Coluna: Um verdadeiro pré-olímpico nas areias



Coluna Saque deste domingo 28 de junho, é sobre o Mundial de vôlei de praia.

Começou neste fim de semana o Campeonato Mundial de vôlei de praia, na Holanda. Um verdadeiro teste pré-olímpico, a pouco mais de um ano do início da Rio-2016. 96 duplas em ação em quatro sedes (uma delas paradisíaca com as quadras ligadas a um navio ancorado na praia), uma premiação total de US$ 1 milhão e importantíssimos 1000 pontos no ranking da FIVB para as parcerias campeãs, que serve como um dos critérios de classificação para a Olimpíada.

Para o Brasil conseguir sua ambiciosa meta de terminar no top 10 dos próximos Jogos no quadro geral de medalhas, o vôlei de praia precisará fazer sua parte. E o COB sabe muito bem disso. No Rio, serão quatro duplas em ação (duas masculinas e duas femininas) e, em tese, com a possibilidade reais de obter quatro pódios, algo que o país nunca conseguiu em uma edição (recorde foram três em Sydney-2000). Na Holanda, oito parcerias estão em ação. Vale lembrar que a CBV definiu que a melhor dupla de cada naipe no ranking garantirá vaga no Rio-2016, com outras duas sendo indicadas pela entidade.

Entre as mulheres, Talita e Larissa estão em todas as listas de favoritas para o Mundial e para a Olimpíada. Em 2014, ano da estreia da dupla, conquistaram quatro de seis etapas do Circuito Mundial e faturaram o Circuito Nacional. Bola elas têm e já mostraram. Talvez o mais difícil agora seja lidar com o peso do favoritismo. Juliana/Maria Elisa (que estrearam com uma incrível vitória por 21 a 0 em um dos sets ontem), Agatha/Barbara Seixas e Taiana/Fernanda Berti são as outras representantes nacionais.

Entre os homens, impossível não citar Ricardo e Emanuel. Títulos olímpicos, mundiais e nacionais no currículo, experiência de sobra (40 e 42 anos, respectivamente) e o peso de serem uma das maiores duplas de todos os tempos. São respeitados como poucos, mas possuem um desafio extra pela idade. Os últimos resultados mostram que este é o mais difícil ciclo olímpico que já enfrentaram. Estão na briga ainda Alison/Bruno Schmidt, os jovens Álvaro/Vitor Felipe e Pedro Solberg/Evandro, dupla recém-formada e que vem de título no Circuito Mundial.



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo