Colunista convidado: Ezinho, ponta do Volta Redonda



Eu, Wesley da Silva Ribeiro – mais conhecido com Ezinho –, vou contar um pouco da minha história pelas quadras de vôlei deste país. Tive a honra e o prazer de passar toda a minha carreira atuando por clubes brasileiros e disputei o que é considerado, atualmente, o melhor campeonato do mundo – a Superliga – por 16 vezes. E, além dos quatro títulos conquistados, como atleta do Minas, acabei me tornando o maior pontuador de sua história, com 3728 pontos, segundo dados da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

Quando fui inscrito pela primeira vez na Superliga, ainda fazia parte das categorias de base do Suzano, na temporada 1996/1997. Ainda muito jovem, não tive a oportunidade de permanecer no grupo que disputara a competição. Um grupo muito forte por sinal, que contava com nada mais nada menos que Olikhver, Marcelinho, Giovane, Max, Pinha e companhia. Entretanto, atuei durante o Campeonato Paulista, pois os grandes atletas deste time foram defender a Seleção.

Em seguida, tive uma breve passagem por Maringá e meu objetivo era disputar o mundial juvenil e depois encerrar a carreira. Eu achava, naquela época, que não teria condições de jogar uma Superliga, pois considerava o campeonato muito forte. No entanto – e graças a Deus –, recebi uma ligação do técnico do Minas, o Cebola, que me convidou para compor o elenco do Minas na edição 1998/1999 da competição. Pensei comigo, já que entraria de férias das categorias de base e da Seleção Brasileira, vou aceitar o convite para não ficar parado e, após a metade do ano, vou para o mundial juvenil, na Tailândia, com a Seleção.

Cheguei em Belo Horizonte-MG com André Nascimento, Douglas Cordeiro e Vinícius. O Cebola tinha feito um pacote de ajuda de custos para nos trazer e passamos a morar em uma república. A partir daí, comecei a ter uma conduta mais profissional e entrega total ao vôlei. Conseguimos nos destacar naquela temporada. O Minas havia conseguido um bom patrocínio (Telemig Celular) e trouxe o meio-de-rede Brian Ivie, mas não foi o suficiente para conquistarmos a classificação.

Porém, a temporada seguinte (1999/2000) mudaria a minha vida. A equipe ganhou grandes reforços, como Carlão, Giba, Maurício e André Heller, que se misturaram aos ainda jovens André Nascimento, Rafinha, Henrique, Douglas Cordeiro, Serginho e a mim para conquistar o título da Superliga, o primeiro da minha carreira.

O time continuou soberano e, nas duas temporadas posteriores (2000/2001 e 2001/2002) foi campeão novamente. Não fazia a menor ideia de como isso repercutiria e foi aí que consegui minha primeira convocação para a Seleção Brasileira principal, que já contava com Bernardinho no comando.

Fiquei muito feliz, obviamente. Sem falar que naquela Superliga, a do tricampeonato, tive a oportunidade de marcar, de ace, o último ponto do último jogo da final, além de ter recebido o Troféu VivaVôlei, como melhor jogador da partida. Aquela temporada foi um presente de Deus em minha vida e coroou belo trabalho do Minas naqueles anos, que me levou a vestir a amarelinha.

Voltei ao Suzano na temporada 2003/2004, mas retornei ao Minas em 2004/2005, quando fomos vice-campeões da Superliga. Tive uma passagem pelo Unisul entre 2005 e 2006, mas retornei ao Minas outra vez. E o tetracampeonato veio na Superliga 2006/2007. Muito merecido também.

Lembro-me que o Samuel Fuchs estava em uma fase excelente, mas passou por uma grande dificuldade na véspera da final da competição. Ele, infelizmente, havia acabado de perder seu irmão e teve de se superar para, com muita garra, jogar a partida e nos ajudar conquistar o título daquela edição. A equipe dedicou aquela vitória a ele, uma homenagem pequena, mas simbólica, perto do ele que estava passando.

Continuei no Minas por mais duas temporadas e, em ambas, tivemos a oportunidade de jogar a final. Em seguida, joguei por Montes Claros. Tudo muito novo, com um projeto ainda inicial. Enfrentamos muitas dificuldades, sem ginásio para treinar, sem estrutura ideal. Contudo, conquistamos um Campeonato Mineiro e uma Copa do Brasil e as coisas também passaram a melhorar. Também foi um momento marcante na minha carreira. A torcida, maravilhosa, lotava o ginásio. Mais de 9 mil pessoas todo o jogo, praticamente. Sem falar que conseguimos um feito histórico para a cidade, quando fomos à final da Superliga para enfrentar a toda poderosa Cimed/Florianópolis e ficamos com o segundo lugar. Depois disso, tive uma passagem pelo Volta Redonda e fui campeão carioca, em 2010, mas voltei ao Minas para disputar a Superliga 2010/2011.

Retornei ao Volta Redonda na temporada 2011/2012 e permaneci para a atual temporada, onde tivemos um desempenho excelente. Ficamos entre as oito melhores equipes do Brasil e demos muito trabalho ao Sada/Cruzeiro, atual campeão da competição, nas quartas-de-final. Estou muito feliz de ter conquistado mais este feito em minha carreira e agradeço muito a Deus por ter me proporcionado tantas coisas boas no esporte. Disciplina, educação, amizades, etc. Sou grato também à minha família, que amo tanto, e a todos que fizeram parte dessa minha história no vôlei brasileiro, sobretudo ao Volta Redonda, que me acolheu com muito carinho e também me oportuniza vivenciar tantas coisas bacanas.

Grande abraço e obrigado!

Abaixo, os demais textos já publicados na seção.

Jurquin – Medley/Campinas; William – Sada/Cruzeiro; Andreia – Pinheiros; Quiroga – Vivo/Minas; Bruninho – RJX

http://blogs.lancenet.com.br/volei/2012/12/05/colunista-convidado-jurquin-cubano-do-medleycampinas/

http://blogs.lancenet.com.br/volei/2012/12/17/colunista-convidado-o-levantador-william-do-sadacruzeiro/

http://blogs.lancenet.com.br/volei/2013/02/05/colunista-convidado-a-atacante-andreia-do-pinheiros/

http://blogs.lancenet.com.br/volei/2013/02/06/colunista-convidado-quiroga-do-vivominas/

http://blogs.lancenet.com.br/volei/2013/02/22/colunista-convidado-bruninho-levantador-do-rjx/



  • roberto

    belo texto,mas falar que a superliga é o melhor campeonato do mundo aí o ezinho forçou a barra!

  • William Arjona

    Tive o prazer de começar a jogar com o Ezinho
    E hj tenho o prazer e admiração em ve lo em quadra.
    Poucos conquistaram o que ele conquistou e merece demais
    O respeito e o status de ídolo do esporte. Abraço grande
    Que Deus te abençoe meu amigo e parabens pela carreira vitoriosa.

    William Arjona

  • Peri

    Putz! Me emocionei. E olhe que nem sou disso. Ezinho joga demais e foi um prazer imenso ver seu time jogando com muita raça para superar o Cruzeiro. Infelizmente não deu, mas deu gosto de ver. Sorte pra você, Ezinho, em qualquer lugar que jogue, e pro time na próxima temporada.

  • daniel

    Parabéns pela carreira vitoriosa.

  • wesley ribeiro

    obrigado pelas palavras willian,ainda mais vindo de vc que e um craque do voleibol brasileiro,te admiro tb dentro e fora das quadras um abração e boa sorte nessa reta final que DEUS te abençoe.

  • Emanuella

    MUito legal. Parabéns Ezinho. Ele esta na história da superliga e é muito bom ver a retrospectiva dele.
    Como sou torcedora da Cimed o Minas faz parte da história do time. lembro tão bem da final de 2006/07. o jogo da final aqui em Floripa estava lá. Bons tempos das finais em playoff. Os Duelos Cimed/Minas eram maravilhosos.
    Sorte Ezinho, onde vai jogar o ano que vem será??

  • ana maria

    Sou torcedora do Minas e portanto admiradora do Ezinho e de todos que fazem e fizeram a história desse clube. Que orgulho desses atletas todos.

  • Maria Cecilia

    Sou fãnzona de Wesley Ribeiro,tenho orgulho desse moço por tudo que faz dentro e fora das quadras,exemplo de superação pra mim,te amo!!!

  • alex jump

    conheço o ezinho desde pequeno! acompanho seu trablho desde novo! sinto muito orgulho de fazer parte da historia dele no volei! te desejo td de bom meu amigo! abraço.

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo