Coluna: Ter ou não estrangeiros na Seleção?



Coluna Saque publicada neste domingo, 15 de novembro, no LANCE!.

Caros leitores, vocês já têm a resposta para a pergunta que fiz no título da coluna? Ainda não? Então deixe eu facilitar o seu raciocínio, mudando a questão. Você gostaria de ver o cubano Leal na Seleção de vôlei?

Tenho absoluta certeza de que consegui fazer o SIM superar o NÃO na apuração dos resultados. Sei que responder SIM na primeira pergunta é bem mais difícil para muita gente. Por ser genérica, envolve um patriotismo que muitas vezes fica escondido em algum canto escuro do ser humano. Ele prefere xingar o adversário enquanto o Hino Nacional é tocado, reclama do país de origem e vê sempre o vizinho melhor… Mas vai sugerir para ele aceitar um argentino vestindo a Amarelinha na Seleção de futebol… O patriotismo aflora!

Leal é o grande destaque do campeão mundial Sada (Divulgação)

Leal é o grande destaque do campeão mundial Sada (Divulgação)

Porém, ao dar nome ao gringo que está prestes a ganhar a cidadania brasileira e assim poder fazer a diferença para a “pátria amada Brasil”, as barreiras que serviam como desculpa caem. E fica bem mais fácil trocar o NÃO pelo SIM. Também escondido em algum lugar escuro de cada ser humano existe uma posição ainda mais cruel. O estrangeiro vira brasileiro com títulos. Mas, se perder, volta a ser aquele “maldito gringo”. Imagino como deve ser doloroso estar nesta posição. Cresci vendo o Fernando Meligeni jogar e ouvindo piadinhas ao vê-lo perder um jogo. Era o argentino em quadra. Mas, ao estar perto de disputar a final de Roland Garros ou a decisão do ouro olímpico, o hermano era o mais brasileiro dos brasileiros.

E tal pensamento cruel ajuda a entender a aprovação quase unânime para que Leal tenha a cidadania, vire brasileiro e possa defender a Seleção. O time de Bernardinho convive com entressafra/problema na posição do cubano. E ele poderia fazer muita diferença hoje. Mas será que você diria SIM se a pergunta fosse feita anos atrás, com Nalbert, Giovane, Giba, Murilo, entre outros, jogando em altíssimo nível?



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo