Em bom teste, Brasil se aquece para as finais



A Seleção masculina iniciou com vitória o última semana da fase de classificação da Liga Mundial. Na manhã deste sábado, 0 3 a 1 sobre os Estados Unidos (25-22, 25-18, 20-25 e 28-26) serviu para Bernardinho fazer testes e observações para o Final 6, na Argentina, na próxima semana.

Sem Bruno, com virose, o técnico iniciou o duelo com William. Como Leandro Vissotto também foi poupado, Wallace ganhou chance no time. E a dupla levantador/oposto pôde utilizar todo o entrosamento que carrega do Sada/Cruzeiro. Depois de um início nervoso e com muitos erros, eles foram importantes na construção do triunfo. William, inclusive, foi responsável por muito volume de jogo, com defesas em vários momentos do jogo. Já Wallace terminou com 16 pontos, atrás apenas de Lucarelli, que fez 17.

Para quem tinha sido importante em inversões de 5-1 durante a competição, foi bom comprovar de que podem, também, ser decisivos com maior tempo em quadra. Acho que a Seleção vai precisar bastante deles nas finais na Argentina.

A outra mudança no time não funcionou. Sem Dante, também poupado, Bernardinho optou por Thiago Alves, até então pouco utilizado na Liga. Mas com baixo aproveitamento no ataque e um pouco inconstante no passe, ele foi substituído por Maurício. O Brasil ganhou na recepção, mas o ponta ainda precisa crescer na parte ofensiva, ponto que mais pecou neste sábado.

Vale ressaltar ainda uma sequência de quatro aces seguidos de Lucão no segundo set, algo raro. Ainda mais quando a recepção não consegue sem sequer tocar na bola… Vocês se lembram de algo parecido? O central terminou o confronto com 16 pontos.

Por fim, um comentário sobre o time dos Estados Unidos. Com a formação que jogou hoje, os americanos terão dificuldades para manutenção no grupo dos melhores do mundo. Anderson é quase uma ilha de excelência na equipe atualmente.

 



MaisRecentes

Evento na Polônia reúne craques históricos do vôlei



Continue Lendo

Um fim de semana para esquecer na Bulgária



Continue Lendo

Raridade: Brasil perde a segunda seguida por 3 a 0



Continue Lendo