EXCLUSIVO: Clubes voltam a bater pesado na organização da Superliga



Clubes e CBV seguem em rota de colisão neste início de Superliga.

O clima voltou a esquentar neste fim de semana. Vittorio Medioli, presidente do Sada/Cruzeiro e um dos líderes da Associação de Clubes, reclamou com a entidade da ausência de transmissão da partida entre o time mineiro e o Funvic/Taubaté, no sábado.

Ele ainda voltou a contestar a entidade sobre a decisão de fazer a final da competição masculina em jogo único, contrariando a posição dos clubes. E não poupou críticas à forma com a competição é gerida.

Como se vê a partir do e-mail abaixo (na íntegra, sem qualquer correção), a relação azeda a cada dia que passa.

Prezado Renato D’ Ávila,

Escrevo-lhe indignado por sermos nesse momento cobrados de toda parte pela falta de televisionamento hoje de Cruzeiro x Taubaté, jogo que terá a nata do vôlei nacional e mundial. Ainda durante a semana fomos privados da transmissão de Taubate e SESI que escalava vários campeões olímpicos e mundiais em quadra, representando um dos 4 jogos mais importante do torneio.

Isso mostra a incapacidade de CBV atender ao interesse comezinho do vôlei nacional, em organizar um torneio com os cuidados que exige. Dessa forma geram-se prejuízos incalculáveis aos clubes, a imagem do Brasil no exterior e penalizam-se os esforços para levantar o nível do vôlei nacional.

É inconcebível que no trato com SPORTV, a CBV não tenha se lembrado e não se importe absolutamente em atender ao anseio das torcidas, dos amantes da modalidade e ao interesse do setor. Ainda descartar e humilhar os melhores valores que existem no torneio.

Reafirmo que a questão dos 3 jogos para decidir a final a nosso ver não está encerrada com a redução anunciada por CBV para um único jogo. Isso representa uma perda financeira aos clubes de mais de R$ 3 milhões com a bilheteria de 3 ou 5 jogos de final.

As regras adotadas internacionalmente é de 5 jogos e CBV é filiada a FIVB, desrespeita assim um entendimento internacional consagrado e o calendário internacional.

A incapacidade de organizar um formato que atenda ao mundo do Vôlei mostra ainda que os valores de televisionamento de todo o torneio da Superliga (R$ 3 milhões anunciados por CBV e retidos integralmente alegando custos de organização) representam menos que a bilheteria dos jogos finais na melhor de 5 jogos.

Os clubes não se importam de não ter a transmissão na teve aberta das finais, pode ser em tevê fechada ou até não ter transmissão em face a perda de propriedades e de  bilheteria. Ainda registramos que  penalizam-se os atletas e tolhe as torcidas a possibilidade de seguir seus clubes de perto.
Nas ultimas finais a carga máxima de ingresso para nosso clube foi de 2 mil ingressos com pedidos de até 25 mil. CBV evidentemente não acompanha , o desconsidera o crescimento de Superliga. Tomam-se atitudes autoritárias em desrespeito a decisão plenaria de 11 contra 1 voto decidida em sede de discussão.

A produção de um jogo do nível Cruzeiro x Taubaté interessa ao mundo inteiro assistir, recebemos da Itália mais de 10 mensagem para saber como acessar as imagens desse jogo e até da Russia, França Polônia e Japão.

Essas omissões ofendem o vôlei nacional, apequenam a CBV uma instituição que se monstra fora de sintonia com o mundo de profissionais (atletas, técnicos), torcedores e dirigentes do vôlei e os patrocinadores.

Estamos assistindo na Band Esporte a jogos de torneio realizados na Itália, na França e na Turquia sem termos a possibilidade de assistir a jogos de melhor qualidade e interesse que envolvem nossos atletas no Brasil.

Vivemos um profundo desconforto que nos leva a divulgar a nossa torcida os reais motivos dessa situação inconcebível.



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo