Deu Estados Unidos



A Net me deu uma trégua e o sinal de internet reapareceu aqui. O mais óbvio aconteceu na última rodada do Grand Prix. Vitória das invictas americanas sobre a China e título incontestável.

Estou escrevendo minha coluna (excepcionalmente será publicada nesta segunda-feira, no LANCE!) sobre esta equipe dos Estados Unidos, favorita ao ouro em Londres. Depois postarei para vocês.

O Brasil fez sua parte ao vencer a Turquia por 3 a 1 e garantiu o vice-campeonato. Depois de tamanha instabilidade durante a competição, o time mostrou mais consistência nos jogos finais, deixando claro que tem potencial, mas muito coisa a melhorar.

Se Zé Roberto queria tirar dúvidas para a Olimpíada, talvez vá deixar Ningbo com ainda mais interrogações. Fernandinha, que era até outro dia a terceira opção, será titular? Adenízia ganhou de vez a vaga da então capitã Fabiana? Garay e Paula serão as pontas titulares? Vale a pena levar duas líberos?

Como escrevi em minha coluna semanas atrás, não gostaria de estar na pele do técnico.



  • Marcus Vinicius

    Depois daquela bronca individual na Paula Pequeno(depois tirou ela e colocou a Jaque , que ficou no time ate o final) e saída da Garay para a entrada da Mari de ponteira !!!

    acredito que as ponteiras serão Jaque e Garay (queria Jaque e Mari mas acho pouco provavel) !!!

    A Jaque e a Fabiana entraram e mudaram o jogo!!
    no caso da Jaque tenho quase certeza que será titular ja a Fabiana acredito que o Zé colocara ela de titular por te mas confiança nela(eu acho) mas a fase da Adenízia e muito melhor !!!

    Concerteza vale a apena levar duas liberos e se o regulamento da Olimpiadas deixar pode usar as duas como fez em alguns jogos !!

    Fernadinha e Fabiola sao as levantadoras que iram para Londres!!(a Dani nao pode reclamar de chance por que teve varias , a Fabiola e a Fernanda aproveitou mas que ela)

    enfim se as jogadoras jogarem o que sabem podemos conquistar essa medalha… o Estados Unidos e o time a ser batido !!!

  • Virginio

    Nenhuma das 3 levantadoras estavam em Pequim 2008. É o preço que se paga por não pensar no trabalho a longo prazo. Parece que a receita vai se repetir para Rio 2016, pois não acredito que Fabíola e Fernanda jogarão outra olimpíada. Acho que é a Dani que fica de fora dessa vez. Seguindo o raciocínio, faz o Zé Roberto muito bem em levar a Brait junto com a Fabi. Parece-me que o time que vai é:
    Levantadoras: Fernanda/Fabíola
    Opostas: Sheilla/Mari
    Meios de rede: Thaisa/Fabiana/Adenizia
    Ponteiras: Garay/Paula/Jaqueline
    Líberos: Fabi/Brait

  • GERGOSN

    Eu acho que se os EUA levarem o time B eles ganhariam o ouro. É incrível a condição física das americanas. Se o time brasileiro conseguir atingir tal nível físico e consertar as deficiências no passe e jogarmos com velocidade podemos em uma eventual final levar o ouro. Acho que os EUA são favoritos ao ouro e as outras seleções correm por fora, mas a olimpíada é uma competição diferente, sendo que o melhor time pode estar mal em algum dia e ser eliminado.
    Neste momento, o ZRG tem que colocar o time para treinar muito e fazer alguns amistosos até os jogos e deixar nosso futuro nas mãos de Deus, porque vamos precisar de muito sorte.

  • dan

    Não falei esse time da Turquia é falho na recepção, agora como a líbero deles ganha como melhro recepção, que absurdo uma líbero fraca daquelas.

    Isso foi bom , pois a Turquia estava se achando demais. Levou coça do Brasil e dos EUA e só foi bronze por causa da instabilidde das chinesas.

  • Marcelo

    Se o Zé levar 2 líberos só se a Natalia não se recuperar né??? Falando nela, como será que está sendo a recuperação dela????

  • mauricio

    Daniel, seus comentários, mais uma vez, devem ser compartilhados. Parabéns!

    Agora é esperar algumas semanas para ver quem vai e quem fica. Muita tranquilidade para o campeoníssimo ZRG, neste momento, porque agora a responsabilidade é toda dele.

    Será que teremos surpresas na convocação, como a de Walewskinha em 2008?

    Tomara!

    Lindo ver o Brasil jogar como Brasil, novamente. Lindo ter visto a Fabiana voltar à quadra e tomar o controle no bloqueio contra as turcas.

  • Afonso RJ

    Mais um bom jogo da seleção brasileira. Tirando o apagão no miolo do segundo set, o time manteve o jogo todo o tempo sob controle, ou no máximo permitiu alguns momentos de equilíbrio. Vencemos o quarto set até com uma boa folga. E mesmo no set que perdemos, no final estava 23 a 17 (se não me engano) e conseguimos encostar em 24 a 23, e por muito pouco não empatamos em 24. Jaqueline substituiu a Paula Pequeno e rendeu melhor (não porque seja uma melhor ou pior que a outra, mas por circunstâncias do jogo). E além disso, me pareceu que a equipe turca respeitou bastante a “amarelinha”. Mas isso já era de se esperar, pois apesar de ser uma boa equipe, ainda lhes falta um pouco de rodagem em “briga de cachorro grande”.

    Analisando a participação do Brasil nesse Grand Prix meia bomba, fiquei com as seguintes impressões:

    Melhoramos bastante em relação ao que apresentamos no último mundial, principalemte no quesito agrassividade tanto no saque quanto no ataque. Também estamos mais perto de solucionar o problema crônico que nos perseguiu durante todo esse ciclo olímpico, que foi o levantamento. E o time vai se definindo. Acho que ainda estamos muito longe do título em Londres, e ainda tenho dúvidas quanto ao pódio. Mas não me surpreenderia de um quarto ou quinto lugar. Se fizermos o dever de casa em Saquarema e os astros conspirarem a favor, quem sabe podemos até beliscar um podiozinho. A esperança é a última que morre.

    Para finalizar, vou fazer uma coisa que não gosto muito: tirar minha bola de cristal empoeirada da gaveta e dar a seleção que eu acho que o Zé vai levar para as olimpíadas (veja bem: “acho que vai levar” e não “acho que tem que levar”. Tem aí uma enorme diferença). Lá vai:

    Centrais – Thaísa, Fabiana e Adenisia
    Pontas – Jaqueline, Paula Pequeno e Fernanda Garay
    Opostas – Sheilla e Mari
    Levantadoras – Fernandinha e Fabíola
    Líberos – Fabizinha e Camila Brait

    Acho isso, porque a Camila pode entrar para sacar e reforçar o fundo, e a Mari em caso de necessidade pode assumir como ponteira. Mas repito: o Zé é que manda e eu assino embaixo. Acredito que infelizmente a Natália vai ter que esperar até 2016. Sempre achei que as chances da Tandara e da Jucieli eram muito reduzidas. E a Dani Lins errou terrivelmente quando optou por sair da Unilever e ir para o SESI. Houve quem dissesse de uma maneira talvez de gosto duvidoso, mas de forma bastante espirituosa, que ela deveria ter pensado com a cabeça e não com a “perseguida”.

    • Afonso eu concordo com sua seleção, só acho que o Zé não vai levar duas líberos e se o fizer estara agindo completamente errado. Independente de gosto pessoal eu acho que ele vai levar a Tandara sim no lugar da Camila Brait. Acho que as duas líberos são boas e não há necessidade de levar duas. Melhor levar mais uma atacante que além de ter um bom saque, ataca muito forte e melhorou muito no bloqueio. A líbero só pode defender e levar duas é desperdiçar uma atacante.
      Mas vamos ver o que ele pensa. Por mim eu levava a Camila e deixava a Fabi, mas pelo andar da carruagem acho que a Camila fica pra 2016 e certamente a Natália não irá.

      • Afonso RJ

        Acho sua argumentação super válida, e realmente é uma opção levar mais uma atacante (Tandara) e não duas líberos. Mas raciocinei da seguinte forma: reforço no fundo de quadra, só a Jaqueline. Como a Sassá não vai, me parece que a Camila poderia entrar para reforçar o passe e fazer o fundo de quadra, dependendo da circunstância do jogo. O Zé a tem usado nesse papel algumas vezes. Também fez experiências com o revezamento de líberos. Além disso (toc-toc-toc) estaria respaldado no caso uma eventual contusão da Fabizinha. De qualquer forma, quem somos nós para dizer que o Zé estaria completamente errado se levar duas líberos? 🙂 Acho que o que ele decidir estará bem decidido.

      • Paula

        Airton, como nossa principal falha é o passe, acredito que cabem sim duas líberos no nosso time, jogando dessa forma: uma líbero e a outra como falsa ponteira sacando e fazendo o fundo de quadra. Com o passe mais redondo e a agilidade da nossa levantadora Fernandinha, será possível acionar rapidamente nossas atacantes e driblar o bloqueio adversário. Sendo assim, não precisáríamos de mais atacantes.

        • Luciano

          Só que quando entrar a outra líbero para sacar, ela fica apenas 3 rodadas no fundo de quadra e quando chegar na rede sai porque não tem altura para bloqueio e nem ataque. Portanto essa estratégia podem acontecer no máximo uma vez no set. Por outro lado se empacar uma rede, ou mais uma passagem de rede no ataque precisaríamos de potencia como Tandara e não de largadinha como da Mari. Vamos pensar em todas as possibilidades.

  • Elcio

    A final do Grand Prix foi na primeira rodada no jogo Brasil X EUA. Como foi um jogo muito igual, qualquer um dos dois poderia ter vencido. Deu EUA… paciência. O importante é que o Brasil está recuperando o ritmo de jogo. E o que vale mesmo neste ano é o título olímpico. Vai ser questão de momento, e felizmente o Brasil está crescendo. Se conseguirmos manter essa evolução até o fim das olimpíadas, acredito que poderemos ter um bom resultado. Agora é definir quem vai para Londres e trabalhar muito…

  • César Castro

    Na minha opinião, o saldo foi positivo.

    Estados Unidos e sua fase espetacular à parte, o Brasil sai melhor do que entrou no GP.
    A grande verdade me parece ser que as grandes jogadoras que nos levaram ao sonho chinês realmente não existem mais.
    Afora Fofão e Walewska que preferiram não defender mais o Brasil, Mari, Paula, Sheilla, Fabiana e Fabi não são mais as jogadoras de outrora.
    A grande promessa do ciclo, o fenômeno Natália, está machucada.
    Garay, Jaqueline, Adenízia são boas atacantes, mas não tem o algo mais para carregar um time em má fase nas costas, seria exigir demais.
    As levantadoras são apenas normais, Fernanda e Fofão nos deixaram mal acostumados. Bastar lembrar quem são Berg e Startseva, isto é, nada demais.
    Enfim, hoje o Brasil é um time competitivo, jogueiro e com belos nomes no papel — muito parecido com a seleção russa.
    Estamos dois degraus abaixo da seleção americana, no mesmo patamar da Rússia e a Itália é uma incógnita.
    De resto, hoje ninguém mete medo nas brasileiras.

  • Naty

    Gostei do resultado….acho que dá pra ter esperanças sim….
    Adorei ver a Fernandinha….ainda cometeu alguns erros, mas é muito mais corajosa e inteligente que Fabiola e Dani. Fabiola não acerta algumas bolas e é muitas vezes, teimosa demais…..insiste em bolas sem necessidade…..
    Fernandinha fez um feijão com arroz muito bom e merece ir pra Londres. Ainda acho que vai evoluir mais ainda, mesmo com pouco tempo até Londres.
    Das ponteiras, vai jogar quem estiver no melhor momento e Mari vai como curinga do ZRG.
    A Natalia fará falta sim….com certeza….torço pra Paula voltar ao seu melhor jogo, pois ela é uma excelente jogadora….
    E vamos que vamos Brasil!!!

  • daniel

    Vamos brigar por medalha. EUA franco favorito. Brasil, Rússia e Itália seguem atrás. Aposto na prata.

  • Josie

    Seria bom lembrar que a derrota para os EUA foi no tie breai 15 a 13 depois de 2 sets horrorosos. E o time foi pegando ritmo. Os EUA estão um nível acima mas nao são imbativeis.
    Fernandinha sabe jogar com o meio, e levantar , acho que a melhora da sheila passa necessariamente pela qualidade do levantamento. Isso e fato. Sem bola boa, ou fora do tempo, ou atras, ou baixa nao tem como a sheila colocar forca. Com a Fernanda isso mudou. Acho que ZRG tem ainda umas surpresas, e entre elas eh colocar a mari como ponteira, acho que nao testou ela mais por causa do problema na mão. Sassa esta contundida, mas vai pegar ritmo na copa yeltsin … Tem chaNce, mas isso implica em nao levar brait…

  • Adriano Rangel

    Daniel,
    Bom dia

    E a Natalia, vai ou não para Londres?

    • Daniel Bortoletto

      acho difícil

  • Vilma

    Daniel vc saberia me responder quando sai a convocação do José Roberto pra Londres.

    • Daniel Bortoletto

      não. quando perguntei pra ele, fiquei sem resposta
      uma coisa precisa ficar clara: como existe um rígido credenciamento para a Olimpíada, 25, 30 nomes foram passados. E todas elas podem ir, em tese.
      assim, zé pode segurar a lista final até a véspera do embarque

  • Flavio

    VOLEI?? AHRGH!!

  • Rafael casta

    Daniel voce acha que a mari pode joga de ponteira nas olimpiadas porque o brasil fica mais forte com as duas em quadra!

MaisRecentes

Dentil/Praia Clube e Sesc abrem vantagem



Continue Lendo

Corinthians faz melhor jogo na Superliga



Continue Lendo

Coluna: A imprevisível Superliga feminina



Continue Lendo