Deu a louca na Superliga, parte 2



O post anterior tinha uma interrogação. Mas ela foi abolida: Temporada de surpresas .

“Culpa” do Bento Vôlei/Isabela, que nesta quarta-feira derrotou o Sada/Cruzeiro, atual campeão da Superliga e do Mundial de Clubes, por incontestáveis 3 sets a 0, parciais de 25-18, 25-23 e 25-18.

Mais um daqueles resultados que quebram a banca de apostas de qualquer casa. Mais um daqueles resultados que confirmam que a temporada 2015/2016 começou diferente no vôlei nacional. Mais um daqueles resultados que enchem os times com menores orçamento de esperança.

Vale fazer uma ressalva importante. Apesar de Marcelo Mendez já ter declarado que vai rodar bastante o elenco nesta fase de classificação, o time que enfrentou os gaúchos ontem tinha seis titulares: William, Wallace, Leal, Isac, Eder e Serginho. A única mudança foi a presença do jovem Rodriguinho no lugar de Filipe. E tal escalação apenas valoriza mais o feito do Bento, comandado pelo campeão olímpico Paulão.

Marlon em ação contra o Sada (Ênio Bianchetti/Divulgação)

Marlon em ação contra o Sada (Ênio Bianchetti/Divulgação)

O time da Serra  Gaúcha, voltando nesta temporada para a elite do vôlei brasileiro, teve o experiente levantador Marlon como destaque, eleito o melhor em quadra. O oposto Rivaldo, com 17 pontos, foi o maior anotador. E o saque, com 11 aces, foi o fundamento que ajudou a desequilibrar a partida.

– Nós tivemos uma atuação muito coesa em todos os fundamentos. Nosso saque colocou muita pressão na equipe do Sada/Cruzeiro e isso facilitou o nosso contra-ataque. De um modo geral, todo os jogadores renderam o máximo dentro desse momento da Superliga e conseguimos uma superação fantástica depois de dois jogos que aconteceram na semana passada – disse Marlon.

O lado cruzeirense preferiu exaltar o rival ao analisar o resultado.

– O Bento Vôlei jogou muito bem hoje, estão de parabéns. Eles trabalharam muito bem no saque, forçando e sacando bem a todo momento. Além disso, trabalharam bem na defesa, mostraram muita vontade de vencer e conseguiram a vitória – analisou Mendez.

 

 



  • AfonsoRJ

    Isso tudo é fogo de palha. Chega na hora do “pega-prá-capar” acaba dando mesmo os times de maior investimento. E isso tudo só valoriza a tese de que essa fase classificatória vale muito pouco. No máximo como preparação e entrosamento. Para que se esforçar tanto? Pode ser até contaproducente em termos físicos. Basta se classificar entre os primeiros que o que vale mesmo são os play-offs.

    • Billy

      é verdade.

  • Ton Silbar

    Daniel agora imagine se devido as olimpíadas tivesse apenas a fase de classificação sem returno, esses pontos perdidos dos grandes poderiam deixar a Superliga mais interessante, perdeu já era.Espero que esses times não sejam como Taubaté na superliga passada, perdeu força na hora mais importante.

  • Ton Silbar

    Só esclarecendo:uma fase de classificação com maior periodo de descanso para atletas, com jogos aos finais de semana, reservando por exemplo as quartas-feiras para a disputa da Copa BR(campeonato de uma semana com os 8 melhores/disputa olímpica +/-) e Sulamericano.

MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo