Colunista convidado – Roberto Minuzzi: “Todos pelo vôlei?”



Depois de um longo inverno, a seção está de volta. O autor da vez é o ponta Roberto Minuzzi, do Kappesberg/Canoas. E ele não fica em cima do muro ao analisar o atual momento do vôlei brasileiro. Confiram!

Em 2010 eu estava finalmente voltando a jogar em minha cidade. Aceitando o convite, fui atuar pela UCS, Universidade de Caxias do Sul, para disputar a temporada 10/11. Eu e mais alguns jogadores fomos contratados para uma equipe que faria parceria com o São Caetano. Jogaríamos o Paulista por lá e a Superliga no Sul. Já havia passado por isso quatro vezes, duas na parceria ULBRA/SUZANO e outras duas com PINHEIROS/MINAS. Tinha sido campeão paulista em todas as oportunidades e estava muito empolgado.

A surpresa veio com o telefonema da CBV, avisando que, a partir daquele momento, não seriam mais aceitos os chamados “times estrangeiros” ou com “duas casas”. São Caetano ficou sozinho, com um time fraco. E nós, sem time, pois a UCS fechou.

Nesse momento, me abracei ao supervisor da UCS, Fábio Senna (que hoje é o gestor do projeto de Canoas), e fomos à luta para levarmos a equipe para a SOGIPA. Juntando patrocinadores de última hora, jogamos a Superliga recebendo salários de juvenil, para não deixar o vôlei morrer no Rio Grande do Sul. Para meu espanto, durante essa Superliga em que São Caetano e UCS foram golpeados, a equipe de Blumenau atuava com a parceria do Clube Olímpico, de Belo Horizonte. O critério usado para a quase extinção do voleibol no RS não foi utilizado com outros times e até hoje não se sabe o motivo…

Depois de muita insistência, hoje o esporte está se reerguendo no nosso Estado, por forças próprias. Jogadores e dirigentes se uniram e foram bater nas portas de empresários e prefeituras no Rio Grande do Sul. Para se fazer um time competitivo, muitos recebem um salário fixo bem abaixo da realidade e têm seus percentuais em cada patrocínio conquistado. Esta é a forma que trabalhamos no projeto do Kappesberg/Canoas e, nessa temporada, conseguimos atingir a meta de orçamento traçada pelo clube, depois de muito esforço, trabalho e persistência. Todos se ajudando para fortalecer o vôlei! Todos? A CBV, aos meus olhos, não.

Não sei se em algum outro momento, jogadores de qualquer modalidade, em qualquer canto do mundo, se interessaram tanto em melhorar uma modalidade como os atletas de vôlei do Brasil. Reuniões e reivindicações para aumentar o tempo do campeonato, a exposição dos patrocinadores, que são os que sustentam o esporte, foram alguns dos temas. Tudo para fortalecer as competições.

O que vemos, ano após ano, é a CBV tirando possibilidades do clube divulgar os patrocínios, para dar espaço a seus próprios colaboradores. Hoje, não podemos ter cartazes, backdrops, bonés, adesivos na quadra, nem na cadeira do árbitro. As placas de maior visualização são dos patrocinadores da entidade, e as dos clubes, que a cada ano perdem mais espaço, ficam escondidas. Nós, do Kappesberg/Canoas, perdemos um patrocinador, que na temporada passada pagava somente para ter a decoração do ginásio. Nem a bola gigante, aquela que se joga para animar a torcida, a CBV deixou usar.

O esforço que é feito para se manter uma equipe, para tentar melhorar o nível do campeonato, parte somente dos clubes. O dia que a CBV resolver ajudar, nosso voleibol será, sem dúvida, o melhor do mundo.



  • Marcelo

    Gente, pra que ainda existe uma entidade como essa?? Só pra atrapalhar e fazer tudo que a Globo pede, isso me revolta profundamente, por começar desta palhaçada de set’s de 21 pontos para ser usado em um campeonato como a Superliga, acredito que nem no Paulista que é um campeonato de menor relevância não deveria ser usado essa regra, deveria ser usada em campeonatos curtos como Copa São Paulo, Regional… E agora mais essa palhaçada de vetar os patrocinadores, agora eu pergunto: o que eles ( CBV) ganham em não deixar mostrar uma simples imagem? Já que transmite,1 ou 2, o que custa mostrar mais? E porque não deixar colocar nos ginásios o logotipo daqueles que pagam os salários, que fazem o campeonato crescer, porque sem eles ( os patrocinadores), os clubes não são nada, e quem seria a CBV? Acho que essa entidade, retrata muito bem, o que é o Brasil, infelizmente, além de ajudar as equipes, lutar a favor das equipes, eles acabam ficando do lado da manipuladora Globo, onde se ela desistir em transmitir o volei, varios canais já demostraram interesse em transmitir os jogos, INCLUSIVE a Record chegou a fazer uma proposta irrecusável para a CBV em transmitir a Superliga, mas o nosso “querido” ex – Presidente da CBV, Ary Graça, resolveu renovar com a Globo, por um valor bem abaixo do oferecido, estranho isso né?

    Mas enfim, se quisermos que o Volei cresça mesmo, e sem essas palhaçadas que a CBV impõe e inventam de ultima hora, eu sou a favor de uma Liga Independente, que se for bem organizada, será um sucesso e todos serão beneficiados, inclusiva nós torcedores!!!

    • carlos

      O que eles ganham ?? Mais verba dos seus colaboradores pra vetar a imagem da concorrência. É lamentável o que a CBV faz. Minuzzi falou ” O DIAque a CBV resolver ajudar, nosso voleibol será, sem dúvida, o melhor do mundo”. Pra que esperar. Cria uma liga independente e assina contrato com a record que é mais jogo.

    • Bernardo

      Concordo contigo Marcelo, chega da CBV, independência já. Vamos clubes se unir e mudar o rumo trágico que está tomando o volei brasileiro.

  • manu

    Façam uma liga independente. Se a liga da CBV não ajuda em nada e só atrapalha, façam uma liga independente.
    O produto que vende são os jogadores, então se eles forem juntos para uma liga criada por eles não vejo problemas.

  • Andre Alves

    É vergonhoso o que acontece com o Volei brasileiro, a Rede Globo manipula o Brasil e cada vez mais os dirigentes mantem os rabos grudados a ela, a extinção do Volei Brasileiro só não vai ocorrer pelo excesso de matéria prima que temos e por alguns clubes fortes como Sesi, Sada Cruzeiro, Minas e pelo esforço de alguns jogadores como Minuzzi no Sul e Ricardinho no Maringa…já foi uma vergonha o fim do Volei do Futuro e Cimed e é para esse fim que se encaminham tantos outros…
    Fico triste em ver o que está ocorrendo, times sendo chamados pelo nome de suas cidades, sets alterados…

  • ana maria

    Tenho profunda admiração por este atleta e ela aumentou agora ao ler suas reflexões sobre o vôlei no Brasil.

  • Erivane

    É vergonhoso isso que a CBV faz com as equipes de vólei, a chance do voleibol brasileiro melhorar em todos os sentido é muito pequena, tudo por conta dessa entidade que só faz o que quer e não sabe ouvir as equipes e os jogadores, #lixoCBV, isso é bastante revoltante, desrespeito tanto com os jogadores e as equipes quanto com o torcedor que quer ver o vólei evoluir com qualidade.

  • Eduardo

    palmas pra Minuzzi!

  • Cadu

    Que soco no estômago hein CBV? Uma pena que assim como a turma do Bom Senso no futebol, a maioria dos atletas do vôlei que denunciam as mazelas da federação o fazem somente quando já “deram o que tinham quer dar” nos times grandes e se deparam com a realidade dos pequenos, o Gustavo mesmo que parece ser o grande porta-voz desse movimento não tem nenhuma firmeza nas suas convicções, quem lembra quando os 21 pontos foram testados na Liga Européia? Ele foi um dos primeiros a apoiar dizendo que quanto menor o jogo, menor o número de lesões, (o que contrasta com a maior exposição que a maioria tanto pede), aí foi só a opinião pública malhar a ideia que ele já foi para a turma do contra, voltou a ser a favor quando a CBV decidiu testar na Superliga e dia desses já estava criticando novamente…

    Sobre criar uma liga independente, o basquete já fez isso criando a LNB e continua comendo na mão da Globo realizando a final em jogo único em um domingo as 10 da manhã, convites para a elite sendo feitos sem a aprovação dos clubes, competições anunciadas e canceladas devido a falta de patrocínio e por aí vai…

  • Marcelo

    Os Próprios jogadores, técnicos tem que valorizar os seus patrocinadores, se a tv veta o nome do patrocinador na transmissão, os jogadores e comissão técnica na hora da entrevista deveriam citar o nome completo do time. Acho que chegou a hora de criarem uma liga independente como fez o Basquete… Mas ainda acho que faltam pessoas capacitadas e afim de assumirem esse grande desafio..

  • Bernardo

    Isso deixa claro que os clubes em que se unir e formar a sua própria liga, com seus critérios e vender para quem quiser os direitos de transmissão, e o dinheiro ficando para os clubes e não a droga da CBV

  • Minnie_SP

    Grande Minuzzi!! Ótimo texto!! O projeto do Canoas Vôlei é um exemplo a ser seguido, parabéns!!!

  • Bernardo

    Isso deixa claro que os clubes tem que se unir e formar a sua própria liga, com seus critérios e vender para quem quiser os direitos de transmissão, e o dinheiro ficando para os clubes e não a droga da CBV e seu presidente DESGRAÇA.

  • Walber

    Não consigo entender porque os clubes aceitam isso!! se a maioria não aceitar como eles vão fazer o campeonato??

    Porque não criar um torneio sem a CBV?? O basquete a muito custo conseguiu essa independência ta complicado para eles, mas ninguem mais diz como tem que fazer e pronto.

    Daniel, o que vc acha dessa palhaçada? e poque os clubes no final sempre aceitam tudo que a CBV impoem?

    abs

  • Paulo

    Acho que vcs não acompanham a LNB para sugerir que o vôlei siga o mesmo modelo, de melhor de 5 a final começou a ser disputada em jogo único só para conseguir um espacinho no domingo de manhã na Rede Globo, que também é responsável por organizar o Jogo das Estrela e limita o acesso de jornalistas de outros veículos ao evento, a liga masculino, que está sem patrocinador a duas temporadas, tem só 8 equipes e nessa temporada teve time recebendo convite e acabando antes de entrar em quadra, e olha que o basquete tem nomes ativos como Hortência, Oscar, entre outros medalhões, imagina o vôlei que não tem ninguém?

  • Zico

    CBF..CBV.. Porque será tanta coincidência??? E os próprios jogadores tem sua parcela de culpa.. Fico me perguntando sobre o campeão do ano passado : RJX que não ´´existe´´ mais!! Montaram uma SELEÇÃO , e clubes tradicionais principalmente MINAS não tinham como competir!!

  • Carlos

    As contas bancárias e o patrimonio dos mesmos (CBV), com certeza encontra-se nas alturas; Uma negociata aqui outra acola e bimba. Este é o brasil no esporte, aos dirigentes tudo aos jogadores, patrocinadores, etc nada.

  • Lecy

    Dinheiro. Isso resume a CBV. Mas não para investir no esporte, nos atletas. É um absurdo ter atleta brasileiro mais valorizado lá fora que aqui. E aquela época em que tinha jogo que começava às 22h??? A CBV nunca se importou com o esporte e com a saúde dos atletas. E quem manda é a Globo né?! Enquanto a CBV continuar no comando, o vôlei vai se extinguir cada vez mais rápido.
    Já o Minuzzi?? Meu amigo. Meu orgulho.

  • Bia Ferreira

    Como brasileiro vira massa de manobra fácil, só foi um cidadão (com todo respeito ao Minuzzi, conheço não só sua estória de superação, como também a gratidão a USC) expor uma situação que não é novidade para ninguém, que todo mundo esbraveja por uma liga independente. Que tal antes de criticar, analisar as últimas questões que a CBV deixou nas mãos dos clubes e o que eles decidiram, como os sets de 21 pontos na SL B, a recusa da inscrição de atletas juvenis no RJ Vôlei, a marcação da final da Copa Brasil concomitante com a final do principal campeonato junior do Brasil e que possui data fixa… Não dá para negar que a CBV possui uma estrutura muito ultrapassada, mas que esporte no Brasil possui competições de altíssimo nível tanto no masculino quanto no feminino? Que confederação viabiliza passagens aéreas para todos os clubes interessados? Nem o futebol tem isso.
    Os próprios clubes trabalham pouco sua imagem, acho que a CBV não impõe limites sobre sua atuação na Internet certo? Que tal informar e interagir com os fã através dela? Um post sobre o jogo de mais tarde, outro sobre a nova fragrância de desodorante que acabaram de lançar, uma foto do bastidores de um treino, um infográfico de como o cálcio faz bem aos ossos… Dá para contar nos dedos quantas equipes fazem um ponto a ponto dos seus jogos, sendo eles os principais interessados, não deveria ser regra? É mais fácil reclamar que a CBV e chata, feia e boba e nada faz para dar visibilidade aos patrocinadores…
    Sobre as tão requisitadas transmissões em TV aberta, o vôlei não tem força para se manter em grandes emissoras em que cada ponto de audiência conta, dia desses saiu um pesquisa sobre que esporte o brasileiro sente falta na TV e até ginástica artística estava na frente de vôlei, o futebol e até o emergente MMA movem muito dinheiro com pay-per-view, já no vôlei uma das coisas que mais vejo em dia de jogo são pessoas pedindo link do SportTV, que apoio você está dando ao vôlei com isso? Eu mesmo tenho um plano livre na TV a cabo e sempre faço recarga quando a temporada de jogos começa.

  • Norma Greff Minuzzi

    Importante ler os comentários aqui no blog. Muitos se expõem e expõem as mazelas do vôlei, bem como trazem à tona controvérsias sobre as atitudes da CBV e dos clubes. MAIS QUE IMPORTANTE: A POLÊMICA TORNOU-SE PÚBLICA, independente de o leitor ser simpatizante do vôlei.
    Aqui no RS temos o CANOAS VÔLEI que proporciona a interação com os torcedores do vôlei gaúcho e nos mantém informados a respeito do placar quando não há transmissão pela TV. É local, mas funciona a contento.
    Pouco participo de blogs e me intimido para fazer comentários porque sou mãe de atleta e todos sabemos o conceito de que “mãe jamais abandona/desiste/deixa de apoiar/ contraria/aceita o comentário negativo sobre a atuação de seu filho/engole sapos ou qualquer bichinho(…)”.
    URGE POLEMIZAR TUDO QUE ESTÁ NOS BASTIDORES, seja do vôlei ou de qualquer esporte. pois SANTOS são canonizados depois de muito estudo e provas de milagres.

  • Adriana

    Parabens Minuzzi!!
    Precisamos de um movimento maior sobre o que está acontecendo com nosso Vôlei!! Quem assiste aos jogos (quando a Rede Globo e SporTv transmitem!!!) não fazem noção do que ocorre nos bastidores!!
    É um absurdo um esporte tão vitorioso estar quase sumindo por falta de incentivo e investimento por conta da falta de visibilidade dos patrocinadores e, consequente, desinteresse desses em manter-se nas temporadas seguintes!! Acompanho de perto e fico indignada com essas situações, precisamos de um movimento maior com a participação de todos: atletas, dirigentes, clubes!!! Boa sorte!!!! #foracbv #foraredeglobo

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo