Dois paulistas na semi da Superliga masculina



Brasil Kirin e Sesi garantiram, neste sábado, classificação para as semifinais da Superliga.

O time do Campinas foi o primeiro a carimbar o passaporte. Na Serra Gaúcha, o time de Campinas fechou a série de quartas de final em 2 a 0 com vitória por 3 sets a 1, parciais de 25-16, 20-25, 25-21 e 30-28.

O líbero Tiago Brendle foi eleito mais uma vez o melhor em quadra.

Estar na semifinal era o meta mínima do Brasil Kirin nesta temporada. E ela foi alcançada. Um projeto grande, sério, com pessoas competentes e agora sonhando com voos mais alto. Por uma vaga na inédita final, o time de Alexandre Stanzioni terá de superar, provavelmente, o Funvic/Taubaté, que lidera o playoff contra o Minas, podendo fechá-lo neste domingo, às 13h, em Belo Horizonte. Não é uma tarefa fácil, mas é certamente algo mais viável do que o desafio do Sesi.

Rivaldo tenta passar pelo block do Brasil Kirin (Divulgação)

Rivaldo tenta passar pelo block do Brasil Kirin (Divulgação)

O time de Marcos Pacheco se garantiu na semifinal ao fechar, também neste sábado, a série contra Montes Claros. Vitória em Minas Gerais por 3 a 0 (25-19, 25-12 e 25-15), bem mais fácil do que se esperava. E agora espera por Sada/Cruzeiro ou São José, que jogarão amanhã, às 10h30. Se nenhuma hecatombe acontecer o duelo será contra os mineiros, atuais campeões do mundo, do continente, do país…

O ponta Douglas Souza foi um dos destaques na virada de bola e ganhou o VivaVôlei. O jovem tem demonstrado muita segurança no ataque nesta reta final de Superliga, tirando um pouco do peso dos ombros do oposto Theo. Com Escadinha e Murilo segurando no passe, Douglas pode se concentrar mais neste fundamento, transformando-se em peça-chave no time. Outro ponto a ser destacado foi a entrada em quadra, no segundo e terceiro sets, do central Sidão, quatro meses após uma cirurgia no ombro. É a manutenção do sonho olímpico do experiente jogador.

Por fim, é preciso fazer uma menção honrosa aos dois eliminados de hoje. Bento Gonçalves e Montes Claros têm história importante no vôlei nacional. A cidade gaúcha é um celeiro de jogadores, enquanto a mineira, que já viu o time até disputar final de Superliga, tem uma torcida fanática. Ambos estiveram fora da elite durante alguns anos e se reestruturaram para o retorno. Que tenham vida longa!



MaisRecentes

Brasil larga bem na segunda fase do Mundial



Continue Lendo

Os prováveis participantes do Mundial masculino de clubes



Continue Lendo

Brasil “mapeia” os perigos para duelo com a Austrália



Continue Lendo