Duda é o futuro do vôlei de praia feminino



Peguei emprestado um texto publicado no LANCE! de hoje. Ele é assinado pelo Rafael Valesi, editor de poliesportivo, que está em Nanquim, na China, fazendo a cobertura dos Jogos Olímpicos da Juventude.

Ele explora, como uma das personagens, Duda, talvez a maior revelação do vôlei de praia brasileiros nas últimas décadas.

Para quem acompanhou o esporte de base brasileiro de perto nos últimos meses, não foi nenhuma surpresa que Marcus Vinicius D’Almeida e Duda tenham subido no pódio na Olimpíada da Juventude ontem em Nanquim, na China. O arqueiro e a jogadora de vôlei de praia estão entre os atletas mais promissores da nova geração.

A sergipana de 16 anos conquistou o título olímpico juvenil ao lado de Ana Patrícia, e aumentou sua galeria de grandes conquistas. Com parceiras diferentes (primeiro com Tainá em 2013, e depois com Andressa neste ano), Duda é bicampeã mundial sub-19. Resultados que a eleva cada vez mais como xodó da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Ana Patrícia e Duda (à direita). Foto de Wander Roberto/Inovafoto/COB

Ana Patrícia e Duda (à direita). Foto de Wander Roberto/Inovafoto/COB

A dupla chegou ao lugar mais alto do pódio ontem ao vencer as irmãs gêmeas canadenses Megan e Nicole McNamara por 2 sets a 1 (17-21, 21-13 e 16-14). Apesar do sucesso nas categorias de base, Duda não tem pressa quando o assunto é a Olimpíada de 2016. Até porque, ela deverá ter concorrentes fortes por uma vaga, como Larissa, Juliana, Talita, Maria Elisa, entre outros nomes.

– Eles (CBV) que irão decidir isso. Querer jogar, eu quero. Mas é preciso ter calma, vamos pensar passo a passo, sem atropelar as coisas – avaliou Duda.

Já o pensamento de Marcus Vinicius D’Almeida é completamente diferente. O foco dele não é apenas participar da Rio-2016, mas também conquistar uma medalha.  E pela evolução meteórica que o carioca vem tendo, não é um sonho impossível de ser realizado.

Ontem, Marcus Vinicius sagrou-se vice-campeão olímpico juvenil no tiro com arco, na competição individual. Este foi o principal resultado na carreira do atleta, que aos 16 anos ocupa a nona colocação no ranking mundial adulto.

Ele só foi parado pelo campeão, o sul-coreano Woo Seok Lee, que o derrotou ao fazer 7 a 3 – o asiático acertou 13 de 15 flechas na “mosca”, e venceu três dos cinco sets.

– Acho que posso conseguir uma medalha (no Rio) também. Lá, teremos a competição por equipe, individual e mista. Então, as chances são triplas. A equipe toda está forte. Então, para 2016, esperamos uma medalha – falou o arqueiro.



  • Juliano

    Duda é craque. Não tem outra palavra para ela. Brasil ganhou o ouro por causa de suas excelentes defesas.

    Ana Patrícia precisa emagrecer, com urgência. Deus me livre, é inadmissível uma jogadora de vôlei fora de forma daquele jeito. Ela tem altura e potencial como armas, mas não pode deixar de se cuidar. Ela é alta, então qualquer peso a mais vai prejudicar cada vez mais sua locomoção.

    É claro que Duda, talentosíssima, supre um pouco as dificuldades da Patrícia, e vice-versa (Patrícia é uma Fabiana da praia), mas Patrícia pode muito mais.

    OBS: Duda é a da direita.

    • Daniel Bortoletto

      claro. lapso corrigido na legenda

    • klaus

      Juliano, sabe me informar qual a altura da Ana Patrícia.Pelas fotos ela parece ser muito alta.Agradeço se tiver a informação.

      • Daniel Bortoletto

        1,93m

        • klaus

          Obrigado Daniel.Achava ela alta, mas não imaginava que fosse tanto.Se bem trabalhada, tem um futuro fantástico.Foi -se o tempo que o Brasil não tinha jogadoras muito altas, cada vez mais surgem gigantes.Na seleção infanto tem uma garota que se chama Jéssica que já está com 2 m e pode chegar no mínimo a 2,03m.Quem a descobriu foi o mesmo da Thaíssa.Só precisamos que os técnicos de base não fiquem com preguiça de lapidar essas jogadoras.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo