Desta vez, no confronto Brasil x Bulgária, o 3 a 0 foi legítimo



2 de outubro de 2010. Dia do jogo mais vergonhoso que já tive o dever de assistir in loco. Em Ancona, na Itália, Brasil e Bulgária entraram em quadra para perder pelo Mundial. Queriam economizar uma viagem para Florença, indo diretamente para Roma, sede da fase final, além de evitar o confronto com Cuba, caindo em um grupo mais fácil com Alemanha e República Tcheca na etapa seguinte. E assim o fizeram!A Seleção jogou sem levantador (Marlon estava doente e Bruninho, gripado), com o oposto Theo pagando um mico histórico na posição. Os búlgaros pouparam alguns titulares também (Zhekov, o levantador, Salparov, o líbero). Vergonha, palhaçada e farsa foram algumas das palavras publicáveis que os torcedores que estavam no PalaRossini gritavam, após um saque cair dentro sem que a recepção se esforçasse, após um ataque errado bisonhamente ser executado… O ápice foi quando o público ficou de costas para a quadra.

“No fim, 3 a 0 para os búlgaros. E quem estava satisfeito era o Brasil. Para o esporte se envergonhar”. Assim terminei o meu texto publicado no LANCE! no dia seguinte, que teve como título o som de uma vaia: Uuuuuuuuuuuuh!

Revisitando aquela partida, lembro de algumas situações que ilustram bem o tamanho da atitude antidesportiva, que usava o regulamento ruim da competição (um fato concreto) como desculpa e motivação para a marmelada. Lembro que era unânime a sensação de que o Mundial estava armado para que a Itália, dona da casa, ao menos, tivesse um caminho tranquilo até a semifinal. E tal percepção servia como estímulo para usar as brechas no regulamento.

1) Na zona mista, os jogadores brasileiros não pararam para falar com os jornalistas. Theo, o único que tentou se explicar, rapidamente foi puxado de lá pelos companheiros.

2) O constrangimento das paradas técnicas: Bernardinho e Silvano Prandi quase não davam instruções aos jogadores. E as vaias dominavam o ginásio.

3) Na coletiva, um princípio de bate-boca entre Giba e Vladimir Nikolov, o capitão búlgaro.  O europeu se irritou quando a tradução deu a entender que ele foi irônico em uma resposta. E ele reafirmou com todas as letras: “Eu penso sim que o Brasil perdeu de propósito, por ter sido derrotado por Cuba na primeira fase e estar com medo”.

4) Algumas frases pós-jogo: “Uma mancha que eu não queria na minha carreira”, Giba. Perguntado se havia acabado de participar de uma comédia, Bernardinho respondeu: “Não. Foi uma tragédia”. Mas a frase mais marcante foi de Rodrigão, que tem como pano de fundo a expressão os fins justificam os meios. Depois de admitir que “a gente sabe que aquilo foi ridículo”, ele emendou: “Pode ter sido errado, mas foi a forma mais fácil para ser campeão”.

Ah, tudo isso para dizer que, nesta quarta-feira, 10 de setembro de 2014, pouco menos de quatro anos depois, o esporte fez com que Brasil e Bulgária voltassem a se encontrar por um Mundial. E, jogando sério, os atuais tricampeões do mundo venceram até com certa facilidade por 3 a 0 (25-15, 25-21 e 25-21), na abertura da segunda fase. Seguem invictos, muito vivos na briga pelo tetra e jogando, até aqui, sempre pra vencer.



  • Aline

    O Brasil atropelou os gigantes búlgaros e não deu nenhum espaço para a Bulgária jogar!
    Estou de acordo com o que foi feito no passado e acho que a comissão técnica DEVE JOGAR DE ACORDO COM O REGULAMENTO:
    1) Toda vez que for possível poupar os titulares para os jogos mais importantes e decisivos ISSO É VÁLIDO! Tanto no jogo contra a Bulgária em 2010 quanto contra a Coreia em 2014, foi possível e interessante poupar os titulares.
    2) Às vezes um 3×2 contra a Coreia ou uma derrota para a Bulgária em 2010 contribuem para o desempenho futuro do time.
    3) O torneio é muito longo e repleto de partidas entediantes contra times fracos, porque não poupar alguns jogadores e dar ritmo aos reservas, principalmente quando já se está com a classificação assegurada?
    4) O técnico DEVE JOGAR COM O REGULAMENTO DEBAIXO DO BRAVO, a atitude do Bernardinho em relação aos líberos está sendo formidável. O Mário Jr. de hoje jogando junto com Filipe está rendendo muito mais do que aquele Mário Jr. que jogava sozinho na posição de líbero. O grande diferencial da seleção brasileira nesse Mundial é o excelente trabalho em equipe desenvolvido por Filipe e Mário Jr. na posição de líbero, que fez o rendimento do passe e da defesa aumentar bastante, dividindo responsabilidades e somando forças.
    5) Se o regulamento permite, porque não jogar com OITO TITULARES??? Podemos dizer que hoje o Bernardinho joga com 8 titulares: um líbero-de-defesa, um líbero-de-passe, 5 atacantes e 1 levantador. Mais gente em quadra para dividir as tarefas e menos sobrecarga na parte defensiva.
    6) A inversão do 5×1 é outra arma muito importante e uma constante na seleção brasileira.
    Amanhã contra a adversária mais fraca do grupo, a CHINA, o Brasil não terá dificuldades, e se o Bernardinho quiser poderá rodar o time À vontade, pois o 3×0 de hoje já deixou o Brasil como líder absoluto e um saldo de sets bem confortável.

  • Aline

    Novamente o Brasil pegou o grupo mais fácil dessa segundo fase.
    Não há dúvidas que o grupo da Polônia que tem como adversários Iran,França,Argentina,Itália,Eua,Sérvia e Austrália é muito mais forte que o grupo do Brasil com Rússia,Canadá,Finlândia,Alemanha,Cuba,Bulgária e China.
    Nem que queira o Brasil não se classificará nesse grupo, enquanto isso a Itália, após o primeiro jogo decisivo contra a Sérvia já pode dar Adeus.
    A Argentina que teve jogo duríssimo contra a França teve suas chances reduzidas a pó.
    E EUA que amanhã enfrenta a invicta Polônia já pode pensar também em arrumar as malas…
    A disputa pelas 3 vagas no grupo E será muito acirrada entre França,Polônia,Sérvia e Irã. Muita gente boa para só 3 vagas…
    Enquanto isso, o grupo do Brasil é mais previsível, Brasil e Rússia e a última vaga deve ficar com o Canadá, se bem que talvez a Alemanha apronte alguma surpresa, porém acho que o Canadá tem se apresentado melhor.

  • R.Tigre

    Meu torneio favorito do voleibol e a Copa do Mundo que acontecera em 2015, um torneio disputado a cada 4 anos.
    A Copa do Mundo e torneio q mais tenho prazer em assistir por varios motivos.
    O regulamento e simples e de facil enrendimento.
    Todos os jogos sao como se fossem uma final, pois todos valem p/o resultado final.
    Sao todos ciontra todos.
    Qualquer set ou ponto perdido farao diferenca na definicao do Campeao, logo tem q encarar todos os jogos com a maxima concentracao.
    Sou a favor de se jogar com o regulamento e se aproveitar disso, pois pra isso serve a comissao tecnica.
    Portanto, a forma de se jogar a Copa do Mundo e diferente da do Mundial, pois se danca conforme a musica.

  • daniel

    Lembro desse dia em 2010, e achei muito bem feito sim. Importante destacar que o regulamento do mundial de 2010 foi feito exclusivamente para beneficiar a Itália, querendo enfiar a força o limitado time da casa na final. Enquanto isso, Brasil, Cuba, Rússia, Sérvia teriam que se matar para ter a honra de enfrentá-los na decisão. A vergonha não foi o nosso time e sim o regulamento. Foi legítima defesa!!!! O meu respeito aquele time continuou tendo de forma inabalável depois daquele dia. Valeu Brasil!!!

  • Márcio

    Não concordo com sujeiras típicas de planos de Bernardinho para facilitar cruzamentos com times mais fracos. Um verdadeiro campeão enfrenta qualquer adversário. Acho que neste Mundial o BRA será derrotado pela Rússia. Rússia, mesmo com desfalques, apresenta se melhor que o time do BRA. Os russos tem vários atacantes que podem ser titulares: por isso Voronkov altera sempre seus jogadores. Há algumas cartas guardadas pela Rússia para uma eventual final contra o BRA. Rússia tem banco forte.

    • Neide

      Nossa que depressão é essa querido? Bernardinho é estrategista e usa o regulamento sempre a seu favor.
      Que mal há nisso?
      Torcer pelos asquerosos russos? Jamais querido!
      Engraçado alguns brasileiros.
      Quando temos um treinador que pensa sempre à frente dos outros, é um estrategista e faz com que uma seleção que não tem tantos talentos como no passado consiga vencer de seleções de gigantes como Rússia, Sérvia, Bulgária, o pessoal reclama!
      Se liga rapaz, não temos ponteiros tão altos e mesmo assim conseguimos bons resultados. Precisamos sim usar o regulamento a nosso favor sempre para evitar desgastes desnecessários, isso é ser inteligente e preparado, coisa que Bernardinho é.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo