Dia do Mundial: Itália surra a Turquia. Americanas e chinesas levam susto



A penúltima rodada da primeira fase, nesta quarta-feira, fez o Campeonato Mundial feminino sair um pouco do marasmo.

No clássico europeu entre dois candidatos ao pódio, uma vitória acachapante da Itália sobre a Turquia por 3 sets a 0, parciais de 25-19, 25-21 e 25-12.

Reparem bem no resultado do terceiro set para um entendimento melhor da dominância da Azzurra. Foi a quarta vitória em quatro jogos, todas por 3 a 0. Foram 15 pontos de Egonu e mais 13 de Sylla. O jovem time italiano, embalado pelo título do Torneio de Montreux, vem jogando o fino da bola.

Para as turcas, a segunda derrota acende o sinal vermelho. Como o cruzamento na próxima fase será contra o grupo de Rússia e Estados Unidos, a situação de quem carrega tal campanha já é bem delicada. Qualquer nova derrota é quase certeza de eliminação.

Na última rodada, nesta quinta-feira, o time de Egonu & Cia. terá pela frente mais um teste de fogo: as chinesas campeãs olímpicas.

Egonu e Sylla após a vitória sobre a Turquia (FIVB Divulgação)

A China levou um susto na rodada. Perdeu o primeiro set para a Bulgária (25-22), mas virou na sequência, parciais de 25-22, 25-14 e 25-17.

Ting Zhu recebeu 51 bolas, colocando apenas 19 no chão. Uma sobrecarga na principal jogadora mostra como o jogo chinês não fluiu.

Rivais de italianas, chinesas e turcas na próxima fase, Rússia e Estados Unidos tiveram uma quarta-feira distinta. As russas passaram pela Coreia do Sul por 3 a 0 (25-23, 25-20 e 25-15). Eu esperava até um pouco mais de trabalho, mas os 24 pontos de Goncharova acabaram com qualquer possibilidade de surpresa.

E surpresa foi algo que quase aconteceu no duelo entre Estados Unidos e Tailândia. Depois de vencer os sets iniciais por 25-17 e 25-16, as americanas baixaram a guarda, vira as asiáticas empatarem, forçando o tie-break. E, como já havia se passado diante da Rússia, as tailandesas sucumbiram no set final: 15 a 11. Karch Kiraly deve levantar as mãos para os céus pelo desempenho do bloqueio, autor de 17 pontos, sete deles feitos por Akinradewo, poupada na rodada anterior.

O clássico entre russas e americanas promete nesta quinta-feira. E o raciocínio é o mesmo para quem vencer entre Itália e China: sair com cinco vitórias para depois encarar uma segunda fase do Mundial bem complicada é quase uma garantia de classificação para a terceira etapa. Como serão apenas três vagas em jogo, duas ficarão bem encaminhadas amanhã.

LEIA TAMBÉM

+ A volta de Natália é uma grande notícia



MaisRecentes

Coluna: O Brasil queria receber os Pré-Olímpicos de vôlei. Mas…



Continue Lendo

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo