Deu a lógica na abertura da Copa Brasil



Brasil Kirin e Kappesberg/Canoas confirmaram o favoritismo e estão nas semifinais da Copa Brasil masculina.

Em Campinas, o 3 a 0 sobre o Vivo/Minas foi facilitado pela escolha de Horacio Dileo, ao poupar seus principais jogadores para a Superliga. A lógica do argentino foi já estar classificado para o Sul-Americano, além da possibilidade de ver atletas que estavam atuando pouco (Léo Mineiro, por exemplo), dar ritmo para outros que voltam de contusão (Filip) e testar alguns jovens. Por mais que o discurso dele e dos atletas fosse o de “vencer fora de casa”, a tarefa logicamente seria muito mais difícil sem Maurício, Marcelinho, Henrique…

O Brasil Kirin não tinha nada a ver com tal escolha e fez sua parte. A equipe de Alê Rivetti vem numa crescente na temporada, mesmo sem poder contar com João Paulo Bravo e ainda com João Paulo Tavares longe das condições ideais. É bom ficar de olho nos campineiros!

Chamou a atenção também a paralisação de 10 minutos na partida, após uma tempestade desabar no interior paulista. O Ginásio do Taquaral não suportou a chuva, com ventos fortes, e até pedras de granizo apareceram na quadra. As goteiras forçaram a interrupção e motivaram cornetadas nas redes sociais. Só acho que devemos sempre colocar na balança as condições, buscar informações se isso é comum no local, sem transformar evento isolado em crise. Lembrei até no meu Twitter que na semana passada um jogo da NBA foi interrompido pelo mesmo problema. Já tivemos até partida cancelada no México por fumaça tomar conta do ginásio. Então, devagar e sempre, costumava dizer meu avô. Os ginásios aqui não são fantásticos, alguns estão abaixo da média, mesmo. Mas não são todos.

Já no Tijuca, no Rio, os gaúchos do Kappesberg/Canoas passaram a ser favoritos após o desmanche do RJ Vôlei. Mas o 3 a 1 foi até mais difícil do que muita gente esperava, inclusive eu.

Neste caso, acho que a reconstrução que Marcelo Fronckowiak vem fazendo no atual campeão da Superliga deve ser louvada. O jovem Rodriguinho, oposto de origem, que vem atuando na ponta, foi uma grata surpresa. Índio também está amadurecendo na marra e até fez uma distribuição boa com os centrais. Muitas vezes o técnico sente falta de poder fazer uma inversão do 5-1. Ontem ficou claro com a atuação ruim de Bob, por exemplo. Fica nítida a limitação do elenco.

Pelos gaúchos, gostei muito da atuação de Roberto Minuzzi. Bem no ataque, consistente no passe, liderando e puxando o time. Assim como fazia antes do problema no coração, numa fase em que brigava por vaga na Seleção. Bacana ver a história de superação dele. Dennis também jogou muita bola, mas falarei dele em outro post.

Por fim, a nota triste foi a confusão da arbitragem no fim do quarto set, que revoltou os cariocas e provocou até comentários raivosos de Bruninho no Twitter. Arbitragem ignorou dois toques do time  visitante e depois puniu os donos da casa com cartões vermelhos. Não é de hoje que vejo muita gente reclamando do nível de alguns árbitros brasileiros. É bom a comissão analisar, refletir e tomar algumas medidas para melhoria do nível geral.



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo