Eliminação



O Brasil está fora da Liga Mundial. A derrota no tie-break (23-25, 25-23, 23-25, 25-17 e 15-10) para a Polônia encerrou uma das campanhas mais instáveis que vi na era Bernardinho.

Ao menos nesta quinta-feira o time demonstrou vontade, vibrou, comemorou, lamentou os erros, sentiu o jogo.  Bem diferente do visto no duelo com Cuba.

Além do espírito, foi bom ver Giba em quadra. Posso queimar a minha língua, mas acho que uma boa campanha em Londres passa muito pelas mãos do camisa 7 estar curado, em forma e com ritmo de jogo.  Pela atual fase dos nossos ponteiros, Giba tem grande chance de ser titular. Vai ser a salvação da Seleção? Difícil ter essa certeza. Mas será importante neste momento conturbado.

Já Sidão não jogou por estar com algum problema físico. Não faria sentido a entrada de Rodrigão em seu lugar, mantendo Lucão no time. O camisa 17 até foi bem, mas o bloqueio segue sendo um problema grave deste time.

Fora isso, criamos um pequeno monstro nesta Liga: a Polônia. Cinco jogos, com quatro vitórias dos poloneses. Em outras épocas, tratamos quase todos os rivais do Brasil como fregueses. Hoje, os poloneses dizem o mesmo do time verde-amarelo. E eles estão com moral.

O que esperar de Londres? Sinceramente, não sei dizer.  É preciso juntar os cacos, resolver os problemas e sair de um buraco que há muito tempo o Brasil não entrava.



MaisRecentes

Confira as primeiras transmissões da TV Gazeta na Superliga 18/19



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Renata terá cubano como reforço



Continue Lendo

Coluna: Temos de falar sobre Douglas Souza



Continue Lendo