Depois não venham reclamar…



“Por decisão dos clubes, a Superliga B 2014 será disputada nos naipes masculino e feminino com sets de 21 pontos, a fim de se buscar uma padronização com os jogos da Superliga A 13/14. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, durante as sessões plenárias realizadas entre a equipe técnica da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e os clubes”.

Reproduzo primeiro parágrafo do release enviado agora pela CBV. A escolha aconteceu por votação, exemplo de democracia. Então, na próxima vez que os jogadores reclamarem, que façam isso com os respectivos clubes, responsáveis pela escolha.



  • Aline

    Estou adorando a Superliga com 21ptos. Jogos mais dinamicos, sem enrolacao.
    No feminino entao, nunca houve tanto equlibrio.
    Relaxa, vai de Embratel e “FAZ UM 21!!!”
    Eu ja aderi ao 21.

    • Afonso RJ

      Desculpe a ignorância, mas porque sets de 25 pontos tem enrolação? Porque sets de 21 pontos fazem com que haja mais equilíbrio? Não entendi…

      • Aline

        Tente fazer esse exercicio: Simplesmente assista aos jogos da Superliga sem se importar com placar, se vai terminar em 21 ou 25.
        Deixe o preconceito de lado contra os sets de 21ptos e curta o jogo e o voleibol.
        Quebre seus paradigmas e veja o volei fluir.
        Somente comentei q essa superliga feminina esta a mais equilibrada dos ultimos tempos, nao quis dizer que
        foi devido aos sets de 21ptos.
        Quis salientar que poderiamos aproveitar esse equilibrio e curtir mais a Superliga, do q ficar sempre lamentando o set ser de 21 ptos.
        Bjos p/todos.

        • Afonso RJ

          O vôlei é um jogo dinâmico. Cada ponto disputado é uma torcida, uma emoção. Não permite “enrolação” enquanto a bola está no ar. E isso vale para sets com qualquer número de pontos. Mas quando acaba com 21 pontos não posso deixar de sentir que fui roubado em tempo e emoção. Façamos um exercício: deixam de ser disputados um mínimo de 4 e um máximo, digamos que sejam 8 pontos (4 para cada lado), mas se for uma “virada” pode ser um número maior. Num jogo de 4 sets deixam de ser disputados cerca de 16 a 32 ou mais. Que temos bem menos tempo de jogo é inegável. Foi um corte no mínimo draconiano. Algumas partidas ficam tão rápidas que mal vale a pena se deslocar até o ginásio para assisti-las. Mundialmente o set de 21 pontos foi rejeitado (vide os últimos torneios internacionais patrocinaddos pela própria FIVB). Mas há quem prefira jogos que se decidam com maior rapidez. Respeito. Faz parte do já proverbial imediatismo da nossa época. Quem sabe então, façam campanha para que os sets sejam, digamos, de 10 pontos. Os jogos vão ficar ainda mais “equilibrados” ainda mais “dinâmicos” e sem absolutamente nenhuma “enrolação”. O “par-ou-ímpar” é o limite…

  • Raffael

    Ai ai…será que vou tomar nojo do vôlei da mesma forma que tomei do futebol. Lembro que quando eu era mais novo indo pro estádio acompanhar meu time de coração, com a família e voltava pra casa com sorriso no rosto, mesmo sendo derrotado. Mas o tempo passou, o futebol se vendeu e todo o encanto com aquele esporte se transformou em pé. Não perco meu tempo hoje indo ao estadio, comprando jornal( na epoca que não tinha internet tinhamos que ir pro LANCE! impresso), e as cifras exorbitantes me afastaram de vez. E agora o vôlei esta tomando o mesmo caminha, se vendendo por um punhado ou outro a mais de dinheiro, atletas com a vaidade acima de qualquer clube e dirigentes se aproveitando da situação… Acho que vou migrar pro Handebol…

  • Andréa

    O motivo da mudança foi a duração dos jogos, que “atrapalhava” a programação das emissoras (Sportv, que prefere passar reprise da série b do futebol ao invés de vôlei, e Globo, que passa só semi finais e final). Eu até seria à favor, se isso gerasse a transmissão de mais jogos, mas ao invés de aumentar, diminuiu… Na Superliga passada, passava muito mais jogos, tinha até rodada dupla com dois jogos seguidos, mas agora mal passam dois jogos por semana…
    A Superliga só vai melhorar quando outra emissora passar a transmitir os jogos, e olha que teve proposta, mas a CBV não aceitou, mesmo sendo melhor que a da Globo/Sportv…

  • Fernando

    Daniel,
    Bom Dia,
    Daniel é muito estranho esta ‘padronização’ dos campeonatos…. em 21 pontos. Os demais países parecem não estar aderindo à mudança, que eu saiba, somente no Brasil isto está ocorrendo. Da maneira que surgiu, imposição de CBV-Rede Globo, e isto, parece continuar. Não creio que neste contexto atual, onde tem Liga Nacional que não dá acesso à Superliga, onde pra “entrar” na superliga, não precisa de participar, de cumprir os “regulamentos”, entra-se por outros instrumentos. Ou seja, regulamentos, normas, existem apenas por existir, não me estranha o fato de os “clubes” aspirantes se venderem à “organização”, é mais fácil…. Vem a Leila, em seu novo “cargo” falar em revolução. Se fosse preocupada com revolução, não teria participado desse arranjo que foi, a forma que este time se construiu e entrou na superliga. A não ser que “revolução” seja sinônimo, símbolo de retroscesso. (A mudança pros 21 pontos pode até trazer benefícios, nem contesto isto, apenas os objetivos e a maneira de que foi “imposta”). Enfim as perguntas: será que Ari Graça-Rede Globo querem fazer com a FIVB o mesmo que fazem com a CBV? Será que conseguirão?

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo