EMS/Taubaté e Sesi muito perto da decisão da Superliga masculina



Se alguém disser que não está surpreso até aqui nas semifinais da Superliga masculina eu duvidarei. E digo isso com todo respeito ao EMS/Taubaté e ao Sesi.

Na noite desta terça-feira, os paulistas abriram 2 a 0 nos playoffs sobre Sada/Cruzeiro e Sesc, respectivamente, com vitórias por 3 sets a 0.

Assim, os dois melhores times da fase de classificação da competição, com vantagem do mando de quadra nas séries, estão nas cordas. Uma nova derrota de mineiros e cariocas decretará uma decisão 100% paulista na temporada 2017/2018.

Como escrevi nas redes sociais ontem, não pude acompanhar as partidas ao vivo. Estava no lançamento do livro e do documentário sobre a vida e carreira da levantadora Fofão (inclusive, recomendo a todos). Então procurei ler sobre as vitórias. E foi unânime: EMS/Taubaté e Sesi jogaram muito.

O oposto Wallace e o levantador William saíram de quadra com o VivaVôlei Cimed. Mas o levantador Rapha e o oposto Alan foram mais do que coadjuvantes. Pela análise dos vencedores, fica clara a percepção de que Sesi e Taubaté jogaram o fino.

Wallace no bloqueio em novo triunfo de Taubaté (Rafinha Oliveira/Divulgação)

– Tentei acionar todos os jogadores para rodarem e pontuarem na partida. A confiança vem porque o time está jogando bem, isso dá mais motivação. Mas não tem nada ganho, é melhor de cinco, temos que vencer três, vamos seguir lutando, porque não será fácil – analisou William, craque do Sesi.

– O que destaco nessa vitória de hoje é que o time se superou. Nosso jogo hoje foi um pouco melhor do que o do sábado em Minas Gerais. O bloqueio e a defesa foram muito bem hoje. O saque funcionou de forma inteligente, variando bem entre forçado e tático, e tivemos alguns destaques individuais como Wallace e Marko Ivovic, que desequilibraram o jogo – disse o treinador Daniel Castellani, do Taubaté.

Já os treinadores em desvantagem na série tentam manter um otimismo para os jogos do fim de semana.

Sesi fez a festa no Rio de Janeiro (Marco de Paula)

– Eles jogaram muito bem, trabalharam bem o saque, bem melhor que nós, e o resultado foi esse. Precisamos trabalhar melhor alguns fundamentos e focar tudo agora nos próximos jogos. Não tem nada decidido. Nós temos grandes profissionais, nosso time já passou por muita coisa e vamos buscar o resultado nestes três jogos – afirmou o técnico cruzeirense Marcelo Mendez.

– O primeiro set a gente começou bem, teve a oportunidade de fechar mas não conseguimos aproveitar. Não fomos felizes nos momentos importantes, em converter os pontos nos momentos decisivos e eles foram e conseguiram sair coma vitória. Agora sábado tem mais um jogo, temos tempo de descansar e nos preparar um pouco mais. A equipe lutou, exigiu da equipe do Sesi o seu melhor. A gente busca a vitória, estamos vivos, enquanto houver esperança vamos pra dentro – analisou Giovane, comandante do Sesc.

Virar séries de 0 a 2 para 3 a 2 é exceção no esporte em geral. Sada/Cruzeiro e Sesc sabem disso e talvez tenham de tirar vários coelhos da cartola já no terceiro jogo. Por isso não descarto uma ou outra mudança na escalação titular em busca de algo novo. Para Taubaté e Sesc o trabalho será mais psicológico para que não achem que a vaga na final já é certa.

VEJA TAMBÉM

+ Nestlé anuncia fim do patrocínio ao Osasco



MaisRecentes

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo



Continue Lendo

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo