já trabalhou no Ministério do Esporte, além de conhecer a área de marketing esportivo. A intenção do técnico é abrir núcleos de iniciação esportiva e treinamento pelo Rio Grande do Sul, descobrindo talentos para o time. Para tanto, aguarda a aprovação de uma lei estadual que pode beneficiar o esporte gaúcho.

– O nome do Paulão se destaca muito aqui no Rio Grande do Sul. Estou aprendendo muito com ele. Ele é referência aqui.

Torcedor do Internacional e gaúcho “com muito orgulho”, Gustavo admite que o coração pesou ao aceitar o desafio em Canoas.

– Ser gaúcho foi o principal quesito para eu ter vindo para cá, pois sabia que poderia ajudar na mobilização para a volta de um time do estado na Superliga. Todos sabem que o povo daqui é muito bairrista. Seria muito diferente, por exemplo, se tivesse de montar esse time em Florianópolis. Sobre futebol, ainda não dei sorte ao Inter nos jogos em que fui ao Beira-Rio e estão até me chamando de pé-frio. Mas isso vai mudar (risos) – comentou Gustavo, que espera ter a esposa e os filhos morando com ele em dezembro.

Sobre o time, o baque pela saída de André Nascimento foi grande. O assunto incomoda o central, que via na presença de outro campeão olímpico e mundial uma chance maior para buscar patrocinadores.

– Fiquei decepcionado com a atitude dele. Mas, para preservar a história dele e a que tivemos juntos na Seleção, fica por isso mesmo.

Sem o oposto, ele ainda aguarda uma resposta do venezuelano Gomez, sondado também por times do Qatar. É a peça que falta para finalizar a montagem do Canoas.

– Temos uma base muito experiente e nosso objetivo é entrar nos playoffs. Não dá para ser presunçoso e dizer que vamos ganhar do Sesi, do Cruzeiro, do Minas… Não vamos iludir nenhum patrocinador. Temos de vencer equipes do nosso nível e depois tentar alguma surpresa nos playoffs.



MaisRecentes

Vaivém: Itapetininga contrata central americano



Continue Lendo

Monique é convocada para treinos da Seleção



Continue Lendo

Números de Ágatha e Duda são ótimas credenciais para Tóquio-2020



Continue Lendo