Dez sets em dois jogaços no masculino. Cimed/Sky e RJX na frente



Arrisco a dizer que os playoffs da atual Superliga masculina vão bater o recorde de tie-breaks da história da competição.

Quem teve a oportunidade de ver Cimed/Sky 3 x 2 Vivo/Minas e Sesi 2 x 3 RJX, no ginásio ou pela TV, não tem do que reclamar em termos de qualidade do espetáculo.

Duas partidas muito bem jogadas, com pontos espetaculares, atuações individuais decisivas e nível de final de campeonato.

Em Santa Catarina, após 2h18 de partida, Bruninho foi o MVP. Rivaldo, o maior anotador (24 pontos), protagonizou um dos pontos-chave do tie-break, ao defender um ataque com extrema habilidade e definir o ponto no contra-ataque. Levou o Capoeirão à loucura. Quem não viu vale procurar no You Tube.

O bem montado time mineiro não está morto. Marcelo Fronckowiak precisa ter o tcheco Filip em noite mais inspirada em BH para igualar a série.  Em alguns momentos do tie-break, não gostei das escolhas de Marcelinho. Acho que faltou bola para Lucarelli, que estava “on fire”, como gostam de dizer os americanos, após dois aces no início da parcial. Pelo lado catarinense, o bloqueio, liderado por Gustavo, apareceu na hora certa e pode ser um diferencial na série. A dupla com Eder é mais forte do que Henrique/Orestes.

Em São Paulo, após 2h17 de duelo, Dante foi o maior pontuador, mas o líbero Alan foi quem levou o VivaVôlei para casa. O jogo entre Sesi e RJX teve alguns rallies espetaculares, graças principalmente às defesas dos dois times, que apareceram bem em vários momentos. Digno da quantidade de selecionáveis na disputa.

 O atual campeão sentiu a falta de ritmo do oposto Wallace, seu desafogo ofensivo, que estava voltando de contusão. No fim, Giovane apostou em Diogo no lugar de Léo Mineiro, para tentar equilibrar o ataque. Mas do outro lado o RJX finalmente mostrou a que veio na Superliga. Chegou a abrir 2 a 0, com uma estratégia de saque perfeita, com Dante lembrando seus melhores dias, sendo decisivo também no ataque. 

Depois de oscilar muito na fase de classificação e ser muito questionado (foi apenas o sétimo colocado), o time dirigido por Marcos Miranda jogou o vôlei que seu elenco estrelado tem condições. E numa hora importante da competição.

Eu não vou perder a segunda rodada destes confrontos de playoff. Alguém acredita que RJX e Cimed/Sky fecham a série em 2 a 0?



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo