Desta vez, no confronto Brasil x Bulgária, o 3 a 0 foi legítimo



2 de outubro de 2010. Dia do jogo mais vergonhoso que já tive o dever de assistir in loco. Em Ancona, na Itália, Brasil e Bulgária entraram em quadra para perder pelo Mundial. Queriam economizar uma viagem para Florença, indo diretamente para Roma, sede da fase final, além de evitar o confronto com Cuba, caindo em um grupo mais fácil com Alemanha e República Tcheca na etapa seguinte. E assim o fizeram!A Seleção jogou sem levantador (Marlon estava doente e Bruninho, gripado), com o oposto Theo pagando um mico histórico na posição. Os búlgaros pouparam alguns titulares também (Zhekov, o levantador, Salparov, o líbero). Vergonha, palhaçada e farsa foram algumas das palavras publicáveis que os torcedores que estavam no PalaRossini gritavam, após um saque cair dentro sem que a recepção se esforçasse, após um ataque errado bisonhamente ser executado… O ápice foi quando o público ficou de costas para a quadra.

“No fim, 3 a 0 para os búlgaros. E quem estava satisfeito era o Brasil. Para o esporte se envergonhar”. Assim terminei o meu texto publicado no LANCE! no dia seguinte, que teve como título o som de uma vaia: Uuuuuuuuuuuuh!

Revisitando aquela partida, lembro de algumas situações que ilustram bem o tamanho da atitude antidesportiva, que usava o regulamento ruim da competição (um fato concreto) como desculpa e motivação para a marmelada. Lembro que era unânime a sensação de que o Mundial estava armado para que a Itália, dona da casa, ao menos, tivesse um caminho tranquilo até a semifinal. E tal percepção servia como estímulo para usar as brechas no regulamento.

1) Na zona mista, os jogadores brasileiros não pararam para falar com os jornalistas. Theo, o único que tentou se explicar, rapidamente foi puxado de lá pelos companheiros.

2) O constrangimento das paradas técnicas: Bernardinho e Silvano Prandi quase não davam instruções aos jogadores. E as vaias dominavam o ginásio.

3) Na coletiva, um princípio de bate-boca entre Giba e Vladimir Nikolov, o capitão búlgaro.  O europeu se irritou quando a tradução deu a entender que ele foi irônico em uma resposta. E ele reafirmou com todas as letras: “Eu penso sim que o Brasil perdeu de propósito, por ter sido derrotado por Cuba na primeira fase e estar com medo”.

4) Algumas frases pós-jogo: “Uma mancha que eu não queria na minha carreira”, Giba. Perguntado se havia acabado de participar de uma comédia, Bernardinho respondeu: “Não. Foi uma tragédia”. Mas a frase mais marcante foi de Rodrigão, que tem como pano de fundo a expressão os fins justificam os meios. Depois de admitir que “a gente sabe que aquilo foi ridículo”, ele emendou: “Pode ter sido errado, mas foi a forma mais fácil para ser campeão”.

Ah, tudo isso para dizer que, nesta quarta-feira, 10 de setembro de 2014, pouco menos de quatro anos depois, o esporte fez com que Brasil e Bulgária voltassem a se encontrar por um Mundial. E, jogando sério, os atuais tricampeões do mundo venceram até com certa facilidade por 3 a 0 (25-15, 25-21 e 25-21), na abertura da segunda fase. Seguem invictos, muito vivos na briga pelo tetra e jogando, até aqui, sempre pra vencer.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo