Documentário sobre vôlei nacional procura apoio para lançamento



Muito esforço, suor e lágrimas. Não estou falando de atletas em quadra, mas sim a rotina para produção de um documentário sobre o vôlei brasileiro.

“A Era do Peixinho” está em fase final de edição e à procura de um empresa distribuidora para poder exibido no país ainda em 2018.O documentário pretende mostrar a evolução da modalidade no país e a influência dela na sociedade.

A lista de entrevistados inclui Bruninho, Marcelo Negrão, Serginho Escadinha, Nalbert, Cacá Bizzochi, Antonio Rizola, Renan Dal Zotto, Fabi Alvim, entre outros.

Confira aqui o trailer de “A Era do Peixinho”:

A idealizadora, produtora e diretora do documentário é Bruna Bittencourt. Ela respondeu algumas perguntas sobre o projeto.

1) Como surgiu a ideia de “A Era do Peixinho”?
Na época da Olimpíada Rio-2016, eu estava no interior, na casa da minha família, assistindo com meu tio, que é profissional de Educação Física. Durante nossa conversa, entramos no assunto da falta de incentivo e popularização de alguns times e esportes muito bons. Nosso primeiro ponto foi falar um pouco do futebol feminino. Temos atletas excepcionais, porém muito pouco valorizadas fora das Olimpíadas comparado com o futebol masculino. Logo então a gente falou do voleibol. Ambos os times (feminino e masculino) eram muito bons, mas não havia a mesma visibilidade que um time de futebol. Entendemos que o futebol é como se fosse uma religião no país, porém, falando em esporte, o voleibol é muito forte e sempre estava entre os primeiros, mas com menor divulgação na mídia, incentivo, etc. Foi aí que comecei a me questionar como o voleibol era tão bom e se mantinha no topo há décadas. Afinal, apenas por talento não pode ser. Pesquisei muito e não consegui encontrar a história que eu procurava por inteiro. Um trecho ou outro, mas toda a informação não. Passei meses lendo sobre o esporte e buscando informações e histórias. Então, em dezembro de 2016 tive o prazer de conhecer o Hairton Cabral, atual técnico do São Caetano, que foi o primeiro a me abrir as portas e contar toda a história de crescimento do esporte e sua profissionalização para se tornar o esporte que vemos hoje. Lembro que foi uma conversa de mais de duas horas! Sai de lá muito animada e, sinceramente, só querendo saber mais. E foi naquele dia eu decidi fazer um documentário sobre aquela história.

2) Cite um momento marcante das entrevistas, das filmagens…
Olha, tiveram muitos momentos marcantes! Primeiro foi uma honra conhecer cada um dos entrevistados e até os que preferiram ficar fora das câmeras. E mais ainda poder dizer que hoje posso chamar alguns deles de amigos. Mas é difícil escolher os momentos mais marcantes. Um momento que me marcou muito foi durante a entrevista do Serginho. Ele fala que o voleibol deu a ele muita coisa, mas também tirou muita coisa. E o que foi tirado não há nada no mundo que possa trazer de volta. Um outro momento também foi durante a entrevista de Cacá Bizzocchi, quando ele se emocionou muito ao contar sobre o momento em que ele foi cortado da comissão técnica que iria para as Olimpíadas, quase na véspera. Cada entrevistado teve seu ponto marcante para mim ao contar parte da história… Eu me diverti muito com o William Carvalho e com a Viviane Ripper contando histórias sobre os primórdios da profissionalização e sua época amadora. É uma história inspiradora! Todos eles (todos os entrevistados) são muito legais, carismáticos e com histórias inspiradoras e emocionantes!

3) Qual está sendo a maior dificuldade?
Nossa, se for falar de dificuldades posso ficar um bom tempo! (risos) Mas eu acho que tudo pode ser resumido em apenas uma coisa: falta de apoio. O documentário “A Era do Peixinho” saiu de uma vontade pessoal minha. Na época não havia nenhum edital ou lei de incentivo que estivesse ao meu alcance e se encaixasse no perfil do projeto. Vale ressaltar que existem inúmeras regras inclusive sobre as pessoas que inscrevem os projetos em editais. Então tive que dar a cara a tapa e enfrentar tudo sozinha. Foram muitos altos e baixos. Confesso que num momento pensei em desistir. Lembro que chorei durante uma semana só pensando nisso. Mas, com a ajuda de alguns amigos, tomei forças e continuei, mesmo sendo criticada por alguns e até chamada de louca às vezes. Mas os desafios não pararam e a maior de dificuldade de todas continuou sendo essa falta de apoio. Sem dinheiro, infelizmente a gente não faz nada. E como arrumar dinheiro para conseguir fazer esse filme? Lembro que fiz rifas, camisetas, ovos de páscoa, um monte de coisa, mas não era o suficiente. Até que consegui alguns apoiadores que, mesmo que não pudessem nos dar dinheiro, nos ajudaram de alguma forma, com descontos, fazendo eventos para arrecadar fundos, nos auxiliando com site como no caso da Inbound Marketing Agência e doando camiseta autografada para venda, como no caso do Minas Tênis Clube. E sou muito grata a eles por isso, por tornar essa luta um pouco menos difícil. Passei por muitos apertos e continuo passando até finalizar esse filme. Encarar um projeto desses sozinha é muito difícil, ainda mais que, infelizmente, vivemos em um país que não valoriza e incentiva a cultura como deveria. Tudo acaba sendo muito mais complicado do que parece. Mas agradeço a toda a equipe que se envolveu no projeto. Sem eles esse projeto não teria tomado vida!

4) Qual a previsão de lançamento?
O lançamento do documentário depende muito de conseguirmos uma empresa distribuidora para que consigamos levar adiante. Mas sem perder as esperanças, a finalização está prevista pra março e, se tudo caminhar bem e encontrarmos uma empresa que nos auxilie e acredite neste projeto, podemos ter o lançamento ainda este semestre. Mas é tudo uma hipótese ainda, nenhuma data fechada.

Interessados em apoiar encontram os contatos da Bruna no site: https://www.aeradopeixinho.com.br/



MaisRecentes

França é a grande beneficiada na Liga das Nações masculina



Continue Lendo

Seleção masculina terá logística complicada na Liga das Nações



Continue Lendo

Seleção feminina jogará em Barueri na Liga das Nações



Continue Lendo