E o Brasil perdeu para o campeão



A China conquistou, neste sábado, a terceira medalha de ouro em Jogos Olímpicos no feminino. Em um Maracanãzinho tingido de vermelho pelos torcedores asiáticos, vitória por 3 sets a 1 sobre a Sérvia, parciais de 19-25, 25-17, 25-22 e 25-23.

É repetitivo, mas digno de registro logo no início do texto. Como joga a Ting Zhu! Foram 25 pontos, 24 deles no ataque, com direito a algumas pancadas, como a bolada no rosto de Ognjenovic, já no fim do quarto set. Deu até dó da levantadora sérvia ao ser atingida.

Festa chinesa no Maracanãzinho (FIVB Divulgação)

Festa chinesa no Maracanãzinho (FIVB Divulgação)

É necessário também elogiar Lang Ping, agora campeã como atleta (1984) e treinadora (2016). Depois de perder o primeiro set, repetindo o realizado nas quartas de final, contra o Brasil, ela mexeu no time e voltou diferente na parcial seguinte para conseguir mais uma virada.

É também preciso enaltecer a recuperação da China durante a competição. Fez uma primeira fase aos trancos e barrancos, saindo em quarto no grupo, e arrancou nos jogos eliminatórios até o ouro.

Pelo lado sérvio, Boskovic marcou 23 pontos. Fez uma campanha olímpica quase impecável. E já deixou de ser uma revelação para se colocar como uma das principais atletas do mundo.



  • Bruna Volochova

    E a Natália, já deixou de ser promessa?

    • AfonsoRJ

      Pergunta pro Fenerbahce…

  • Luciano

    Nenhuma surpresa pois qualquer um que acompanha vôlei sabia que a China era uma das favoritas (na verdade era a minha favorita).

    A surpresa é ver que um dos pouquíssimos espaços para o vôlei simplesmente ignorou a campanha da seleção masculina e sua chegada à disputa pelo ouro.

    • Rodrigo Rodrigues

      A China não passou o rodo não hein?! Ganhou todas as parciais do Brasil apertado num jogo de 5 sets. Poderia ter passado tanto Brasil quanto China. Fora que as americanas na final podiam ter levado o ouro também. A China não era favorita absoluta e não “sobrou” na turma como fez o Brasil em 2008.

      • Luciano

        Rodrigo, nao disse que era favorita absoluta. Disse que era uma das favoritas. E, honestamente, não importa sobrar, importa ganhar a medalha de ouro. Em 2012 a seleção feminina passou apertado e o ouro vale tanto quanto o de 2008.

  • Maria

    jogou muito a China vai ser difícil pelo menos nos próximos dois anos creio eu montarmos uma seleção capaz de jogar de igual para igual com elas como fizermos na quartas de finais preocupada com o futuro do vólei feminino do Brasil

  • L. Mesquita

    Não foi a China que ganhou o Ouro,foi a Lang Ping que conquistou esse Ouro os méritos são todos dela.Nunca vi uma olimpíada com tanto equilíbrio no vôlei feminino e quando temos um torneio tão equilibrado assim que ganha o Campeonato é o melhor técnico.Foi uma final incrível.Um dos melhores jogos de vôlei feminino que já vi nos últimos tempos.Parabéns também ao excelente técnico Zoran Terzic,que fez tudo o que pode para conquistar o Ouro numa partida de Xadrez que foi essa final.Ao contrário do Zé Roberto,Terzic não foi omisso em nenhum momento da final,como um mestre de Xadrez foi movimentando suas peças de forma a tentar anular as estratégias da Mestra Lang Ping.Terzic perdeu a final,mas perdeu lutando muito até o final,mexeu no time,pediu tempo na hora certa,pediu desafio oportunamente,no último set fez 4 mudanças no time que fizeram a Sérvia quase virar o placar do set,mas enfim,não deu,mas ele tentou,não foi medroso,não superticioso,Terzic foi um técnico líder em quadra de cumpriu muito bem o seu papel.Ao contrário de Zé Roberto que não teve coragem de por Fabíola,Gabi e Jaqueline para jogar no final do jogo e preferiu perder sem tentar mexer no time,Terzic pôs Busa,Velikivic,Brakocevic e Zivkovic pra jogar no último set a ponto de a Sérvia quase conseguir virar o placar.O Brasil poderia sim ter ganhado da China,faltou tática,estratégia e,principalmente,coragem do técnico brasileiro para mexer no time.
    Acho que ficar culpando o ciclo olímpico é chover no molhado.Como a própria Laura disse,se a Olimpíada fosse daqui a um mês,os resultados poderiam ser diferentes,pois o toneio olímpico nunca foi tão equilibrado nas edições anteriores.Vale ressaltar que a China terminou a fase de classificação em QUARTO lugar!!!Lang Ping ganhou esse ouro a cada jogo.Cada jogo foi uma final para Lang Ping,estrategista,ela mudava o time de acordo com o andamento da partida,de acordo com a produção do adversário.Ponto a ponto,set a set,jogo a jogo,Lang Ping foi contstruindo esse Ouro.Lang Ping não foi uma técnica estática,ela não veio pra olimpíada com uma receita pronta,ela não veio com uma “PANELA”,ela não se acomodou,ela não foi medrosa.LAng Ping veio para o Rio com a mente aberta para mudar o time sempre que precisasse e com opções táticas que incluíam as jogadoras que estavam no banco e não somente as titulares e assim foi ocnstruindo seu Ouro a cada jogo.
    2008 – O Brasil foi Campeão Olímpico devido a enorme “superioridade técnica” em relação às demais equipes.Ao contrário do Rio-2016,Pequim-2008 foi a Olimpíada menos equilibrada que eu já vi,pois a superioridade técnica brasileira era flagrante.A geração que reuniu no mesmo time super-craques no auge de suas carreiras como 1 Walewska Oliveira,Marianne Steinbrecher,Fofão e nossa única MVP Olímpica,Paula Pequeno,que foi uma monstra nessa olimpíada jogando tudo o que podia.
    2012 – o Brasil foi Bi-Campeão Olímpico porque os EUA não quis eliminá-lo na fase de classificação quando tinha a faca e o queijo nas mãos.Zé Roberto tinha perdido o controle do time que estava perdido.O mérito foi mais das jogadoras e principalmente da Capitã Fabiana que uniu e liderou o time depois da classificação dada de presnete pelos EUA com a vitória sobre a Turquia.Nessa olimpíada Zé mais atrapalhou do que ajudou deixando o time tenso na fase de classificação e por pouco o Brasil nem se classificava para o mata-mata.Parabéns à superação das jogadoras que ganharam mais no coração do que na tática.
    O Ouro em 2008,na superioridade técnica,e o Ouro em 2012,no coração e na superação das jogadoras,mascararam a inércia,a supertição e a falta de coragem do Zé mexer no time e mudar as estratégias e táticas durante a partida.Zé Roberto sempre foi técnico de receita pronta,lento,demora a substituir e quando o faz é quando a mionese já desandou.
    A maior prova disso foi o 24×19 contra a Rússia em 2004.Tantos match points perdidos e o Zé não fazia nada para mudar a estratégia e a tática para fechar o jogo,a coitada da Mari,a mais nova do time,é que saiu queimada,quando na verdade a culpa foi da inércia do técnico medroso e paneleiro que é o Zé Roberto.Mesmo tendo Elisângela(Lili) e Bia no banco como opções de oposta e Fofão como opção de levantadora,Zé Roberto preferiu queimar a carreira da Mari a sequer tentar apostar na inversão do 5×1.Não bastasse isso Zé Roberto foi com a mesma postura medrosa,paneleira e sem coragem para mexer no time na disputa do Bronze contra Cuba e o Brasil saiu de mãos abanando de Atenas-2004.Alguma diferença da falta de ousadia,estratégia e mudança tática do Zé de 2004 para o Zé de 2016?Um técnico que credita um título olímpico a passar a mão em um corcundo não pode estar no mesmo nível de Lang Ping ou Zoran Terzic.

  • Guilherme Diniz

    Olho nelas:

    Valquíria Carboni – 22 anos – 1,90m – Central
    Karoline Tormena – 22 anos – 1,87m – Ponteira
    Maiara Basso – 20 anos – 1,86m – Ponteira
    Ariane Helena Pinto – 19 anos – 1,90m – Oposta
    Letícia Kroth Swarovsky – 20 anos – 1,90m – central
    Marina Trabulsi Sanches – 20 anos – 1,93m – Central
    Kisy Cesário do Nascimento – 16 anos – 1,88m – Oposta (canhota)
    Maria Bárbara Biermann – 18 anos – 1,86m – Ponteira
    Natália Fernandes Silva – 21 anos – 1,93m – Ponteira
    Raquel Loff – 21 anos – 1,93m – Central
    Ana Paula Borgo – 23 anos – 1,88 – Oposta
    Lorenne Teixeira – 20 anos – 1,87m – oposta
    Karyna Malachias – 17 anos – 1,94m – Central
    Kaoane Loch – 18 anos – 1,93m – Central
    Yvea Bastos – 18 anos – 1,96m – Central
    Kimberlly Lacerda – 19 anos – 1,88m – Oposta

    Guilherme

  • Guilherme Diniz

    Olho nelas:

    Valquíria Carboni – 22 anos – 1,90m – Central
    Karoline Tormena – 22 anos – 1,87m – Ponteira
    Maiara Basso – 20 anos – 1,86m – Ponteira
    Ariane Helena Pinto – 19 anos – 1,90m – Oposta
    Letícia Kroth Swarovsky – 20 anos – 1,90m – central
    Marina Trabulsi Sanches – 20 anos – 1,93m – Central
    Kisy Cesário do Nascimento – 16 anos – 1,88m – Oposta (canhota)
    Maria Bárbara Biermann – 18 anos – 1,86m – Ponteira
    Natália Fernandes Silva – 21 anos – 1,93m – Ponteira
    Raquel Loff – 21 anos – 1,93m – Central
    Ana Paula Borgo – 23 anos – 1,88 – Oposta
    Lorenne Teixeira – 20 anos – 1,87m – oposta
    Karyna Malachias – 17 anos – 1,94m – Central
    Kaoane Loch – 18 anos – 1,93m – Central
    Yvea Bastos – 18 anos – 1,96m – Central
    Kimberlly Lacerda – 19 anos – 1,88m – Oposta

    • will

      Acho que agora mais do que nunca vamos precisar dessas jovens pra manter o Brasil no topo de disputa tanto pra 2020 quanto pra frente não sabemos como vai estar a Thaísa ,Natália e Tandara além das levantadoras que tem idade pra próxima já que vai estar com 34 anos vai dar uma mescla pra chamar essas novas jogadoras! A nossa seleção precisa de novas ponteiras e centrais com altura pra tentar parar uma Ting Zhu 1,95 cm ou Boskovic,Lowe de 1,93 com uma central de 1,83 e uma ponteira de 1,78,não dá mesmo pra tentar algo com isso ,agora com esses nomes com essa altura da sim pra trabalhar ano que vem já no Grand Prix e Montrex.

  • Everton Luiz Kolm

    Jogadoras como Jaqueline e Dani Lins mandando recado para o Bernardinho, dizendo que iriam jogar por seus maridos que foram cortados. Falaram tanto que foram pra casa assistir com eles.

    • Manu_Floripa

      a arrogância dessas duas ainda não desceu, fico pensando se não perderam porque achavam que já tinham ganho

MaisRecentes

Dia de aplaudir o Zenit Kazan



Continue Lendo

Praia x Minas e Sesc x Vôlei Nestlé. Quer mais?



Continue Lendo

Agora líbero, Murilo volta a ser relacionado após 8 meses



Continue Lendo