Coluna: Virada (de ano) à mineira



O vôlei brasileiro entrou em recesso neste fim de semana. A Superliga, em suas versões masculina e feminina, para até a primeira semana de janeiro. E até lá ninguém vai tirar de Minas Gerais o domínio nas quadras nacionais.

Os únicos dois times invictos na Superliga Cimed feminina são mineiros: o Dentil/Praia Clube e o Minas. Coincidentemente os dois representantes do país no último Campeonato Mundial.

A liderança é do atual campeão nacional Praia. Oito vitórias em oito jogos, 23 pontos, com apenas dois sets perdidos até aqui. Uma campanha impecável para a equipe de Uberlândia, digna de quem passou a investir ainda mais depois do inédito título da temporada 2017/2018.

E não dá para dizer que o melhor Praia já foi visto. O entrosamento da levantadora americana Carli Lloyd dá sinais de melhoria, mas ainda não é o ideal. A capitã Fabiana foi poupada das últimas rodadas de 2018 por um problema no joelho. Paulo Coco tem bem mais para tirar de um elenco muito experiente e qualificado.

Na sequência aparece o Minas. Vice-campeão mundial na China, semanas atrás, o time de Belo Horizonte soma 20 pontos, mas com um jogo a menos em relação ao arquirrival. Sete vitórias, 21 sets vencidos e quatro perdidos. Para quem busca encerrar um jejum na Superliga de mais de 15 anos, a campanha empolga o fanático torcedor.

A vibração de Gabi (FIVB Divulgação)

Na noite de sexta-feira, na vitória sobre o Sesc por 3 a 2, Natália deu susto. A ponta, ao lado de Gabi o maior reforço do Minas para a temporada, sentiu dores no joelho. Entrou e saiu da partida para se tratar e fez questão de acalmar torcedores e familiares, dizendo acreditar não se tratar de nada mais grave. Para quem ficou mais de meio ano se tratando de um outro problema no joelho, é bom que não seja mesmo.

Definitivamente Praia e Minas são os times a serem batidos no vôlei feminino nacional. O campeoníssimo Sesc ainda patina, sentindo a ausência de Drussyla e ainda acompanhando a recuperação/adaptação da russa Kosheleva. O tradicional Osasco/Audax ainda não se encontrou e está longe de ser o temido time de outros épocas.

Já na Superliga masculina, dominada neste década por outro mineiro, o Sada/Cruzeiro teve a chance de virar o turno na liderança, mas perdeu para o Sesi na noite deste sábado, ficando um ponto atrás do Sesc. Não é pouco, visto que o time muito bem dirigido pelo argentino Marcelo Mendez há quase uma década enfrentou a maior reformulação do projeto com as saídas de Leal, Simon e Uriarte. O técnico pediu paciência ao torcedor, viu a equipe ser eliminada precocemente no Mundial da Polônia e prometeu, dois meses atrás, melhores atuações em dezembro. Foram nove vitórias seguidas na competição nacional até o revés de ontem e a sensação de que há espaço para crescer.

Para os rivais de Dentil/Praia Clube, Minas e Sada/Cruzeiro, resta pedir para o Papai Noel como presente mais chances em 2019.

PS: Um excelente Natal a todos vocês! Que o clima de solidariedade e esperança desta época do ano possa ser mais permanente.



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo