E tem mais time reclamando no Brasil



Parece que a fase é de notícias ruins para o vôlei brasileiro.

A insatisfação agora está centralizada em Minas Gerais, com o Campeonato Mineiro entrando na fase final, mas sem transmissão pela TV.

– Infelizmente não teremos a transmissão dos jogos ao vivo, como estava previsto. É muito triste para nós, que tratamos o produto voleibol, o segundo esporte no Brasil, com todo o carinho e seriedade, e nos deparamos com situações como essa. A TV detentora dos direitos já devia saber que não teria condições de transmitir a fase final do campeonato e nós só ficamos sabendo disso pela Federação Mineira nesta quarta-feira. O campeonato Mineiro é um dos estaduais mais importantes do Brasil, com quatro equipes que disputam a Superliga. Temos que valorizá-lo. É por isso que cresce cada vez um movimento no voleibol dos clubes cuidarem dos torneios. Mas a mudança que foi feita nos horários também será mais confortável para o torcedor – disse o diretor esportivo do Sada Cruzeiro, Flávio Pereira.



  • ALINE

    Vou bater na mesma tecla:
    1. Um esporte que NÃO TEM CONTROLE DE TEMPO, nos DIAS ATUAIS, NUNCA SERÁ ATRATIVO PARA A TV ABERTA!!!
    2. O Vôlei deveria ter algum tipo de controle de tempo, de forma que o tempo dos jogos não variem tanto, tem jogo que mal dá UMA HORA, muitos PASSAM DAS DUAS HORAS, alguns outros chegam ao ABSURDO DE ULTRAPASSAR AS TRÊS HORAS de duração!
    3. O tênis já não é mais transmitido em TV ABERTA por esse motivo, da mesma forma o vôlei ficará cada vez mais longe da TV ABERTA enquanto não regular seu tempo de duração.
    4. Não adianta reclamar, espernear etc. Essa é a REALIDADE DOS DIAS ATUAIS, cada minuto na programação VALE MUITO, ninguém está disposto a DETONAR SUA GRADE DE PROGRAMAÇÃO por causa do Vôlei ou do Tênis.
    5. Ou o Vôlei EVOLUIU ou FICARÁ BEM LONGE DA TV!!!

    • Rogerio Andrade

      Aline, o vôlei já evolui há muito tempo. Tanto que as partidas hoje tem um tempo de duração bem mais previsível (sempre em torno de duas horas, às vezes um pouco mais, às vezes um pouco menos). Vários outros esportes com característica semelhantes, como atletismo, tênis, automobilismo, não tem problemas pra manter seu espaço nos canais esportivos de outros países.

      O problema não é voleibol em si e nem seu sistema de regras. O problema é essa insistência da TV brasileira no fanatismo pelo futebol, pois o mesmo canal (sim, falo da rede Globo) que reclama da duração do vôlei não se importa de esticar a transmissão do futebol e cortar outros programas quando há prorrogação ou disputa de pênaltis.

      Mesmo que o vôlei tivesse um tempo definido de partida, os canais abertos não transmitiriam do mesmo jeito: basta ver o exemplo do basquete, que é sumariamente ignorado pelas redes de tv aberta no Brasil e tem transmissão bastante restrita nos canais esportivos de tv por assinatura. Nem vou comentar a situação do handebol – que é um esporte campeão mundial – ou de outros esportes com programação ainda mais previsível – natação, judô etc. Mesmo os canais brasileiros ditos “fechados” tratam os esportes olímpicos com muito desprezo e só transmitem alguma coisa quando “encaixa na programção”, ou seja, quando não há jogo de futebol no mesmo horário.

      O problema não é o esporte, é injusto colocar a culpa no esporte. O problema é o desinteresse das TVs e da própria sociedade nos esportes olímpicos em geral.

      • Fabrisio Cardoso

        Olá, dos outros esportes mencionados apenas o automobilismo tem transmissões regulares e havia uma regra, que eu não sei se ainda vale, de que a corrida tem X voltas ou 2 horas.

  • André

    Meu sonho seria tirar isso da Globo, daí não seria mais obrigado a ouvir o mala do Marco Freitas comentando os jogos e falando uma asneira atrás da outra.

    • Fernando

      Nem fale, é cada bola fora que dói.

      Confundem até os nomes das jogadoras, e acham que é futebol.

  • Edu(ardo)

    Mais confortável pros torcedores do cruzeiro, pq um jogo de semifinal sexta às 17h inviabiliza qualquer torcedor minastenista de ver esse jogo.

    bola fora da alterosa por tirar a transmissão e desse horário pro primeiro jogo.

  • Rodrigo

    Por isso q a próxima temporada vai ter um grande número de jogadores indo para o exterior lucão só não foi pq tinha mais um ano de contrato com sesi, mais no próximo estará em Modena com Bruno, fora Wallace, Lucarelli, eder e cia tem muito mercado lá fora aqui só vai fica os de segunda linha.

    • Marcos

      Concordo. E eles estão certos .
      Inclusive, li uma entrevista durante a preparação do mundial quando a seleção treinou em Modena e os próprios jogadores brasileiros elogiando demais a estrutura e organização.

      • Edu(ardo)

        Mas pra jogar na Itália a maioria vai ter que baixar um pouco os salários astronômicos tb. A SL é muito judiada pelos dirigentes e os salários também se supervalorizaram.

        • Andre

          Olha para mim os salários da SL no próximo ano vai cair um monte .
          A Superliga não é mais um sistema sustentável. Não adianta ganhar um pouco mais dinheiro com um campeonato com duas equipas no topo e sem a menor organização. .Fora do Brasil os salários são menores porque são mais tributados, mas o nível de competitividade e atração é muito diferente. Na Itália este ano   três tv abertas vai transmitir os jogos e o calendário completo do campeonato é estabelecido em Julho…..como aqui né….

        • Rodrigo

          Se for pra ganhar dinheiro vai pra Coréia ou Japão lá eles contratam um estrangeiro por equipe e pagam milhões se for pra elevar o nivel aí vai pra Rússia Itália Polônia. A Superliga na realidade só tem dois times cruzeiro e SESI o resto só faz fumaça.

          • Darth Vader

            Tem o Taubaté/Funvic que promete vir quente (trouxe Lorena, Dante, Rapha, Sidão, entre outros).
            Já a Superliga feminina dá pinta de que vai ser dominada pelo Rexona/RJ mais uma vez, até porque o Osasco não tá mais com aquela bola toda, e o Praia Clube (que apesar do nome é de Uberlândia, MG) se reforçou bem.

          • Marcos

            Imagina que superligaaa…com Lorena né…

  • klaus

    O vôlei brasileiro está passando por uma crise grande tanto de gestão quanto de formação de jogadores.Nossa superliga está ficando muito atrás de outros centros como Rússia, Polônia, Turquia e Itália.O nível de organização aqui parece amador.Não queria isso, mas tomara que nossos jogadores migrem para esses centros.Quem sabe assim os clubes parem de pensar em si próprios e se unam para um bem comum.Pra se ter uma ideia da formação de jogadores, o técnico Maurício Thomas tem como titular na seleção juvenil feminina uma central de 1,78m e outra de 1,83m.Não preciso falar mais nada.

  • Valdir

    A partir do momento que a própria CBV não valoriza NADA o principal campeonato do país, por que as TVs, os jogadores ou os torcedores deveriam valorizar?
    Torcendo pros jogadores irem mesmo jogar na Europa e Ásia, onde vão ser bem tratados como merecem, não essa palhaçada de jogar domingo de manhã aqui.

  • Olá Daniel. E não é só apenas o Sada Cruzeiro que reclamou publicamente sobre essas alterações. Veja só a nota que a UFJF fez sobre a antecipação dos jogos das semifinais do Mineiro:

    “NOTA DE REPÚDIO

    O Projeto Vôlei UFJF repudia veementemente a decisão arbitrária da Federação Mineira de Voleibol (FMV) de antecipar as semifinais do Campeonato Mineiro de Vôlei Masculino Adulto 2014.

    Mais uma vez defendendo os interesses de times da capital, a FMV antecipou os jogos que estavam, desde agosto de 2014, marcados para sábado e domingo (18 e 19 de outubro). Agora, as partidas serão realizadas na sexta-feira e no sábado (17 e 18 de outubro).

    Essa decisão significa um transtorno enorme para a nossa equipe, pois interrompe a programação de treinamentos antes estabelecida, altera a rotina pré-determinada dos atletas e prejudica de maneira muito significativa a logística de transporte e hospedagem.

    Maior do que esses danos, porém, é a questão moral: a FMV consultou na última hora o Vôlei UFJF sobre tal mudança de data e foi informada que a UFJF não concordava com a mesma, sendo extremamente difícil realizar os ajustes logísticos. No entanto, a FMV limitou-se a comunicar a alteração no cronograma às 22h15 da última quarta-feira, 15 de outubro, também infringindo os artigos 31 e 33 do regulamento do campeonato, elaborado pela própria FMV.

    O Vôlei UFJF não mediu esforços para estar presente nas semifinais, até porque o nosso projeto, para além de esportivo, é educativo. Ressaltamos, no entanto, que não jogaremos pelo evento, mas por respeito à instituição UFJF, pelos nossos atletas, pelos nossos torcedores e pelos nossos patrocinadores. Não fugimos aos nossos compromissos e às nossas responsabilidades. Mas que fique claro nosso REPÚDIO e nossa INDIGNAÇÃO a esta determinação unilateral e questionável da FMV.

    Direção Projeto Vôlei UFJF”

    Link da declaração: https://www.facebook.com/voleiufjf/posts/846059248759624

MaisRecentes

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo

Corinthians faz melhor jogo na Superliga



Continue Lendo

Coluna: A imprevisível Superliga feminina



Continue Lendo