O desafio do time de Renan no Japão



A Copa dos Campeões masculina começa nesta madrugada, no Japão, com um interessante desafio para o encerramento de temporada da Seleção Brasileira masculina.

O time comandado por Renan Dal Zotto terá pela frente rivais acostumados com encontros em momentos decisivos dos principais campeonatos do planeta.

A estreia, às 0h40 desta terça-feira, será contra a França, a mesma da última rodada da fase de classificação da Rio-2016 e também da última final da Liga Mundial, em Curitiba. Alguns veículos internacionais apontam o jogo com possível final antecipada no campeonato de pontos corridos. Pelo histórico recente das duas seleções, faz até sentido.

Maurício Souza contra a França (FIVB Divulgação)

Maurício Souza contra a França. Clássico do vôlei mundial (FIVB Divulgação)

Para o Brasil, o desejo de encerrar o primeiro ano pós-Bernardinho com título passa pelo desempenho nas primeiras rodadas. Na quarta, novamente às 0h40, o duelo será contra a Itália, rival na final olímpica.

Diria que vencer franceses e italianos deixaria o título bem mais acessível, já que o caminho a seguir aponta Irã (adversário sempre imprevisível), Estados Unidos (segundo colocado no ranking mundial, atrás somente do Brasil) e o encerramento contra o Japão (time da casa e teoricamente o mais fraco dos seis).

– É uma competição como se todo jogo fosse uma grande final – analisa Renan, que deve optar pela força máxima para iniciar a competição: Bruninho, Wallace, Lucarelli, Maurício Borges, Lucão e Maurício Souza. Entre os líberos, a possibilidade de revezar Thales e Tiago Brendle.

Conquistar o título não deixa de ser importante neste encerramento de primeiro ano de Renan à frente da Seleção. Ficou claro no decorrer de 2017 a confirmação desta base titular, dando prosseguimento claro ao trabalho do ciclo anterior. E nada melhor do que bons resultados para o aumento da confiança.

Não custa lembrar que a competição não terá transmissão pelas emissoras de TV brasileiras. Os jogos serão mostrados pelo canal da FIVB no Youtube.



  • Edu

    A Globo, leia-se o Sportv, dando as costas de vez para o voleibol brasileiro.Quem diria que chegaram a transmitir o mundial de 2010 inteiro na emissora aberta atrasando a grade inteira da programação pela manhã.Mudou o tempo e os interesses comerciais.A transmissão da FIVB – a propósito -e muito boa de forma técnica.Uma eventual concorrente, a ESPN, comprou os direitos do Europeu de voleibol mas colocou a fase masculina 90% no Watch Espn pela internet.Colocaram o mito Romulo Mendonça na narração e o polido Andre Heller nos comentários.Apesar de disponível para todos os assinantes do canal precisa ligar para a operadora declarar os dados e aguardar uma senha de acesso em 24 horas.Noventa e cinco por cento das pessoas que conheço e são assinantes não fez isso por comodismo ou falta de tempo e talvez desinteresse.O Band Sports mantem – acho que por teimosia – o único programa de voleibol da televisão brasileira.A apresentadora é simpática mas conhece tanto de voleibol quanto os delatores da Lava jato.Tem o Marcelo Negrão que fica ampliando exageradamente as virtudes do campeonato do muito bom campeonato italiano que tem uma transmissão de televisão pessima e coloca em constrangimento quem faz a tramissão internacional.O Cacca Bizzocchi(uma salada de consoantes), ex assistente do ZRG como comentarista adicional que manja muito de voleibol.Deram algumas informações equivocadas e por dar mais creibilidade ao programa entrei em contato com ele para corrigir algumas falhas.Sua resposta, muitíssimo bem educada, foi que a assessoria de imprensa das jogadoras de voleibol trabalham com falta de vontade e melhor interesse das suas clientes.Estranho.Na ultima semana a pauta do programa foi uma moça tímida que é a segunda oposta reserva do Barueri, time do ZRG. Enquanto isso a conta de twitter da melhor fonte de informações sobre voleibol estrangeiro feminino no pais é banida porque, informou os links e forma alternativas de assistir voleibol internacional pela internet.Afinal quem esta perdendo 😮 voleibol ou as pessoas que ainda persistem em acompanhar o dito segundo esporte mais importante do pais.

  • AfonsoRJ

    Claro que os canais de esportes não podem transmitir volei. A grade está tomada por transmissões intermináveis de tênis do numero 472 contra o 627 colocados do ranking da ATP, partidas interessantíssimas de futebol como Ibis x Arapiraca, ou a nível internacional Chipre x Estônia, ou em mesas redondas onde nulidades discutem “ad infinitum” qualquer sorte de irrelevância. E tudo isso com reprises e reprises “ad nauseam”. Dessa forma fica evidente que não sobra tempo para vôlei.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo