E deu EUA também no Pan



O sábado terminou com saldo positivo para os Estados Unidos no duelo com o Brasil.

Em Toronto, na final do Pan, mais uma vitória das americanas sobre as brasileiras e outra vez por 3 a 0, mesmo placar do Grand Prix. Resultado que garantiu o ouro para as atuais campeões mundiais.

Sendo curto e grosso: o time dos EUA jogou melhor do que o brasileiro na decisão. Teve o controle quase total nos dois primeiros sets e conseguiu uma grande virada no terceiro. Fawcett foi uma tremenda bola de segurança, algo que faltou para o Brasil. Apenas Fernanda Garay teve um aproveitamento aceitável no ataque. Rosamaria, desta vez, não brilhou. Jaqueline, que não começou jogando por uma contusão na lombar, substituiu Mari Paraíba no segundo set e teve importante colaboração para equilibrar as ações a partir daquele momento. Mas errou nos dois últimos pontos da parcial final.

Já vi alguns comentários nas redes sociais sobre a arbitragem. Minha opinião: dois toques de Lloyd poderia ter sido marcado no fim, mas o ataque de Jaqueline que teria tocado no bloqueio só com desafio eletrônico para saber. Coisas de jogo.

No balanço final, o time brasileiro no Pan foi muito instável, precisando sair do buraco contra as americanas na primeira fase e duas vezes diante de Porto Rico. Demonstrou força três vezes. Na quarta não conseguiu. Que sirva como experiência para algumas das jogadoras que estão tendo a primeira grande oportunidade agora, como Macris, por exemplo, com boa chance de se manter no grupo para a Olimpíada.



  • Jerffeson

    Temos que torcer pra Tandara voltar a jogar em alto nível, pq se for depender dessas opostas do Pan e Grand Prix pra ser reserva de Sheilla… Não sei o que aconteceu com a Fabíola pra ter pedido dispensa nessa temporada e não sei como as coisas vão seguir, mas tomara que ela esteja disponível e volte e o Zé não invente igual na Olímpiada passada… Quanto ao jogo em si, um time que tá ganhando de 20 x 12 não pode perder o set não! EUA deixaram o Brasil empatar e virar o primeiro set, mas tiveram mais controle pra fechar (e aquele cartão vermelho que o Zé foi arranjar hein…). Agora é aprender com os erros, pensar em tudo o que aconteceu no Mundial do ano passado, nesse Pan e Grand Prix pra não repetir ano que vem, já que o que importa mesmo é a Olimpíada.

  • Willker José

    Infelizmente, mais um banho tático dos EUA. Bloquearam/defenderam/sacaram demais.
    Cara não aguento mais isso. Quando será que o Brasil vai superar taticamente o EUA?
    Com o jogo inteiro com bola na ponta daria no que?
    A Bárbara como meio de rede não dá. Péssima. Adenízia também foi outra que decepcionou. Não sei como vai ser depois que a Thaísa e a Fabizona aposentarem. Não tem nenhuma jogadora no nível delas para substituir até agora.
    Oposto também tão extinção. O EUA defendeu praticamente todos os ataques da dupla Joycinha e Rosamaria. Apesar disso ainda acho que a Rosamaria tem potencial para melhorar.
    Tieme também pode largar mão. Só tem altura. Muito imprecisa e não sabe acelerar jogo.
    Pra não falar que eu sou chato gostei demais da Garay. Essa mulher joga demais. Difícil ver uma jogadora como ela que independente se é ponto decisivo ou não sempre vira as bolas. E é bom também pra calar a boca de muita gente que tava falando ela que não tava virando mais nada e tinha que ser reserva da Natália kkkkkkkkk

    • Fernando Marcelo

      A Natália já está se aposentando e mais prejudica o time do que ajuda, não tem nível pra ser reserva, quem dirá titular.

  • Murasaki

    Como Macris pode ter chances para 2016? Foi uma das piores durante a final, levantando bolas inatacáveis nos momentos finais, sem contar as diversas bolas afastadas da rede. Não consegue inverter da saída para entrada, levantamentos baixos e por aí vai. Teria que melhorar muito, mas muito mesmo

  • MVP do blog

    Decepção com os dois times!
    O ponto é que as seleções americanas, sobretudo a do Pan, não são equipes excepcionais, dream teams. O Brasil que simplesmente não quis jogar. As “novatas” erravam, e as experientes vacilavam. Acho que pra mostrar todo meu ódio com esses resultados, escreveria uma dissertação de mestrado, de no minimo 100 páginas.

    Ponteiras do Grand Prix: cara, eu tava pra dá na televisão, com raiva do Paulo Coco que simplesmente nao tentava mudar nada no time. Jesus, Natália permaneceu TODO o jogo em quadra. O que diacho é isso? Esse homem é louco? Quina passes, ataque simplesmente inexistente. Gabi, é aquela historia, é habilidosa, mas é baixa. Muitos dizem que isso é irrelevante. Olha, ou a pessoa é muito cega e burra, ou quer um placebo pra se iludir. Jogadora Limitada!

    Opostas: Tandara sua…como é que uma pessoa engravida assim, logo nessa época? Não há nenhuma oposta que ao menos faça o que Tandara e Sheilla ja fizeram um dia pela seleção. E olha que Tandara ainda não é unanimidade. Mas Joycinha, Rosa, Monique…rodar bolas não é com elas. Joyce nao ataca uma que não bata no bloqueio. Qual seria a explicação? Hipermetropia, catarata, problema de pontaria? Creio que ate Ivna, com seus balões, faria mais coisa que todas essas juntas.

    Centrais: Adenizia merece sim ser convocada. Raçuda, assume responsabilidade. As outras somem quando deveriam ser a diferença. Barbara e Angelica sao convocadas e Roberta não; Mara não joga sequer uma unica partida. Dá pra entender algo? Barbara e Angelica devem ter feito uns 10, 12 pontos de ataque somando todas as partidas…

    Levantadoras do Pan: Ana Tiemi evoluiu? Em que mesmo? Macris, uma decepção na final. A macris levantava bola de ponta e a bola ficava uns 300km de distancia da rede, era quase sempre uma pipe na entrada e saída.

    Jaqueline: capitã nervosa, perdendo pontos importantes. Entrando na onda do José Roberto, que não tem controle emocional nenhum.

    Poderia ficar a noite toda elencando os pontos mais aborrecedores dessses dois times, mas o cansaço não permite. Dessa seleção, formada do que restar de algumas jogadoras, um bronze no Rio já está de bom tamanho.

  • Junior

    Este time demonstrou ao longo do campeonato estar muito fraco ofensivamente…e ficou ainda mais claro na final, fazendo muita forca pra colocar uma bolinha no chao e os US sobrando!!
    Joycinha, Ana Tiemi acho q estao fora do grupo, muito abaixo…em varias partidas embora a Joycinha tenha ajudado nos tie breaks…enfim, acho que nao da!!
    Angelica muito fraca e a Barbara ainda tem o que mostrar…Macris foi bem, embora sentiu a final e a Mari Paraiba tb. Jaque fez o que pode mesmo com dores, deu animo e coragem pra equipe, defendeu bem. Fe Garay foi a melhor, guerreira e corajosa foi anulada no final. Rosamaria foi bem, tem potencial!!
    Enfim, faltou maturidade pra elas! Mas foi otimo pro Ze enxergar o potencial de algumas meninas e trabalhar pras Olimpiadas

  • Guilherme

    Eu só queria saber oq fizeram esses anos todos fora do volei brasileiro Ana Tiemi e Joycinha? pelo amor de deus oq foram aquelas duas levantadas da tiemi pra Rosamaria? e a Joycinha com um 1,90 não conseguindo virar uma bola sequer durante todo o pan? no mais vale destacar o momento espetacular dos EUA no vólei feminino!!! a cada uma bola mau levantada da Tiemi surge um novo talento no volei estadunidense, a cada uma bola q a Joycinha não consegue atacar mais uma jovem promissora gringa, Barbara levando toco no meio, mais uma garota com potencial da terra do Tio Sam passando por cima do bloqueio brasileiro. No mais, acho q valeu muito o aprendizado pra Rosamaria q só tem a crescer jogando por uma camisa pesada como a do Minas e treinando com o Paulo Coco, sem duvidas ela vai crescer tanto técnica quanto principalmente fisicamente e tem tudo ao meu ver pra ser a reserva da Sheilla em 2016 e a “Sheilla” do próximo ciclo olímpico, Macris corajosa, habilidosa mas desentrosada ainda porem com muita margem de crescimento e vai brigar com a Fabíola pelo segundo posto pra 2016 e vai ser a levantadora do próximo ciclo. Barbara e Angelica não são jogadoras pra seleção brasileira e Joycinha e Ana tiemi com toda a bagagem q tem fazerem o pan q fizeram, Tchau e benção!!!

    • Edu

      Macris tem muito talento e potencial a crescer.No entanto, como ela vai evoluir jogando o campeonato brasiliense e a Superliga numa disputa para ser quinto ou sexto em um ano prévio apenas para a Olimpíada.Enquanto isso, na temporada passada, a Fabíola jogou no voleibol russo, com as jogadoras fisicamente mais fortes e altas do mundo e na disputa da CEV contra o voleibol Italiano (contra o time da Hill),Finlandês,Frances, Azerbaijão(contra,Dixon, Akinradewo,Tomkon e Skowornska) e Polonês.E uma diferença técnica monstruosa.Como jogar pelada na rua, como o campeonato brasiliense, e uma partida na Alianz Arena em Munique.Hoje a diferença técnica entre a Macris e a Fabíola é abissal e as condições para a jovem levantadora evoluir tanto em curto prazo não lhe favorece.

  • Rafael silva

    E simples time que não bota bola no chão não ganha jogo.Fernanda Garay não iria carregar o time nas costas o campeonato inteiro e fato!
    Joyce fraca demais já tevês muitas chances não convence,Rosamaria e jovem merece ter mais oportunidades mostrar evolução, e alta e pode mostrar mais efetividade.
    Macris e boa levantadora mas e muito inexperiente, e imprecisa em momentos importantes parece que ta querendo se livrar da bola e não levantar, mas esse lado afobado tende a melhorar com a experiencia adquirida, ela tem atitude que e muito positivo numa posição que exige liderança, gostei do que ela mostrou principalmente porque tem bastante margem pra evoluir.
    Camila brait foi um monstrinho no fundo de quadra,jogou muito!Adenizia fez um bom campeonato, Jaque lesionou na metade da competição e jogou no sacrifício.
    Brasil foi fraco no ataque e chegou na final mais na disposição do que na competência e ficou no lucro com essa prata.

  • Daniel

    Hoje tivemos uma real dimensão do problema que teremos após a olimpíada de 2016. Quando Sheilla, Fabiana e cia não mais defenderem nossa seleção, é isso que teremos. Muito se fala da genialidade do treinador da seleção feminina, mas tanto ZRG e Bernardinho estão no mesmo barco:estão vendo sua melhor geração se aposentar (a masculina quase toda já se foi) e não terem peças de reposição à altura. Ficou claro que não temos opostas para segurar a virada de bola. Monique, Ivna, Joyce e Rosamaria(tendo essa última a prerrogativa da pouca idade) juntas não devem ter marcado 15 pontos contra os EUA nos dois jogos. Bárbara, que foi convocada graças ao seu desempenho como oposta em seu clube, não rendeu nada no meio. Angelica nunca convenceu nem na Superliga, Adenisia pouco fez, assim como a dupla de centrais usadas no Grand Prix. Gabi e Mari Paraíba sofrem contra bloqueios altos, enquanto Nathália deveria voltar a ser oposta, pois o passe hoje foi sofrível. No fim do dia, venceu o treinador com o melhor planejamento, que usou todas as jogadoras convocadas e que cujo país nem liga profissional possui.

  • Alex Lima

    Ano estranho pro vôlei brasileiro… Espero que os meninos no Pan nos salvem de um vexame hoje. Apesar de tb não acreditar numa medalha… Enfim voltamos ao passado.

  • Murasaki

    Daniel, eu realmente gostaria que você me respondesse: você sabe de algo sobre a Fabíola que nós não sabemos? Toda vez você fala que a Macris tem boa chance de se firmar para 2016, mas não consigo ver isso acontecendo SE o que for levado em consideração for habilidade técnica e tática.

  • gilberto

    Este time demonstrou ao longo do campeonato estar muito fraco ofensivamente…e ficou ainda mais claro na final, fazendo muita forca pra colocar uma bolinha no chao e os US sobrando!!
    Joycinha, Ana Tiemi acho q estao fora do grupo, muito abaixo…em varias partidas embora a Joycinha tenha ajudado nos tie breaks…enfim, acho que nao da!!
    Angelica muito fraca e a Barbara ainda tem o que mostrar…Macris foi bem, embora sentiu a final e a Mari Paraiba tb. Jaque fez o que pode mesmo com dores, deu animo e coragem pra equipe, defendeu bem. Fe Garay foi a melhor, guerreira e corajosa foi anulada no final. Rosamaria foi bem, tem potencial!!
    Enfim, faltou maturidade pra elas! Mas foi otimo pro Ze enxergar o potencial de algumas meninas e trabalhar pras Olimpiadas

  • Lilika

    6 a 0 pra elas….que lástima….mas o trabalho dos norte-americanos, diga-se de passagem, começou em 2009, e não somente qdo Kiraly assumiu ser técnico…não digo que por milagre conseguimos superá-las na final de Londres-2012, nossa seleção superou muitos obstáculos e por méritos trouxemos o Bi-Olímpico (com a ajuda ou não das yankees haha), mas desde 2010 naquele GP, as yankees estavam um patamar acima de nós…mesmo assim confio no trabalho de nossa seleção, apesar de algumas discordâncias de algumas peças, temos chances de tentar novamente o ouro, só que estamos novamente correndo atrás…

  • Edu

    Prezado Daniel, permita-me discordar de sua afirmação. Macris teve o mérito e coragem jogar um Pan de forma razoável e sem comprometer na média.Mas demonstrou estar ainda bem verde ainda para um grupo principal de seleção brasileira.Ela prefere jogar a bola com mais velocidade mas tem seria deficiência na altura do levantamento para maior distancia e acionamento de pipe.É uma menina com imensa personalidade com certo tino de liderança mas não bloqueia bem e mostra fragilidade no embate da rede com seu um e setenta e oito.Veja a fresta que abria com as jogadoras estadunidense mais altas.Um exemplo prático:o Kirally baniu a presença na rede da Thompson e privilegiou a Molly Kreklow, novata e MVP da temporada universitária, que é menos técnica mas tem um e oitenta e um.A Thompson, com dois anos de levantadora suplente, hoje joga nas inversões e quando a rotação entra na rede ela é imediatamente substituída do jogo.Numa fase de menos de um ano para a Olimpiada a Macris teria que melhorar muito a impulsão e timing de bloqueio e aperfeiçoar a bola mais rapida com melhor altura e alternativas de maior distancia ao seu repertorio.Hoje ela e uma consistente realidade não para o ano que vem.Sim para 2020.Com a distancia que os EUA demonstraram acho difícil prescindir hoje da Fabíola no grupo.Ana Tiemi apenas confirmou que é uma jogadora instável, limitada, descoordenada e bancou para uma jogadora novata.Mesmo com alguns anos de convocação previa de selecionado.Que tenha bastante sucesso no Bauru.

  • kleber

    Na verdade, há várias coisas a serem falado. Barbara, por exemplo, se destacou como OPOSTA e não teve chances exercendo tal função. Falta um pouco de diferencial nessas seleções como opções quando uma peça ou outra não funcionar. Por exemplo, no sábado, a Mari Paraíba até tava passando bem, porém péssima no ataque. Era melhor ela em quadra do que a Joicinha toqueira ou a Rosamaria. Nem que para isso fosse preciso deslocar a a bela ponteira para a saída de rede

  • Edu

    Para encerrar, não e possível alegar que a equipe foi feitas as pressas e parcelada para justificar a medalha de prata, que teve imenso mérito.Os EUA apresentaram a mesmíssimas condições.Prevaleceu a imposição do melhor jogo coletivo.Pode se questionar porque levaram a Jaqueline já que ela não apresentou praticamente a menor condição fisica.Jogou apenas um pouco a final a custa de uma injeção anti inflamatória na lombar.Se descobriu que infelizmente Mari PB e Bábara ainda não tem padrão para jogar um campeonato internacional mais elevado.Que Adenizia ainda e muito casca grossa e contribuinte com o selecionado.Que a Camila Brait,cada vez melhor, foi a melhor libero do Pan.Angelica e Macris não fizeram feio.E resgatar Joicinha e Ana Tiemi, jogadoras já previamente testadas e não inteiramente aprovadas na intensidade mais competitiva da carreira foi um tentativa que incorreu em equivoco.E Fernanda Garay tentou, quase conseguiu, levar o time brasileiro nas costas.Guerreira, lucida, lider e incansável jogadora articulada -além de uma alegria aos olhos pela beleza.Justifica, com sobras, se manter na elite de clubes do voleibol feminino com seu um e setenta e nove de altura.

  • lucio

    Calma. esse filme eu já vi. vamos relembrar o que aconteceu antes dos jogos Olímpicos de Londres. As Americanas era as favoritaça. deu Brasil. a Jaqueline era chamada de jaque toco. e Dani amarelava. e a Sheilla estava em decadência. foram as melhores jogadoras da seleção. Olimpíada é outra coisa. calma com Rosa Maria é muito talentosa em breve será titular da seleção adulta. este estagio que a Rosa Maria esta passando .a Sheila também passou. dizia a época que Sheilla não tinha condições de substituir Ana Moser. e a Sheilla se transformou em uma das melhor jogadora do mundo. este pan. é primeiro teste da Macris. passou com nota 8, portanto, o tempo é o Senhor da razão.

  • jose herbert de araujo

    Macris prá mim passou no teste. Rosamaria devemos dar um desconto, é a primeira vez na seleção adulta, tem muito chão pra melhorar.Agora a Joycinha… torci muito por ela, mas ela não derruba uma bola. Pra oposta tem que derrubar bolas. Tem que ser o escape da levantadora nas horas difíceis. E isso ela não foi. Pena mesmo, tem altura, bate forte, mas não com eficiência. Jaque, Garay e Brait são tarimbadas e se levantarão. Agora, com a volta das titulares podem ter certeza o Brasil volta forte.

  • Fernando Marcelo

    Análise:
    Grand Prix:
    Jogamos sem Opostas, Monique horrível só levou bloqueios. IVNA só balão.
    Ponteiras: Natália horrível no passe e péssima no ataque, Gabi baixa e foi vítima dos inúmeros bloqueios e tocos que levou, limitada no ataque e alvo fácil nas mãos dos EUA E Rússia.

    Pan Americano:
    Jogamos sem opostas, e estas foram péssimas, praticamente jogaram pras adversárias.
    Centrais: Só a Adenízia foi razoável.
    Ponteiras: Michele nunca deveria ter ido lá, horrível em todos os fundamentos, Mari Paraíba só deu prejuízo, só sabe passar e não ataca uma bola, recebe 26 bolas e só faz 2 pontos? e ainda só da largadinha.

    Ou seja, perdemos os dois campeonatos,pois, não temos ponteiras atacantes, não temos passadoras que atacam e opostas

  • Fernando Lopes

    Se Brasil for ouro em 2016, será, sem dúvida, por méritos das jogadoras, que terão de se superar em quadra, jogar 100%. E triste comparar a seriedade do trabalho de planejamento da comissão técnica dos Estados Unidos com a falta de planejamento da brasileira. Os Estados Unidos aparecem com uma excelente renovação, enquanto o Brasil permanece o mesmo time, 4 anos mais velho, nada de novo, nada bem planejado. No grand prix a seleção pegou carona no trabalho do Unilever, algo absurdo se pensar as olímpiadas em breve, o mesmo Unilever que internacionalmente já tinha se mostrado fraco no mundial de clubes….. Jogadoras já com idades avançadas para pegar “experiencia”, muito abaixo tecnicamente das novidades americanas. Usa-se, até parte da imprensa televisiva, a justivicativa de inexperiencia. As americanas, as chinesas, as russas, atuais são mais novas e inesperientes que as brasileiras e mostram-se melhores preparadas individual e coletivamente, mais maduras. Em grande parte por um planejamento que parece inexistir no Brasil. As jogadoras mais novas com potencial estão sem jogar, seja em clubes seja na seleção, exceção feita a Carol. Viajam para pegar experiencia e se quer entram nos jogos, são são testadas, ( Suele,Mara,….). Total falta de planejamento, lógica. José Roberto e Bernardinho são excelentes técnicos, mais não se renovam, estão ultrapassados. É terrivel essa cultura estimulada por parte da imprensa em querer sempre definir o melhor, o mais bonito …., e esquecer o importante que é a coletividade….è absurdo ver entrevistas com atletas e técnicos americanos, russos e perceber que para eles prevalece o coletivo, o planejamento e no Brasil impera o pensamento do individualismo. A equipe americana feminina está com o mordida pelas derrotas em 2008 e especialmente em 2012 e se prepara ferozmente para 2016, enquanto o Brasil dorme. Porque hoje elas estão um nível acima? Não estavam em 2012. Acorda Brasil….

MaisRecentes

Sada/Cruzeiro sai do Mundial com bronze e cabeça erguida



Continue Lendo

Rodada define confrontos da Copa Brasil masculina



Continue Lendo

Dia de aplaudir o Zenit Kazan



Continue Lendo