Deu Brasil! Com emoção!



Ufa! Foi mais tenso e difícil do que muita gente imaginava, inclusive este escriba. Mas o Brasil mostrou mais uma vez o peso pesado da camisa para afastar a zebra francesa, vencendo a semifinal no tie-break e se credenciando para a conquista do tetracampeonato mundial.

Independentemente do resultado deste domingo, somos aqui privilegiados por estarmos vendo a construção de uma história riquíssima que os livros, lá na frente, darão uma dimensão melhor. Querer fazer isso hoje pode ser injusto, já que essa máquina de ganhar parece não ter adversários e muito menos limites.

Neste sábado, o rival tinha Ngapeth, um ponta que estava inspirado e deu muito trabalho no ataque e no saque, terminando com 21 pontos. O rival tinha ainda um sistema defensivo de fazer inveja aos times asiáticos. E não tinha tanta responsabilidade como a carregada pelos brasileiros, atuais tricampeões. Contra outras equipes, talvez tudo isso fosse suficiente para vencer. Mas contra o Brasil não.

Contra a Seleção Brasileira, é preciso saber que a inversão do 5-1 com Rapha e Vissotto vai fazer diferença no fim de um set. Contra a Seleção Brasileira, é preciso entender que Chupita vai entrar para sacar e fazer a diferença em outro momento do jogo. Contra a Seleção Brasileira, é preciso entender que Lucarelli pode errar uma largadinha no no tie-break, mas depois se recupera ao colocar um passe na mão de Bruninho e no ponto seguinte dar um caixote em Sidibe. E assim terminar o jogo com 22 pontos. É preciso ter absoluta certeza de que Sidão, Lucão, Wallace, Bruninho & Cia. irão aparecer em algum momento para fazer a diferença.

Esse é o Brasil que dá certo. Um Brasil que já errou em outras ocasiões, mas parece sempre aprender para evoluir nas mãos de Bernardinho, mesmo quando a safra não é tão boa quanto as anteriores. Um Brasil que já perdeu neste mesmo Mundial e soube dar a volta por cima e, talvez, tenha chance de reencontrar a algoz Polônia, na final dos sonhos da FIVB.  Um Brasil que não se cansa de continuar escrevendo uma história de sucesso.

 

 

 

 



MaisRecentes

Vaivém: Leal, Solé, Grebennikov e Bartsch de casa nova



Continue Lendo

Vaivém: Renan acerta volta para a Itália



Continue Lendo

Vaivém: Argentina marca golaço ao acertar com Marcelo Mendez



Continue Lendo