Coluna: Um dia o brasileiro valorizará o vice?



O segundo colocado nada mais é do que o primeiro dos perdedores.

A frase acima, com pequenas variações sem mudar o sentido, é atribuída ao piloto argentino Juan Manuel Fangio, pentacampeão mundial de Fórmula 1, e foi repetida algumas vezes por dois gênios brasileiros do automobilismo: Ayrton Senna e Nelson Piquet.

Contemporâneos e rivais nas pistas, eles conquistaram três títulos mundiais cada levando a tal lógica muito a sério. Graças aos dois o Brasil mudou de patamar na história da F-1. Graças aos dois, também, Rubens Barrichello e Felipe Massa conviveram (e ainda convivem) com piada, memes e desdém por terem sido “apenas” vice-campeões na mesma categoria anos depois.

O exemplo da Fórmula 1 me ajuda a trazer a discussão para o vôlei. Brasil e Itália são os atuais vice-campeões mundiais masculino e feminino de vôlei, respectivamente. Por aqui, a derrota para a Polônia na decisão por 3 sets a 0 fez o time de Renan Dal Zotto voltar para casa sem festa, com gosto amargo e com muitas cobranças. Aquela nítida sensação de que o resultado não foi bom, com as redes sociais, em sua maioria, bombando com críticas e pedidos por mudanças drásticas.

Já o vice-campeonato mundial feminino da Itália após derrota para a Sérvia, por outro lado, teve um desfecho muito diferente. Já na chegada do time após a competição no Japão, centenas de torcedores fizeram uma linda recepção no Aeroporto de Malpensa, em Milão. Dias depois, o time foi recebido, em Roma, por Sergio Mattarella, Presidente da República, com um discurso de orgulho nacional pelo resultado obtido.

Recepção italiana na volta do Mundial (Divulgação Fipav)

E aí volto ao questionamento do título desta coluna. Será que um dia veremos por aqui a valorização do segundo colocado?

Eu gostaria de ser otimista e dizer sim. Mas infelizmente voto constrangido no não. O Brasil está longe de ser uma potência esportiva, não existe uma política nacional para descoberta e lapidação de talentos e o alto rendimento desperta para uma realidade bem diferente daquela dita por cartolas antes da Rio-2016. Isso deveria valorizar ainda mais os bons resultados, seja ele ser campeão ou vice em uma grande competição.

O vôlei, para piorar, acostumou mal a torcida e o público em geral ao frequentar o primeiro lugar do pódio em todas as grandes competições nos últimos 15 anos. Desta forma nos habituamos a tratar vices ou medalhistas de bronze como “amarelões”. Injusto demais no meu modo de ver e analisar o esporte.

LEIA TAMBÉM

+ Os escolhidos do COB para eleição do melhor do vôlei em 2018



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo