Copa Brasil. Uma bola dentro e outra muito fora



A criação da Copa Brasil é um avanço no calendário brasileiro, atendendo um pedido antigo de jogadores, clubes e patrocinadores. O torneio acontecerá em janeiro (15, 23 e 25 no masculino, 16, 17 e 18 no feminino), com a final de cada naipe prevista para transmissão pela Rede Globo. Os locais das decisões ainda não foram confirmados, mas Maringá é uma das possibilidades reais.

Este é o lado bom da nova competição, que dará vaga ao Sul-Americano, que é classificatório para o Mundial de Clubes. O ruim, na minha opinião, é a regra de classificação ser diferente para homens e mulheres. E vejo o masculino como a melhor opção. Já debati com alguns seguidores do Twitter e agora compartilho com todos aqui no blog.

Entre os homens, a Copa Brasil contará com os oito melhores do primeiro turno da atual Superliga. Estimular a disputa da primeira metade da principal competição nacional é um ponto positivo, já que normalmente é a parte mais chata, com times menos entrosados, sem tanta emoção. Cria-se um motivo para terminar bem o turno, com uma premiação muito clara. Entre as mulheres, irão disputar a Copa Brasil 2014 os oito melhores times da Superliga 2013. Ou seja: você jogou a temporada passada sem tal meta e viu a vaga agora cair no seu colo, do nada. Ninguém jogou e se esforçou por tal meta. E ainda você afasta da nova competição todos os times recém-criados (e olha que não são poucos: Brasília, Barueri, Maranhão, Uniara…) Para ser justo, tal decisão foi dos clubes, não da CBV.

Já o regulamento é ideal. Jogarão primeiro x oitavo, segundo x sétimo, terceiro x sexto e quarto x quinto. Jogo único nas quartas, avançando quatro para a semi e depois a final. Três jogos para a título, todos decisivos. A única diferença é que todos os jogos do feminino serão em uma única sede. Já o masculino fará as quartas de final na casa dos times com melhor classificação. Depois semi e final em um mesmo local.

Os duelos entre as mulheres nas quartas serão: Unilever x Rio do Sul, Molico/Nestlé x Minas, Vôlei Amil x Pinheiros e Sesi x Banana Boat/Praia Clube.  Se a regra fosse a mesma do masculino, São Caetano, Brasília e Barueri estariam atualmente na disputa, saindo Sesi, Rio do Sul e Minas.

Hoje os confrontos dos homens, pela atual classificação que ainda pode mudar um ou outro duelo: Sada/Cruzeiro x São Bernardo, Sesi x Moda Maringá, RJ x Kappesberg/Canoas e Brasil Kirin x Vivo/Minas.

O que vocês acharam?



  • Iuri

    Daniel, que esquisito..mudaram as regras??????? Tinham publicado semana passada que a regra no feminino também seria do masculino na questão dos jogos. No feminino não haveria quartas de final…os times seriam distribuídos em 2 grupos distintos. Dentro de cada grupo, os times jogariam entre si (totalizando 3 jogos por equipe), depois disso os 2 primeiros colocados de cada grupo avançariam pras semifinais.

    Entrei no site da cbv e eles simplesmente mudaram a notícia do dia 13/12 na maior cara de pau!! Mas busquei os links das notícias nos principais portais de vôlei:

    http://www.saqueviagem.com.br/volei/noticias_detalhe.php?idPost=12849542
    http://www.melhordovolei.com.br/index.php/noticias/nacional/item/7008-copa-brasil-esta-oficialmente-anunciada

  • rapha

    Fico sempre com a impressão que a CBV prioriza o masculino, mesmo com o feminino tendo mais times na SL, e a seleção feminina esteja em momento melhor.

  • Ricardo

    Pelo que li anteriormente os times femininos serão divididos em dois grupos, a partir daí se formarão os confrontos de semifinal. Não gostei do regulamento feminino, parece até uma competição a parte e sem a menor ligação com a atual edição da Superliga. Sem contar que é um desperdício times como Brasília, São Caetano e até mesmo Barueri ficarem de fora.

  • Cadu

    Não acho legal uma competição tão curta dar vaga para um torneio tão importante quanto o Sul-Americano e Mundial, se o problema é tempo, seria mais interessante se a competição continental fosse disputada durante a Superliga, sendo o representante o campeão da temporada anterior.

    Sobre o regulamento, achei o feminino justo, essa temporada tem muitas equipes novas, coroa o trabalho de manutenção realizado pelas mais antigas, as que chegaram agora já querem sentar na janela? Na masculina, acho que seria melhor todos os jogos na cidade sede e ponto. Já pensando alto, seria interessante depois um jogo entre o campeão da Superliga vs o da Copa Brasil, como a Supercopa da Itália.

    Daniel, sabe alguma coisa sobre o local do final da Superliga? Acho que o prazo para divulgação é até 31 de dezembro, já estamos chegando lá.

    • Daniel Bortoletto

      talvez seja assunto da minha coluna de domingo

  • Afonso RJ

    Se entendi bem, o tal campeonato vai ser nada mais nada menos do que uma prévia da fase final da Superliga. Será que a coisa não vai acabar por se tornar repetitiva? De qualquer forma é sempre bem vindo. Além disso, as regras de novas competições sempre podem ser melhoradas e aperfeiçoadas em edições futuras.

    Para mim, o aspecto mais importante é o acesso ao Sul-Americano de clubes. O que não ficou claro é se o campeão da Copa Brasil irá substituir ou se juntar ao campeão da Superliga na disputa do Sul-Americano. Sim, porque se o acesso ao Sul-Americano e consequentemente ao Mundial de Clubes passar a ser através da Copa Brasil ao invés da Superliga, vai haver um esvaziamento da última, o que na minha opinião seria um absurdo. Um verdadeiro tiro no pé. Acho que esse ponto deve ser melhor esclarecido. Mais um trabalho para o Super Daniel 🙂

  • bernardo

    Pelo que eu tinha entendido a Copa do Brasil feminina iria ser dividida em dois grupos de quatro e não mata-mata como o masculino. Acho o sistema de classificação e a disputa de jogo único do masculino mais interessante.

  • Cadu

    Daniel, acabei de ver que a Elitsa Vasileva, bateu o record mundial de pontos em único jogo e lembrei do “Quer bater um recorde? Vá jogar na Coreia”, foi exatamente lá que o record foi batido pela 3 vez.

  • Aline

    Achei óitimo, competição rápida, dinâmica, tiro curto, sem choro nem vela…
    Claro que a fórmula do masculino é muito mais justa e coerente que a do feminino.
    Algo me diz que alguém do SESI fez campanha para não ficar de fora.
    Já que dentro de quadra o SESI não conseguiria vaga para a COPA BRASIL, adotaram esse critério ridículo. Pra mim o SESI merecia ficar de fora e o Brasília, um projeto novo da Leila, Ricarda e Cia. pelo o que tem apresentado dentro de quadra merecia estar dentro.

    • andré L.

      venho pensando a mesma coisa! tem o dedo do SESI aí, certeza

  • Paula

    Gostei! Concordo que, no feminino, também deveriam ser os 8 melhores dessa Superliga.
    No início da temporada, cogitou-se que a Copa poderia ser realizada aqui no Nordeste. Daniel,você acredita que ainda exista essa possibilidade ou já foi descartada pela CBV?
    Ah, adoro suas postagens sobre vôlei! Sempre muito sensatas e realistas! Parabéns!

    • Osmar Cordeiro

      A cidade sede será Maringá – Pr

  • Tarik

    Alguém pode me dizer quando a Mari volta a jogar?!

    • Daniel Bortoletto

      deve jogar a Superliga já em janeiro

  • Caco

    Acho que só a volta da competição já deve ser comemorada. A fórmula pode até não ser perfeita, mas o que importa é que foi uma decisão dos clubes, os maiores afetados por isso.
    Não acho que a classificação caiu no colo das equipes femininas porque considero que o ingresso na Superliga de equipes recém-criadas sem passar por uma fase classificatória, enquanto outras equipes vencedoras da nossa “série B” ficando de fora por falta de dinheiro, é muito mais “cair no colo” do que isso. Essas equipes, de uma certa forma ou de outra, mereceram porque se classificaram para os playoffs da Superliga passada, o que é muito mais importante do que ficar entre as oito apenas do primeiro turno. Elas ficaram entre as oito da competição passada. Por isso, não vejo nenhum demérito nisso.

  • Osmar Cordeiro

    Maringá – PR foi escolhida para sede da Copa do Brasil , uma grande oportunidade de ver grandes atletas e equipes , já temos o privilégio de apoiar o time do Moda Maringá e de participar da Superliga . O Maringaense e os moradores de cidades vizinhas irão prestigiar este grande evento e irá receber o carinho .

  • Osmar Cordeiro

    Sobre o regulamento , a disputa do feminino utilizando as classificações de 2012-13 não pegou bem até pq o fechamento do 1º turno desta atual edição terminaria antes da disputa e com isto Brasília Vôlei , Barueri e São Caetano que estão entre os 8 atualmente não iriam disputar . Outro ponto que vejo de negativo é a disputa das quartas-de-finais não ocorrendo na cidade sede , aumentaria custos e cansaço com as viagens ao invés de disputar tudo de uma vez .

MaisRecentes

E vem mais um Zenit Kazan x Sada/Cruzeiro por aí!



Continue Lendo

Após virada incrível no 3º set, Minas avança na Copa



Continue Lendo

O tetra está vivo! Sada/Cruzeiro na semi do Mundial



Continue Lendo