Dani Lins fala ao blog sobre momento na Seleção e o drama de Sidão



Durante o fim de semana do Grand Prix, em São Paulo, bati um papo com a levantadora Dani Lins, uma das titulares mantidas em todos os jogos desta etapa.

A campeã olímpica em Londres-2012, ela ficou no grupo que seguiu para a Itália para a terceira etapa do GP e na próxima semana estará em Omaha, nos Estados Unidos, para o Final 6. Para ela, algo mais do que natural.

– Queria jogar o Grand Prix, pois são mais jogos (nas finais, são cinco em seis dias), é uma carga de jogos muito boa já pensando na Olimpíada do ano que vem – comentou Dani ao blog.

O casal Dani e Sidão (Divulgação)

O casal Dani e Sidão (Divulgação)

A cabeça, porém, estará um pouco dividida. Ela não esconde a preocupação com Sidão. O meio de rede está afastado do vôlei para se recuperar de uma lesão no ombro direito. Ele preferiu abrir mão de uma cirurgia, que o afastaria por vários meses do esporte, para buscar uma recuperação mais conservadora, com descanso e fisioterapia (leia mais aqui: http://blogs.lancenet.com.br/volei/2015/07/10/por-olimpiada-sidao-arrisca-nao-operar-ombro-lesionado/).

– É complicado para ele, pois esteve anos e anos sem se machucar, jogando bastante pela Seleção e pelo clube. Parar agora foi complicado para o Sidão, que ficou muito triste no começo. Mas agora ele já está aceitando mais. Graças a Deus não teve de fazer cirurgia nenhuma. O médico disse pra ele ficar parado e tratar bem. E eu também me tranquilizei e estou tentando ajudá-lo sempre – contou a levantadora.

Segundo Dani, no início, o mais complicado foi fazer em casa o trabalho de psicóloga.

– O pior já passou. O problema não é ficar sem treinar, mas sim lidar com o psicológico mesmo. Tudo aconteceu num momento ruim, mas ele está de boa em casa agora, tratando todo dia. Então, está bem focado para melhorar logo.

Sobre seu momento na Seleção feminina, Dani Lins encara um desafio diferente. Sem a presença de Fabíola, mais experiente, ela agora lida com uma novata, no caso de Macris, e de uma jogadora que esteve longe da Amarelinha nos últimos anos: Ana Tiemi. E essa função de ser uma referência não abala Dani:

Dani Lins em ação contra a Alemanha (FIVB Divulgação)

Dani Lins em ação contra a Alemanha (FIVB Divulgação)

– Me dá responsabilidade de fazer tudo certo ara elas seguirem o caminho correto – disse Dani, lembrando que tinha em Fofão a referência que agora passa a ter.

Na busca pelo 11º título do Grand Prix, Dani terá ao seu lado uma provável base titular bem diferente da que se acostumou neste ciclo olímpico. Sem Sheilla, Fabiana e Thaisa, desfalques nesta temporada, e com Fernanda Garay, Jaqueline e Camila Brait no Pan, ela será uma das jogadoras mais experientes do time. Provavelmente, terá ao seu lado uma base formada pela espinha dorsal do Rexona na última temporada: Juciely, Carol, Gabi e Natália.

E, sobre a dupla de centrais, a levantadora não vê uma diferença gritante na forma de atuar ao comparar com a dupla Thaisa/Fabiana, bem mais alta.

– Carol e Juci são mais baixas, mas o alcance é quase o mesmo. Elas bloqueiam muito bem, têm um alcance alto no ataque e no bloqueio. Para mim não faz tanta diferença.



  • douglas

    Daniel o time do Grand Prix tem como base
    Dani Lins e Roberta (Levantadoras)
    Monique e Ivina(oposta)
    Carol ,Jucy, Mara(meio de rede)
    Gabi, Natália, Suelle e Ellen(ponta)
    Leia e Sassá (líbero)
    São essas mesma o tá faltando alguém?
    Mayhara ,Fran Jessica e Letícia Hage (não tão inscrita no Grand Prix ou tão)

    • Daniel Bortoletto

      é isso mesmo

      • douglas

        Não falta uma central já que agora são 14 atletas por partida,vi na relação de jogadoras inscrita tem o nome da Mayhara lá, ela continua com a seleção ou foi dispensada.

  • Porque a Sheilla, Thaisa e a Fabiana estão fora da seleção?

    • daniel

      Thaisa ainda está de muletas, recuperando-se de um cirurgia e só volta a seleção no próximo ano.
      Sheilla recebeu merecidas férias após 10 anos de titularidade absoluta como oposta e volta em agosto.
      Fabiana também recebeu férias, mas decidiu voltar antes e já está treinando com a seleção. Não sabemos se ela estará na fase final do Grand Prix.

  • albertho

    Difícil o Brasil ir muito longe nesse grand prix, vai ser surra por cima de surra. Pelo menos serão 6 jogos que servirão para “batizar” as atletas que poderão formar a base do próximo ciclo olímpico. Eu assisti a duas entrevistas, uma do libero Serginho da seleção e a outra do levantador Thiaguinho da seleção b, e fiquei indignado quando foi perguntado aos dois os motivos das derrotas, e as desculpas de ambos foi que o jogo não valia nada e que não tinham importância. Peraí, o torcedor paga 90 Reais por um ingresso sai de casa feliz da vida pra torcer por uma vitória do seu time e a desculpa que o atleta dar pela sua incompetência é que o jogo não valia nada. Por que jogou então? Por que cobrou pelos ingressos? Isso é resultado do fato da formação dos nossos atletas não incluírem os estudo.

    • douglas

      Não creio que essa seja a base do Brasil ,acho que não iria tão longe nem no Montreux tão pouco no campeonatos mais importantes.já que é pra renova faz igual 2005 e venova tudo de uma vez (com algumas ecessoes)
      LEVANTADORAS:
      Macris e Ana Tiemi seria as primeiras opções.
      Roberta e Naiane depende de como vão desenvolver suas carreiras.
      OPOSTO:
      Tandara se tive continuidade sem lesões pode ser bem decisiva ,e primordial para essa renovação.
      Lorenne testaria ela mesma se fosse reserva pelo menos em 2017
      Paula Borgo seria a reserva de Tandara
      IVINA precisa melhora muito pra ser nível de Seleção.
      MEIO DE REDE:
      Carol iniciaria com ela como titular
      Bya(se não pedir dispensa) seria a outra central titular.
      Mara ficaria brigando com as duas de cima pela condição de titular
      Fran seria outra boa opção, correndo por fora.
      Valquíria testaria ela ,ou pelo menos convocaria para os treinos.
      PONTA:
      Gabi titular ,seria importante ela jogar as olimpíadas do RIO para o seu amadurecimento.
      Natália se tiver continuidade e jogar tudo q sabe e pode seria titular absoluta
      Rosamaria outra jogadora com bastante potencial poderia ser bastante trabalhada.
      Drucylla se desenvolver bem sua carreira também estaria brigando por uma vaga na seleção
      Samara apesar de irregular é uma das poucas jovens jogadoras com muito potencial no passe e defesa talvez por isso foi uma das primeiras contratações pedida pelo Paulo Cuoco no Minas.
      LÍBERO:
      Camila Brait titular absoluta e ponto.
      Ju Pães e Lais também poderiam serem testada
      RESSALVAS:
      Mari PB e Suelle podem continua na seleção .
      Fe Garay idem ,e claro se ela quise.
      Traísa acho que ela não vai quere continua
      Adenizia nunca se firmuo de verdade poderia mais espaço com as novas chegando.
      José Roberto não esse já deu tudo o que tinha que da é hora de gente nova com nova mentalidade.
      Wagao seria a primeira e melhor opção com Hailton Cabral como aux. Técnico.

  • Edu

    Dani tem sido acima de tudo extremamente companheira com Sidão.Já ficou marcado na temporada passada em Osasco que encerrado os treinos era sempre a primeira a entrar no carro em direção ao amado.Num jogo das semis contra o Sesi ,na ultima Superliga, jogou as 11:30 e ás 17:00 ja estava então em Taubaté no ginásio para acompanhar a outra semi que o namorido participaria.Cobrindo uma distancia de 120 km nesse intervalo de tempo vespertino.Vai com maior responsabilidade nessa fase de Grand Prix pela experiencia e por guiar uma equipe com jogadoras mais novatas.Na Olimpíada não sentiu tanto a pressão inicial e assumiu com tranquilidade e talento a titularidade.No Mundial do ano passado parece que os ombros pesaram mais e não teve papel tão destacado na campanha, próximo do discreto.Veremos como se comporta a partir dessa semana.

  • So fa de carteirinha amoesse casal apesar de ser fa pegajosa mas torco por ele na vida e no esporte quero muita saude e plena recuperacao pro sidao bjs obrigado poe serem tao perfeito bjs

MaisRecentes

A velocidade do Sesc, com Thiaguinho, impressiona



Continue Lendo

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo