Escadinha e Vissotto fazem a diferença



Na base do vira-vira, deu Brasil no primeiro duelo com a Polônia, no Rio,

Apesar do 3 a 0 (25,23, 26-24 e 25-21), o jogo foi bem mais difícil do que o placar aparenta.

A Seleção ficou atrás grande parte das parciais e precisou da inspiração de dois jogadores, principalmente: o líbero Escadinha e o oposto Leandro Vissotto.

O primeiro fez defesas espetaculares e proporcionou vários contragolpes para o Brasil. Como sempre, também fez papel de motivador. Um exemplo claro foi o apoio dado ao ponta Giba, no primeiro set. Bloqueado várias vezes, o camisa 7 não conseguia pontuar no ataque. Mas ele foi decisivo nos dois últimos pontos e reconheceu a força dada pelo companheiro nos momentos ruins.

Já Vissotto espantou a instabilidade que carregou durante a última temporada pelo Vôlei Futuro para ser a válvula de escape de Bruninho. Fez 18 pontos, 16 deles no ataque, com atuação decisiva. Em jogos contra bloqueios pesados, o gigante é ainda mais importante.

Para vocês, quem jogou mais? Escadinha ou Vissotto



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo