Coluna: Um verdadeiro pré-olímpico nas areias



Coluna Saque deste domingo 28 de junho, é sobre o Mundial de vôlei de praia.

Começou neste fim de semana o Campeonato Mundial de vôlei de praia, na Holanda. Um verdadeiro teste pré-olímpico, a pouco mais de um ano do início da Rio-2016. 96 duplas em ação em quatro sedes (uma delas paradisíaca com as quadras ligadas a um navio ancorado na praia), uma premiação total de US$ 1 milhão e importantíssimos 1000 pontos no ranking da FIVB para as parcerias campeãs, que serve como um dos critérios de classificação para a Olimpíada.

Para o Brasil conseguir sua ambiciosa meta de terminar no top 10 dos próximos Jogos no quadro geral de medalhas, o vôlei de praia precisará fazer sua parte. E o COB sabe muito bem disso. No Rio, serão quatro duplas em ação (duas masculinas e duas femininas) e, em tese, com a possibilidade reais de obter quatro pódios, algo que o país nunca conseguiu em uma edição (recorde foram três em Sydney-2000). Na Holanda, oito parcerias estão em ação. Vale lembrar que a CBV definiu que a melhor dupla de cada naipe no ranking garantirá vaga no Rio-2016, com outras duas sendo indicadas pela entidade.

Entre as mulheres, Talita e Larissa estão em todas as listas de favoritas para o Mundial e para a Olimpíada. Em 2014, ano da estreia da dupla, conquistaram quatro de seis etapas do Circuito Mundial e faturaram o Circuito Nacional. Bola elas têm e já mostraram. Talvez o mais difícil agora seja lidar com o peso do favoritismo. Juliana/Maria Elisa (que estrearam com uma incrível vitória por 21 a 0 em um dos sets ontem), Agatha/Barbara Seixas e Taiana/Fernanda Berti são as outras representantes nacionais.

Entre os homens, impossível não citar Ricardo e Emanuel. Títulos olímpicos, mundiais e nacionais no currículo, experiência de sobra (40 e 42 anos, respectivamente) e o peso de serem uma das maiores duplas de todos os tempos. São respeitados como poucos, mas possuem um desafio extra pela idade. Os últimos resultados mostram que este é o mais difícil ciclo olímpico que já enfrentaram. Estão na briga ainda Alison/Bruno Schmidt, os jovens Álvaro/Vitor Felipe e Pedro Solberg/Evandro, dupla recém-formada e que vem de título no Circuito Mundial.



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo