Comparação Rússia (atual) com Cuba (década de 90)



Texto abaixo foi publicado na edição de hoje do LANCE!, em reportagem sobre derrotas marcantes da atual geração para a Rússia e do time de Ana Moser, Fernanda, Marcia Fu, Ana Paula, entre outras, para Cuba.

Pergunte para torcedores mais antigos quem foi o grande adversário da Seleção Brasileira feminina no vôlei na década de 90. Dez entre dez responderão Cuba. Faça o mesmo com a geração atual, e a resposta unânime será Rússia.

Coincidentemente, nos dois casos, algumas derrotas verde-amarelas foram bem mais marcantes do que várias vitórias.

Ao analisar estilo de jogo, percebe-se uma semelhança. Cubanas e russas abusam do físico. As caribenhas são mais fortes. As europeias, altas. E é claro que o Brasil, mais técnico e habilidoso do que a dupla, sofre com isso.

Mas, a partir daí, querer transformar derrota para o mesmo rival em freguesia é demais.

Qualquer semelhança é mera coincidência?



  • Leandro

    Acho que realmente o grande problema do time atual é levantadora Fabíola. Ela é esforçada mas bastante limitada. No jogo contra a Rússia abusou de bolas hora espetadas, hora muito distante da rede. E mandou insistiu no jogo pelas pontas que estava muito marcado quando a Fabiana e a Thaisa marcavam sempre pelo meio.

    • loyana

      ridículo seu comentário. A fabíola é uma solução na Seleção. Que outra vc colocaria? Se vc não tem outra opção não jogue na costa de uma só pessoa um erro coletivo. Não foi a fabíola que faz o Brasil perder de 25 x 10 o 4º set, foi o time inteiro que apagou.

  • gilberto

    O saque brasileiro não incomoda. Bola na mão é fácil para adversárias tão espetaculares (as russas). A seleção brasileira fez um esforço gigantesco para chegar na final. Lembra o jogo contra o Japão?Parecia um parto! E não eram as russas. Esta seleção precisa de formação emocional também, pois elas não equilibram com o lado técnico, físico. Falei!

  • Eder Luiz Martins

    Engraçado, nos anos 90 tinhamos geração maravilhosa, técnico promissor e tudo mais, perdemos uma final de mundial, uma semi, duas semis olimpicas.
    Agora dizem que faltou levantadora. Bom em 2004 tínhamos DEUS Fernanda, 24 a 19 no quarto set e…..; Em 2006 tínhamos Santa Fofão, 13 a 10 no tie break e….; Em 2010 faltou o que?
    Quando é que vamos admitir que não fomos nós que perdemos, elas ganharam com méritos.
    Pior é quando dizem que o anti-voleibol ganhou com Russia e quiça também com Cuba. Bom então quando o voleibol chegar aos dois times é só suspender mundiais e olimpíadas e entregar o ouro a ambas as equipes.

  • Marcelo R

    Se pudesse ser feito o ideal seria a mistura das 2 gerações.
    Seria um timaço imbatível, com Ana Moser e Hilma (pontas), Marcia Fu e Sheila(Oposta), Walewska e Fabiana e Thaisa(meio), Fabi(Libero), Fernanda e Fofão(Levantadoras).
    Fabiola, Carol fala serio as 2 são uma tremenda mão de marreta…..
    Na década de 90 havia atacantes de ponta e não se tinha de meio, hoje se tem meio mas não se tem pontas e nem levantadoras…

    • adriano

      concordo…seria um timão mesmo hehehe

  • Marcelo R

    Na década de 90, cuba era muito superior ao Brasil, quando as cubanas jogavam bola para valer, as brasileiras nem viam a cor da bola. Lembro-me da final do Mundial em 1994 em São Paulo… Uma lavada.
    Hoje as Brasileiras perdem para as russas por falta de competência, não é o mesmo caso da década de 90 cuja superioridade física das cubanas era enorme.
    Tínhamos somente Ana Moser e Marcia Fu e talvez a Hilma no mesmo nível de força física das cubanas. Hoje não existe essa diferença em relação à russas.

MaisRecentes

Brasil faz dever de casa pela classificação



Continue Lendo

O bipolar Brasil no Grand Prix



Continue Lendo

Vaivém: Campinas apresenta patrocinador e caras novas



Continue Lendo