De favorito a rascunho de time



A expressão usada no título vai gerar reclamações dos torcedores do RJ Vôlei, mas é define bem no que se transformou o atual campeão da Superliga.

Nos últimos dois dias, mais duas baixas esperadas se confirmaram. Leandro Vissotto e Thiago Alves partiram para a Coreia e para a Turquia, respectivamente. Já não haviam jogado no vexame contra o Funvic/Taubaté e eram cartas certas fora do baralho carioca.

Para desespero de Marcelo Fronckowiak e da torcida, não é possível fazer um time competitivo com o que sobrou. Falta levantador, pontas são uma raridade e, por enquanto, sobram centrais e jogadores inexperientes. Se o barca não aumentar, será assim que o RJ terá um turno inteiro pela frente. Provavelmente, para virar saco de pancadas, apesar do esforço que será feito por quem ficou, não tenho dúvida. Uma pena para os fãs do time, uma vergonha para a imagem do vôlei brasileiro.



  • Paulo

    O clube confirmou a inscrição para Superliga sem o patrocínio necessário para se manter durante toda temporada e quando questionado da situação sempre falavam que estavam perto de um patrocínio que nunca chegou. O tempo passou e a bomba estoura quando as inscrições de novos atletas já estão encerradas e, diferente de projetos como o do Sada e Sesi, que visam também a revelação de novos talentos e possuem vários juvenis no elenco, tem 15 atletas inscritos, sendo que apenas 1 é líbero, falta de planejamento define essa equipe e a má montagem do elenco não tem nada a ver com as tais empresas terminadas em X.

    • Lilika

      Paulo, tenho minhas dúvidas se realmente o pessoal teve pulso firme e humildade de bater de porta em porta pedindo ajuda…por ser o atual campeão tem sempre aquela “altivez” perante os outros… foi o que Luizomar técnico do Osasco fez quando o clube perdeu o patrocínio master que era o Bradesco, fora que empresários da região sensibilizaram com o caso e também ajudaram além do apoio da Prefeitura daquela cidade…e mesmo assim tem torcedor de Osasco que não suporta o Luizomar, que conseguiu trazer de volta a Nestlé ao vôlei…então sobre o Rio, tenho dúvidas, muito provável que ficaram sentados esperando alguém bater à porta do clube…

      • Paulo

        Exatamente Lilika, Osasco perdeu o patrocínio depois do 4° vice seguido, a cidade do clube está longe de ser badalada como o Rio de Janeiro é, mas sempre teve o apoio da prefeitura e das empresas locais, RJX ficou quatro meses sem receber? Esse foi quase o tempo que os empresários locais (que nunca fizeram questão de terem seus nomes divulgados) bancaram o time até a chegada da Nestlé. E olha aí o Campinas, perdeu a Medley, mas arrumou a Brasil Kirin, projetos sérios não acabam tão facilmente.

        • Lilika

          Bem por aí, projetos sérios não acabam facilmente.

  • Caco

    E temos mais uma prova de que a permanência de um time de vôlei ao longo dos anos se deve muito mais à boa administração do que aos resultados. Me lembro de já ter ouvido em comentários de fãs brasileiros e, para o meu profundo pesar, de profissionais do vôlei que a predominância de Unilever e Osasco nas finais da Superliga era danosa, pois “que grande empresa iria querer patrocinar outros times se apenas os dois seriam finalistas”? Considerando que vivemos em um país, cuja administração esportiva tem fama de atrasada e ruim, não me espantei. Porém, fico impressionado com o número de desculpas que certos profissionais do vôlei arrumam para tentar camuflar a sua péssima administração.
    O que faríamos, então, a seguir tal argumento? Já sei! Prejudicaríamos os times mais bem administrados, impedindo-os de disputar finais, mesmo com bons resultados nas fases preliminares, para que times com administrações porcas tenham a chance de ser campeões. Grande ideia! E assim caminha a mediocridade…

  • Voleimania

    Isso já era de se esperar. Até hoje acho muito estranho aquela final do ano passado entre RJX X Sada Cruzeiro. O Cruzeiro atropelou no 1º set, depois esqueceram como joga bola?
    Para muita gente algo ficou esquisito. Talvez hoje esteja provado a esquisitice daquele jogo, titulo de fachada para não fechar as portas logo apos aquela final.
    Posso estar cometendo equivocos, mas ate que me provem o contrario…

    • Rodrigo

      do mesmo jeito que as americanas entregaram para as brasileiras na final olímpica? Afinal, os USA eram melhores, passearam na primeira fase e fizeram um 25×11 no primeiro set. Esqueceram como se joga bola?

      Não viaja… RJX foi melhor naquele jogo e pronto.

  • daniel

    Que mico!
    A superliga para ser esquecida. Não bastasse a regra falida dos 21 pontos, agora um time em decomposição. Que a próxima temporada chegue logo e sem os atuais constrangimentos.

    • Afonso RJ

      Exatamente o que eu penso. Já nem tenho mais saco de assistir na TV os pouquíssimos jogos transmitidos. E a CBV quase não transmite mais nem pela web. Para mim essa superliga já acabou, e não tenho a menor dúvida que está sendo a pior de todos os tempos.

  • Paulo Firmino

    É uma vergonha a Prefeitura do RIO e a FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS e o governo do ESTADO do RJ, não assumirem este projeto pois o VÔLEI, levou mais público ao maracananzinho, do que o futebol em 2013.

  • Alvaro Kantor

    Paulo, oportuno e feliz o seu comentário. Entendo que o Brasil não está estruturado e nem preparado para a manutenção de equipes de esportes que não seja o futebol. Acho que faltou planejamento, sinceridade e até honestidade dos patrocinadores, que ao logo do tempo, com raras excessões não se fidelizam ao clubes, usando sómente o momento. O presidente da Sada no ano passado fez uma carta aberta sobre o volei brasileiro e foi muito criticado pelos dirigentes do esporte, mas e agora? Ali ele ressaltava a sua forma de ação, incentivando as categorias de base e o crescimento do volei no Brasil. Fora os investidores de um ano, ou seja, os oportunistas.

  • O que mais me preocupa nem é o fim de um time que foi montado para sobreviver 1 ano e teve uma sobrevida de 2 anos…isso não é tão preocupante com o que ocorre hoje com o time feminino do Minas Tenis Clube,afinal o Minas sempre foi a vitrine do volei pro Brasil,isso sim é grave,um clube com o porte do MTC ,com toda estória e tradição estar na situação que está.O antigo RJX foi apenas um time montado por uma aventureiro que hoje corre o risco de dar calotes bilhonários por aí…então não há porque se preocupar com um time assim,sem projeto,sem estrutura e feito somente com o objetivo de promover uma marca,marca que nem pronunciam na tv(isso vale para todos os patrocinadores)!A situação do minas sim..esta deveria ser lamentada!

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo