Entrevista com Joycinha



Depois de temporadas na Rússia e na Coreia, a oposto Joycinha ganhou uma nova chance na primeira convocação de José Roberto Guimarães em 2015.

Ela admite que o nome da lista foi uma surpresa, algo que ela não mais cogitava na carreira. Agora tentará mostrar serviço para ganhar espaço na Seleção, já que a posição de oposto está aberta após a gravidez de Tandara, provável descanso de Sheilla em algumas competições, além da lesão de Monique.

Confira abaixo a entrevista de Joycinha, por e-mail.

Joycinha em ação na Coreia (Divulgação)

Joycinha em ação na Coreia (Divulgação)

1) Qual a sensação de voltar a ser chamada para a Seleção?
É sempre um sonho para qualquer atleta defender o nosso país e para mim não é diferente. Me sinto realizada de voltar para a Seleção Brasileira. É muito gratificante saber que seu trabalho está sendo observado mesmo estando tão longe.

2) Achou que seu ciclo estivesse encerrado?
Já tinha colocado na minha cabeça que não iria mais para a Seleção. Mas o Zé Roberto me ligou recentemente e conversamos bastante. Ele foi fundamental para eu mudar de ideia.

3) Talvez a posição de oposto seja a mais aberta na Seleção hoje. Sheilla não deve atuar nesta temporada, Tandara está grávida. Como vê este cenário?
São grandes jogadoras e quem joga defendendo o Brasil tem que estar acostumada com concorrência. Mesmo elas estando fora, tem outras grandes atletas buscando espaço na Seleção. E acredito que vai ser sempre assim. O Brasil vai ter sempre várias jogadoras de qualidade numa mesma posição.

4) O que tirou de mais proveitoso de sua temporada na Coreia?
Na Coreia o estilo de jogo é completamente diferente e a estrangeira é sempre muito cobrada. Só para ter uma ideia, chego a receber mais de 60% das bolas durante um jogo. Isso fez com que eu mudasse principalmente a minha parte física. Tive de fazer um reforço muscular maior e passei a tomar alguns suplementos. Tudo isso me ajudou muito. Só assim para suportar a carga

5) Algum caso curioso, engraçado da sua passagem pela Ásia?
As comidas na Coreia tem muita pimenta. Fui experimentar uma comida típica e passei mal com a pimenta. Nunca mais ninguém me ofereceu nada com pimenta.

6) Sofreu com adaptação ou de alguma forma a passagem pela Rússia minimizou/ajudou?
Na Rússia não sofri muito. Na verdade a minha dificuldade foi ser o meu primeiro ano jogando fora. Já Na Coreia foi um choque cultural muito grande. As comidas são muito diferentes, o fuso horário e a forma de tratar os mais velhos. Lá existe uma hierarquia muito pesada. Mas graças a Deus, em um mês e meio, consegui me adaptar a esse choque de culturas.

7) Mesmo à distância conseguiu acompanhar um pouco da Superliga? Se sim, o que tem achado do nível técnico?
Sempre estou de olho e a internet ajuda muito quem está fora do país. A Superliga continua sendo um dos melhores campeonatos do mundo. O nível é muito bom, com diversas jogadoras da Seleção Brasileira. Teremos uma grande final entre Rexona e Molico.

8) Tem alguma aposta para Rexona-Ades x Molico/Osasco?
São duas grandes equipes, com dois grandes treinadores. O Rexona vai jogar em casa e isso certamente conta na hora da decisão. Mas o Molico já mostrou que pode superar isso e na semifinal ganhou do Sesi fora de casa. Será muito equilibrado e é difícil fazer um prognóstico. A única certeza que dá para ter é que será um grande jogo.



  • Ciro Andy

    Senti falta de perguntar sobre um possível retorno dela para Super Liga. se já recebeu alguma proposta ou tem desejo de voltar.

    • Daniel Bortoletto

      faltou mesmo. talvez ela ficasse em cima do muro ou saíssem pela tangente. mas era preciso questioná-la mesmo

  • Juliano

    Muito legal, pois esclarece o que ela tinha dito antes, no sentido de que não voltava mais.

    Ainda bem que vai ficar e não vai pedir dispensa. Então será menos pior, pois definitivamente ela deve ser usada como titular e terá uma responsabilidade muito grande agora.

