Definidas as semifinais do Mundial. E viva o Irã!



Belogorie Belgorod x UPCN, às 17h30.

Sada/Cruzeiro x Al-Rayyan, às 20h30.

Essas serão as semifinais do Campeonato Mundial masculino de clubes, nesta sexta-feira.

A confirmação dos duelos aconteceu após a vitória dos russos sobre o Matin Varamin, do Irã, por 3 sets a 1, parciais de 25-21, 22-25, 25-15 e 26-24 .

O melhor do jogo foi sentar ao lado de um narrador iraniano, elegantemente trajado com calça social e um blazer, no local reservado para a imprensa, no Mineirinho. Uma folha de papel, uma caneta e um celular (e não era de última geração). Com esses três instrumentos, ele ficou quase duas horas no ar. Pequenos intervalos entre os sets, para pegar fôlego, faziam o Mineirinho “ouvir” um silêncio sepulcral. Mas logo depois, após os pontos mais emocionantes marcados pelo esforçado time do Varamin,  a transmissão ganhava emoção.

Nosso único contato durante a partida aconteceu no segundo set, quando uma bola atacada pelo gigante Muserskiy, de 2,18m, veio em nossa direção. Por sorte, eu não estava escrevendo e ele acompanhava atentamente o ponto. Desviamos quase simultaneamente aquele míssil que tinha endereço certo: o laptop do LANCE! . Fiz um joia em agradecimento e ele não perdeu o ritmo da transmissão ao retribuir com um movimento de cabeça.

Já “amigo” dele, admito que fiquei com inveja da fluência que ele tinha para narrar o nome do ponta russo Panteleymonenko. Admito também minha ignorância total para entender em quais momentos ele citava Mostafavand ou Heidarishahi ou ainda Piroutpour. Ainda bem que Vadi e Tajer estavam em quadra para eu ter a certeza do autor do ponto iraniano enquanto desviava o olhar para escrever este texto.

Os ouvintes em Teerã devem ter gostado do jogo que acompanharam a milhares de quilômetros de distância. Pois ele realmente foi bom. Os poucos fãs do vôlei que se aventuraram no Mineirinho, em vários momentos, entraram no clima do meu vizinho narrador. E aplaudiram os pontos do Varamin com empolgação. O time do Irã deu trabalho de verdade para Muserskiy, Grozer, Travica & Cia, quase levando a decisão para o tie-break. Eu eu vivi uma noite única ouvindo uma transmissão de vôlei em iraniano.

 

 

 

 



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo