Colunista convidado – Bruno Zanuto: “A decisão mais difícil”



Em mais um texto da seção colunista convidado, Bruno Zanuto escreve sobre a decisão de “virar” italiano e tentar uma chance na Azzurra.

Olá a todos!

Em janeiro de 2012 tomei uma decisão que mudaria o rumo da minha carreira e me abriria novas possibilidades.

Paulistano, descendente de italianos por parte de pai e de mãe, estava há alguns anos aguardando a concretização do reconhecimento da minha cidadania Italiana. Já havia jogado em alguns campeonatos no exterior, como o Francês e o Polonês, mas o Italiano havia me conquistado.

A identificação com a cultura e com o país, junto com todas as lembranças do campeonato, mantinham vivo um desejo de retornar. Ensaiei durante alguns anos esse retorno, mas não era uma decisão simples. Envolvia a minha família, esposa e filhos. Até que, no início de 2012, depois de varar a noite com um grande amigo relembrando os tempos vividos na Itália, tive a necessidade de acordar a minha esposa às 4 horas da manhã para uma conversa: o objetivo era inverter a rota da nossa viagem, já que estávamos bem estabelecidos no Brasil.

Coincidência, ou não, meu processo de cidadania ficou pronto poucos dias após o último jogo da minha equipe na Superliga. Não tive dúvidas: tinha de embarcar logo para finalizá-lo na Itália. Com toda a documentação pronta, decidi esperar uma oportunidade no campeonato italiano. Havia possibilidades, mas nenhuma oferta concreta. Estava começando um período de crise na Europa, e todas as equipes do Brasil já estavam formadas. Foi uma fase difícil, de incertezas, de medo e de fé.

Enfatizo esse ponto da espera e da expectativa porque sei como isso mexe com todo jogador, ou pelo menos, com a grande maioria. Muitas vezes é difícil tomar certas decisões, e deixar coisas que temos como “seguras” em segundo plano, pela incerteza do que nos espera mais à frente. Sabia que não poderia errar nesta decisão, mas um sentimento de que tudo daria certo me acompanhava.

Aceitei uma proposta da equipe de Ravenna. Então eu e minha família embarcamos com a intenção de vivermos não somente uma breve experiência, mas de nos estabelecermos por aqui ou, se fosse o caso, de analisarmos novas possibilidades. Mas o objetivo era morar no exterior, e a princípio, na Itália.

Em abril de 2013, solicitei à FIVB a minha troca de federação de origem, me vinculando à Federazione Italiana di Pallavolo (Federação Italiana de Vôlei). Uma decisão embasada em uma opção e em um direito meu que, claramente, me trariam coisas novas e me tirariam outras. Hoje sou um jogador Italiano, e a maior joia que encontrei foi poder viver novas expectativas dentro de novas realidades.

Claro que a saudade do Brasil é grande. A família e os amigos que estão do outro lado do oceano fazem muita falta. Retornar em definitivo ao Brasil ainda é um plano em aberto, distante, mas ainda em aberto. Acredito que, principalmente tratando-se de voleibol, nós, como jogadores, podemos ter intenções e tomar decisões. Mas nunca saberemos ao certo para onde o vento vai soprar…

Um enorme abraço

Ciao

Bruno Zanuto



  • Fernando Adilio

    É uma pena…

    Mas não tem bola para ser um selecionável… Nem na Itália.

    • Paulo

      Eu acho que as chances dele são menores na Itália exatamente por ser naturalizado, nem o Juantorena conseguiu, no Brasil é mais fácil, até Thiago Alves é considerado selecionável.

  • Delicia este Bruno Zanuto ! Se quiser pode fazer parte da seleção aqui em casa.

  • giorgio

    Boa tarde Daniel t bem!!!

    Sabe me dizer se o Sulamericano será transmitido?

    Obrigado

    • Afonso RJ

      Os jogos estão sendo transmitidos pela web em:

      http://voleysur.org/v1/transmissao.asp

      Hoje tem as duas semifinais às 17 e 19 hs, e amanhã a disputa de 3o lugar às 18 hs e a final às 18 hs vai ser transmitida peolo SporTV.

      • Afonso RJ

        Correção: a final é às 21hs

  • Ricardo Monera

    Um jogador fantástico, decisivo, vibrante.
    Uma pena o Bernardinho não o incluir em sua “panelinha”.
    Boa sorte na seleção italiana Zanuto.

    • rubens

      Seleção italiana?ele nao será convocado!!
      Osmany Juantorena que é considerado um dos melhores ponteiros do mundo naturalizou italiano e nunca foi convocado.O time do Zanuto esta em penultimo lugar do campeonato,ele nao tem mais bola que Zaytsev(q joga de ponteiro quando vettori joga d oposto) kovar,parodi,lanza,savani… todos da seleção

  • Paulo

    Daniel, seria interessante uma coluna dessa com a Danielle Scott, tantas olimpíadas e participações na Superliga por equipes diferentes, deve ser a estrangeira com mais jogos pelo nosso campeonato, talvez fique atrás só da levantadora Kátia, mas essa tem nacionalidade brasileira.

  • Lia

    Não sei como funciona a convocação da seleção italiana de volei, mas tenho certeza que deve ser bem diferente do que aqui no Brasil. Dizer que o time do Zanuto está entre os últimos no campeonato não diz nada pois o Bernardinho convoca atletas que ficam no banco o campeonato todo. Tem outros atletas naturalizados que jogam melhor? Não sei mas precisa ver se ele quer jogar em uma seleção de outro pais e se pode jogar. Acho que ele tem bola sim para seleção, e se tiver oportunidade deve sim jogar por outra seleção, é o sonho de todo atleta se não foi reconhecido aqui que seja em outro país.Boa sorte pra você Zanuto!!!!!!!!

  • Pingback: Colunista convidado – Marcelinho: “Queremos o bônus” | Saque - um blog de vôlei()

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo