Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



O fã do vôlei brasileiro, independentemente de torcer mais por um time ou por outro, saberá daqui a 20, 30 anos o que estava fazendo na manhã do dia 8 de dezembro de 2018.

Mais precisamente durante o segundo set da partida entre Minas e Eczacibasi (TUR), pela semifinal do Campeonato Mundial feminino de clubes. Ele nunca irá esquecer a virada do time brasileiro, após estar perdendo a parcial por 24 a 19, além de já ter um set atrás no placar.

Uma reviravolta desta é raríssima na modalidade, ainda mais levando em consideração a qualidade que o Minas enfrentava. O Eczacibasi, com a sérvia Boskovic, a americana Larson,a coreana Kim, uma verdadeira seleção mundial. Para nós, brasileiros, um placar de tristes lembranças desde 2004, quando a Seleção feminina vencia a Rússia pelo mesmo placar, precisando de apenas mais uma bola para se garantir na decisão da Olimpíada de Atenas. Uma virada dolorida, com feridas cicatrizadas apenas quatro anos depois, com o ouro em Pequim-2008.

A lembrança de 14 anos serve para entender o quanto uma virada deste quilate marca a alma dos envolvidos. Para o Minas, foram sete pontos seguidos para fechar o segundo em 26 a 24. Uma atuação de gala em todos os fundamentos: ataque, defesa, bloqueio, saque, levantamento. Para evitar qualquer injustiça é difícil até citar um ou outro destaque individual.

A vibração de Gabi (FIVB Divulgação)

Dali em diante a equipe comandada com muita competência pelo italiano Stefano Lavarini acreditou mais do que nunca ser possível vencer o Eczacibasi. A ponto de ter aplicado um sacode no terceiro set: 25 a 13. Um placar anormal para uma semifinal de Mundial neste nível.

Recordo-me de uma imagem da transmissão do SporTV para resumir o que se passou em quadra, em Shaoxing, na China, durante a virada. A levantadora Macris com um sorriso no canto dos lábios. O jogo estava longe de terminar, mas o sensação deveria ser incontrolável. “Estamos jogando demais e fazendo história”, ela deveria estar pensando.

E realmente o Minas fez história com a reviravolta, o triunfo no tie-break e a classificação para a decisão. Neste domingo, a tarefa é ainda maior: desbancar o atual campeão Vakifbank, também da Turquia, com outra seleção internacional: a chinesa Ting Zhu, a holandesa Sloetjes, a sérvia Rasic e a americana Robinson.

A diferença é que o Minas já percebeu ser possível tirar forças sei lá de onde para se transformar no melhor time do mundo em 2018.

LEIA TAMBÉM

+ Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo