Favoritos vencem na rodada. Mas com alguns sustos



A sexta rodada do returno da Superliga Cimed Feminina foi marcada por vitórias dos favoritos. Para alguns deles, porém, o triunfo foi alcançado com susto.

O líder invicto Dentil/Praia Clube, por exemplo, precisou do tie-break mais uma vez para manter a campanha perfeita. Em Bauru, o time comandado por Paulo Coco abriu 2 a 0 (25-20 e 25-14), levou o empate (17-25 e 18-25) e venceu no limite a parcial final: 15 a 13.

A maior pontuadora do jogo foi Tifanny, com 39 pontos. A primeira transexual a disputar a competição feminina brasileira recebeu a incrível marca de 75 bolas levantadas durante os cinco sets, colocando 33 no chão. Foram ainda mais seis pontos de bloqueio. Pelo Praia, as pontas Fernanda Garay (melhor da partida) e Ellen anotaram 16 cada.

Foi a 17ª vitória do Praia Clube na Superliga, subindo para 48 pontos na primeira colocação.

No clássico carioca, o Sesc não deu chances para a zebra e passou pelo bom Fluminense por 3 sets a 0, parciais de 25-22, 25-23 e 25-19.

A esquadra comandada por Bernardinho encurtou a diferença para o líder, somando agora 46 pontos. A levantadora Roberta foi eleita a melhor atleta da partida.

Bloqueio do Vôlei Nestlé em ação. Time segue na cola do Minas (João Pires/Fotojump)

O Sesc segue no aguardo de um tropeço do Praia para poder assumir a primeira posição. Na próxima rodada, as cariocas terão Brasília pela frente, enquanto o Praia fará o clássico com  Camponesa/Minas.

Na disputa pelo terceiro lugar, o próprio Minas e Vôlei Nestlé venceram sem perder pontos. As mineiras, agora com 40 pontos, deram um susto na torcida, mas passaram pelo lanterna Sesi, em casa, por 3 a 1: 25-22, 21-25, 25-21 e 25-18. A americana Hooker foi a maior anotadora: 24. Pri Daroit colaborou com 22 e ganhou o VivaVôlei Cimed.

– A gente sempre fala que esses jogos são perigosos, pois o Sesi-SP, último colocado, não tem mais nada a perder. Então, cabe a nós impor o nosso ritmo, porém, no jogo de hoje, oscilamos muito, e isso não pode acontecer. Um set perdido, pode fazer a diferença lá na frente, mas o importante foi que conseguimos vencer e somar mais três pontos – avaliou Pri Daroit.

O Vôlei Nestlé, agora com 38, foi até o Distrito Federal e bateu o BRB/Brasília por 3 a 0: 25-20, 25-12 e 25-17. Tandara anotou 15 pontos. O time de Osasco tem um jogo a menos do que o Minas. Tássia ganhou o prêmio de melhor em quadra, mas repassou para Kika.

– Fiquei surpresa e muito feliz com o prêmio vindo da comissão técnica. Entreguei para a Kika, pois ela entra em cada rabo de foguete e merecia muito mesmo. A gente trabalha muito junta e quis presenteá-la – contou Tássia.

Comemoração de Barueri após suada vitória (Gaspar Nóbrega/Inovafoto)

O Hinode/Barueri, quinto colocado, precisou do tie-break para derrotar o Pinheiros, na capital paulista, parciais de 24-26, 25-23, 25-16, 22-25 e 15-12. O banco de reservas teve papel fundamental, com a polonesa Skowronska anotando 19 pontos e a ponta Érika faturando o Troféu VivaVôlei Cimed. A maior pontuadora foi Bruna Honório: 33.

– Começamos mal a partida e deixamos elas crescerem, mas ao longo do jogo buscamos o resultado e conquistamos mais essa importante vitória. São dois pontos que podem fazer a diferença lá na frente – analisou Érika.

Por fim, o São Cristovão/São Caetano passou pelo Renata Valinhos por 3 a 1. O resultado fez o time do ABC chegar aos 19 pontos, acirrando a briga pelo oitavo lugar, último a garantir vaga nos playoffs. O Pinheiros, atualmente nesta posição, soma 21, três a menos do que o Bauru, sétimo.

Briga boa pela ponta, pelo terceiro lugar e também pelas últimas vagas nos playoffs.



MaisRecentes

Coluna: mercado já sente reflexos da crise mundial



Continue Lendo

Itambé/Minas planeja time “em volta” de Macris



Continue Lendo

Osasco Audax quer a volta de Tandara



Continue Lendo