    Pode ser bom para ela e fazê-la desencantar, como aconteceu com a Garay em Londres. Às vezes você precisa ter a grande responsabilidade para tomar o seu devido espaço, e essa é uma das grandes, então que a Joycinha aproveite e faça o seu melhor.

  • Fabricio

    E ai Daniel que dia vc vai revelar para nós quem não está querendo ser convocado para Selecao e que está jogando muito bem pelo seu time?

    • Daniel Bortoletto

      talvez num futuro próximo, desde que a pessoa também aceite se explicar

      • perikito

        Eu pensei que fosse o Samuel. Tô curioso agora!

  • Billy

    Que bom que a Joycinha repensou e decidiu voltar á seleção.Jogadora alta(1.91m)muito eficiente no ataque e bloqueio e é uma jogadora de grupo.Todas as jogadoras adoram ela.Hoje mais madura e com grande bagagem no vôlei internacional.Ela têm tudo prá arrebentar na seleção.Sempre gostei dessa jogadora e estou torcendo muito por ela novamente na nossa seleção brasileira.

  • Edu

    Caro Daniel, só para não deixar passar batido na semana, mesmo hoje sendo uma noticia praticamente antiga, a menção da vitória do Krasnodar na CEV Cup ,na Polônia diante de seis mil torcedores, no embate contra o Atom Spot Trefl Sopot.Para variar da forma mais emocionante e excessivamente dramática possível como tem o sido quase na totalidade dessa temporada.Com a vantagem de precisar vencer apenas dois sets, diante do resultado trazido na Russia. O Krasnodar levou a partida para o tie break do golden set de campeonato mesmo com a liderança até o vigésimo terceiro ponto nos três primeiros sets da partida na Polônia. Kosheleva fez o absurdo de 37 pontos, sendo MVP da competição, praticamente no amparo solitário da Fabíola para fazer o time pontuar.Jogaram mal a libero, num determinado momento começou até a ser a jogadora visada no saque e infelizmente a nossa Garay num dia longe dos melhore e responsável direta em dois momentos por não finalizar a partida de forma prévia.Fabíola reviveu com sacrifício sua fase final de Osasco sem o apoio consistente das ponteiros passadoras(Garay e Sokholova) e da citada líbero( uma das seleção russa) razoavelmente boa de defesa e muito deficiente no passe.No entanto o resultado final foi coroado de exito na campanha vitoriosa e dramática em que a equipe russa desclassificou o Novara(equipe italiana mais forte da temporada), o Nantes,o Lokomotiv Baku(numa reversão de derrota de 3 x 0 na primeira partida e perdendo o jogo por 13 x 10 no golden set) e o Rabita(melhores partidas da temporada) nas fases eliminatórias.Existe uma questão se o título garantiria a classificação para a Champions na proxima temporada.Segundo as irmãs Mello, referencia no que tange ao mercado e regulação do volei internacional, não será através desse título que o Krasnodar vai a Champions.Com o título obtido na Copa Russa ele tem garantido apenas a classificação para a próxima CEV Cup.Nos bastidores da federação russa existe um trabalho por parte do Krasnodar em que se repita o critério da Liga Italiana onde os classificados para a Champions são indicados pela classificação regular antes da fase doa play offs. Nesse critério o Krasnodar pega a a terceira vaga na classificação para o torneio europeu.Todavia, seria mais uma manobra de bastidor, distante da chamada justiça esportiva prática da quadra, é um recurso da federação russa em privilegiar um time mais russo mais competitivo e estruturado e que impeça a reedição cometida dessa temporada em que nenhuma equipe feminina de liga russa conseguiu chegar até a fase do Final Four.Vamos aguardar os acontecimentos.

  • Renato

    Eu gostei da convocação da Joyce, ela melhorou muito depois que foi jogar na Coreia. Hoje, ela é decisiva no ataque, possui um ataque da linha dos 3 indefensável, melhorou muito no bloqueio, adquiriu experiência e aprendeu a ser a bola de segurança da sua equipe. Além disso, ela é alta (1,91) e seria uma jogadora ideal para ser usada contra seleções mais altas.

    Outra coisa, a Tandara está grávida e não sabemos se ela conseguirá se recuperar fisica e tecnicamente para o Rio, por isso, acho importante ter outra jogadora de stand by para brigar por uma vaga nos jogos, caso ela não se recupere totalmente.

    Esse ano a Joyce deve ser titular e a Rosa reserva nas competições que elas disputarem pelo Brasil.

MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo