A corajosa entrevista de Douglas Souza à Folha de S. Paulo



O ponta Douglas Souza, em entrevista à Folha de S. Paulo neste fim de semana, fez uma análise sobre o atual momento da carreira após o segundo lugar no Campeonato Mundial com a Seleção, as perspectivas para a Superliga com o EMS/Taubaté e sobre preconceitos e dificuldades enfrentadas no esporte por ser gay.

Aos 23 anos, o jogador demonstra maturidade e coragem ao falar abertamente sobre a orientação sexual em um país tão preconceituoso como o nosso. Muitas vezes a homofobia é não aberta, não está escancarada. Está veladamente escondida por trás de comentários sobre o desempenho de Douglas nos jogos, com um peso maior para criticar e uma dificuldade enorme para elogiar. E isso vale para fãs e mídia, que fique claro.

Com um ouro olímpico no currículo, Douglas Souza já mereceu críticas. Teve, por exemplo, uma temporada 2017/2018 abaixo do esperado pelo Sesi e uma transferência para Taubaté para brigar por posição com Lucarelli e Facundo Conte. Na Seleção, também não vinha bem até o Mundial, momento da virada.

Agora tem o desafio de mostrar que pode mesmo se manter em alto nível e em um novo patamar.

Douglas Souza, à direita, foi destaque brasileiro no Mundial (FIVB Divulgação)

Abaixo algumas das respostas de Douglas à Folha:

TAUBATÉ FAVORITO NA SUPERLIGA

Grande favorito, talvez não. Além da gente tem o Sesc, Sesi e Cruzeiro, três equipes fortes. Não sabemos como o Cruzeiro reagirá após tantas mudanças no time. Acho que somos um dos quatro favoritos ao título.

SER UM DOS MELHORES ATACANTES DO MUNDIAL

Eu fui sendo o novinho do time, de quem ninguém esperava muita coisa e que acabou se destacando como melhor atacante do campeonato. Agora as pessoas me veem diferente, esperam muito de mim. Isso é legal, de certa forma pressiona, mas a gente está acostumado a viver com pressão.

SURPRESA COM A PERFORMANCE

Não sei se surpreendeu é a palavra. Eu estava extremamente concentrado. Saía de um jogo e ia estudar o próximo, ficava olhando nossos números no scout, sempre ligado. Mal entrava no Instagram, só postava resultado dos jogos e pegava o celular para me comunicar com parentes. Então realmente estava muito focado e não estava esperando menos.

PRESENÇA DE LEAL EM 2019

Esse negócio de o Leal poder ser convocado é bom. Quem não quer ter o Leal em forma no seu time? Acho que nos ajuda bastante. Mas a função dele e do Lucarelli é totalmente diferente da minha. Faço uma função mais de volume de jogo, ponteiro mais completo. Vai ser uma disputa boa, mas cada um tem sua função.

GESTO DE WALLACE E MAURÍCIO FAZENDO ALUSÃO AO ENTÃO CANDIDATO BOLSONARO

Quando aconteceu eu estava fora das redes sociais. Muitos de nós não tínhamos visto o que eles tinham feito. Eu postei para avisar que tinha ganhado, depois pessoas me mandaram mensagem, minha família disse que estavam falando sobre isso. Fui no Twitter e disse que eu não tinha nada a ver, que não estava fazendo nenhuma campanha política. A situação do país está muito complicada, isso é um fato, mas o que importava para a gente era o que estava acontecendo no Mundial.

Dedos levantados por Wallace e Maurício Souza formam o número 17 (FIVB Divulgação)

SER REFERÊNCIA DO ESPORTE NO MOVIMENTO LGBT

Com certeza, mas não só LGBT. Crianças e jovens jogadores me levam como exemplo por ter chegado à Seleção muito novo. Quando eu tinha 17 anos não imaginava estar na próxima Olimpíada, e estive. Então não só a comunidada LGBT, mas novos atletas também me veem como espelho. Se o Douglas, que é um magrinho do interior, chegou lá, por que você não pode? Isso que eu tento pregar para todo mundo.

COMO LIDAR COM A SEXUALIDADE NO MEIO ESPORTIVO

Eu nunca me escondi para ninguém. Em todo clube com quem assinei, a diretoria sabia, os atletas sabiam. No meu dia a dia não muda absolutamente nada. Estou aqui a trabalho. Acho que a vida pessoal e profissional são totalmente diferentes. Ninguém tem que saber da minha vida pessoal. Todo mundo respeita, é tranquilo. Não tem brincadeirinhas chatas, até hoje não vivi nada assim.



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo