Grand Prix 2013 incha e expande fronteiras da Ásia



Seguindo os passos da Liga Mundial, o Grand Prix também “engordou” para 2013.

O torneio feminino passará a contar com 20 participantes, quatro a mais do que o habitual. Assim, tradicionais seleções ganharam convite: Itália, Rússia, Turquia e Alemanha foram agraciadas pela FIVB, deixando a competição bem mais acirrada. Falta a definição apenas do representante africano.

O Brasil, que receberá um dos grupos na primeira semana de disputas, entre 2 e 4 de agosto, conheceu seus rivais. Em casa, vai duelar com Estados Unidos, Rússia e Polônia. Pelo jeito vai valer a pena pagar ingresso.

Na semana seguinte, a Seleção jogará em Porto Rico contra as caribenhas, Bulgária e República Dominicana. Na terceira semana, entre 16 e 18 de agosto, viagem para o Cazaquistão, para duelar, além das donas da casa, com Cuba e Holanda.

As finais da competição serão no Japão, entre 28 de agosto e 1 de setembro, entre os cinco melhores colocados e as japonesas.

Uma boa notícia é a descentralização das sedes. A Ásia não tem mais o “domínio” do GP. Dos 15 grupos, oito acontecerão na Europa/América e sete no continente asiático.

 Esse, inclusive, sempre foi um pedido do Brasil, que reclamava do desgaste e da falta de estrutura de algumas sedes.



  • dan

    Daniel a única coisa que discordo é voçe dizer que a Turquia é tradicional HAN???!!!
    A Turquia está começando um trabalho recente e que não ganhou nada ainda, só um pré-olímpico na base da empolgação por ser sede. O Terceito lugar no Grand Prix foi porque entre os 6 finalistas, era 3ª melhor, chegou nas finais porque pegou adversários frágeis naquele momento da competição. A Turquia está longe de ser uma seleção com tradição no volei. o que eu vejo é que a Turquia está investindo no volei e no esporte em geral e está fazendo igual a Polônia quer sediar e ser convidada para todas as competições de volei.
    Achei errado colocar 4 seleções da Europa como convidadas, acho que o Peru merecia uma das vagas! E sim o Peru é tradicional, mas a Turquia não.

    • lucas kazan

      tambem acho que o peru merecia a vaga, a eo peru só tem tradiçao na america .

      • dan

        Discordo, o Peru é vice-campeão olímpico, perdeu num jogo quase ganho, deu mole para a antiga União Soviética, poderia ter sido campeão olímpico estava com o jogo nas mãos. Veja no Youtube.

    • Caco

      Dan, acho que a maior falta nesse Grand Prix será a da Coreia, quarta colocada nas Olimpíadas, e que hoje conta com uma das melhores jogadoras do mundo, além de ter uma equipe que evoluiu bem na última temporada.

      • dan

        Caco concordo com voçe, acredita que só depois fui perceber que a Coréia do Sul não estava entre os 20 times, eu não consigo entender como a Turquia fica com a vaga e a Coréia do Sul não! O dinheiro manda na Turquia, garanto a voçe se a Turquia não tiver a Darnel, espera os resultados dessa seleção, se com a Darnel já é difícil imagina sem ela, concordo que a Turquia tenha boas jogadoras, mas nada espetacular.

        • Nielson Marinho

          Mas acho que não precisaria sair a Turquia pra Coreia entrar. Não dá pra acreditar que a 4ª colocada nas Olimpíadas de Londres 2012, que tem uma das maiores jogadoras da atualidade (Y.K. Kim) ficar fora de uma competição dessas. A Coreia poderia muito bem ter sido convidada.

  • acho que inchou muito mesmo, mas é esperar pra ver….

    pra um torneio que em uma época só tinham 12 times, o q acho ruim na disputa do gran prix é que pelo fato de se terem várias seleções os jogos das equipes podem acabar se tornando injustos..

    o bom é que o gran prix agora teram as melhores seleções realmente, pq o número de vagas da europa antigamente era muito limitado…

    agora o estranho é que antigamente com 16 equipes teve ano que passaram 8 times pra fase final e agora só são 6…

    Daniel o sistema de disputa será todos contra todos ou duas chaves de três?

    Quem mais ganha com isso são os telespectadores e as equipes européias que teram mais espaço

    • Daniel Bortoletto

      são sempre quadrangulares, com cada seleção jogando três deles.

      • quando me refera ao sistema de disputa me refere a fase final

  • Caco

    Gostei de duas coisas: a expansão do formato, contando com um número maior de times, e dos convidados (Rússia, Itália, Turquia e Alemanha), que irão engrandecer a competição.
    O ponto fraco é que, mais uma vez, a FIVB fez gambiarra e pôs Turquia e China em grupos fracos, a fim de favorecer descaradamente essas equipes por interesses financeiros. Equipes mais fortes poderão ficar de fora, pois o sistema de pontuação para vitórias por 3X2 pode prejudicar, como no ano passado, equipes que caíram em grupos mais fortes, como é o caso do Brasil.

    • dan

      Caco, voçe disse tudo que eu penso, realmente no ano passado foi a mesma coisa, como disse a Turquia pegou times fraquíssimos e ainda perdeu partidas. O Brasil ano passado só pegou pedreiras e ainda chegou na fase final e deu uma lição de voleibol na Turquia. Realmente Turquia e China cairam em grupos fáceis, com certeza vão está entre as seis seleções finalistas.

      O engraçado é que Japão e China sempre sediam as fases finais, mas o Japão joga fora de seu território, mas a China nunca joga fora do seu País (Hong Kong e Macau são antigas províncias pertencentes a China), ou seja a China nunca joga fora do país e agora que ela não vai sediar a fase final então, ela pouco se desloca e não tem desgaste físico. Isso é injusto.

      Daniel voçe sabe qual é o critério além de financeiro e político do qual a China só joga dentro do país durante a fase classificatória, enquanto o Japão que também sempre recebe as fases finais, mas sempre tem uma rodada que ele joga em outro país, se puder voçe pode esclarecer?

      • Daniel Bortoletto

        esses acertos têm muito a ver com patrocinadores e interesses políticos

  • lucas kazan

    eu espero que a sede do brasil seja o ginasio do ibirapuera sao paulo.

  • Hayashi

    Daniel vc sabe os nome das cidades que ira sediar os jogos ?

    • Daniel Bortoletto

      ainda não foram divulgados

  • Apenas Alguém

    será quem o grand prix de 2014 continuará com 20 seleções? a impressão que deu foi q chegou-se a este numero de participantes para colocarem as seleções que não disputaram a liga europeia e por conta da não realização da qualificatório europeu para o grand prix !!!

  • Eduardo Pacheco

    Pelo menos teremos uma competição bem mais forte. Rússia provavelmente sem Gamova.

    Mas mudando um pouco o foco.
    http://www.youtube.com/watch?v=xHhQh2QK1pw

    Deem uma olhada nesse vídeo. Para quem gosta de um bom rali é um prato cheio.

    • Afonso RJ

      Valeu, Eduardo. Bem interessante. Típico do vôlei asiático: defende prá burro e ataca que nem time de colégio de freira.

  • Gente que grupo MASSA
    EUA BRASIL RUSSIA E POLONIA
    não perco nenhum jogo.
    🙂

  • acho que a ideia de colocar o brasil em um grupo forte assim em casa, é pq a preocupação naum é com o gran prix mas sim com a ambientação das atletas a jogos dificeis dentro de casa, com sua torcida ! preparação para as olimpiadas !x D

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo