Deu Vakifbank Istambul. E Unilever vai ter dificuldades para dormir



A invencibilidade não caiu. E assim o Vakifbank Istambul é campeão mundial, após derrotar a Unilever por 3 a 0 (25-23, 27-25 e 25-16).

E a forma com que o resultado se desenhou fará com que comissão técnica e jogadoras da equipe brasileira tenham uma difícil noite de sono em Zurique hoje.

Nos dois primeiros sets, a Unilever equilibrou as ações e só não saiu na frente por erros individuais. Taticamente, o sistema de bloqueio/defesa funcionou e apenas Brakocevic conseguia desequilibrar. Sonsirma, Furst e Costagrande tinham dificuldades para pontuar, o que deixava o jogo parelho. Ele só não pendeu para o lado da Unilever pois dois fatores decidiram: a instabilidade do passe com Gabi e Mihajlovic e a dificuldade de pontuar na virada de bola.

A sérvia terminou a partida com sete pontos, todos no ataque. Já a jovem brasileira fez três a mais (oito no ataque e dois no bloqueio). Ou seja: não brilharam no passe e não decidiram no ataque. Se uma delas tivesse atuado um nível acima, o jogo poderia ter um outro contorno. Válvula de escape de Fofão, Sarah Pavan também não brilhou, fazendo apenas oito pontos.

Torcedores fanáticos, não vamos culpar a arbitragem, por favor. Ela errou, sim, no primeiro set, ao apontar como fora um saque de Carol que bateu na linha. Seria o 15 a 13, se não me engano, para a Unilever. Pouco depois, as turcas abriram dois pontos. No set seguinte, porém, um ataque bateu claramente no bloqueio da mesma Carol e foi marcado fora. Logo depois as brasileiras empataram. Então, o juiz erra quase sempre para os dois lados. Reclamem sim de uma competição deste nível não ter o auxílio da tecnologia, que resolveria situações como as citadas.

Voltando à partida, como jogou Brakocevic! Foram 23 pontos, 19 deles no ataque. Merecidamente levou o prêmio de MVP da competição. Se a vitória fosse da Unilever, a premiação poderia ter ido para Carol, central que fez uma competição acima da média e das expectativas. Na final, foram 12 pontos, SETE deles no bloqueio.  A jogadora parece ter conquistado de vez o espaço na equipe.

Por fim, uma estatística que me chamou a atenção. 21 pontos de cada time foram feitos em erro do adversário. Muita coisa para uma decisão em três sets.



MaisRecentes

Caso Maurício Souza não termina com “punições” do Minas



Continue Lendo

Zé: “A gente precisa de ajuda para não deixar o projeto morrer”



Continue Lendo

Sinal de alerta com a base. É preciso agir!



Continue Lendo