Coluna: Retrospectiva de A a Z do vôlei em 2018



A última coluna do ano. Um momento para passar a limpo 2018 no vôlei, com seus fatos e personagens marcantes. Deu trabalho fazê-lo em ordem alfabética, mas vamos lá!

Argentina – acertou em cheio ao contratar Marcelo Mendez para a seleção masculina

Base – uma preocupação cada vez maior no vôlei brasileiro. Sinal de alerta ligado!

Cruzeiro – manteve a hegemonia na Superliga e enfrenta a maior reformulação do projeto em 10 anos

Douglas Souza – fez um Mundial acima da média para mudar de patamar no cenário internacional

Egonu – um fenômeno, com capacidade para ser a número 1 do mundo por algum tempo

A fora de série Egonu (FIVB Divulgação)

Fabi – se despediu na final da Superliga eternizada como a melhor líbero de todos os tempos

Giba – como representante dos Atletas na FIVB, tem a chance de buscar uma adequação entre o calendário possível e o ideal

Heynen – o belga foi bronze com a Alemanha no Mundial masculino de 2014 e campeão com a Polônia em 2018. Não é pouco

Investimento – palavra no topo da lista de desejos da CBV para um caro ano pré-olímpico nas quadras e praias

José Roberto Guimarães – enfrentou o ano mais difícil (e sem conquistas) desde 2003 na Seleção feminina.

Kurek – o nome da Polônia na final do Mundial contra o Brasil. Justo contra o Brasil!

Lavarini – o técnico italiano foi um golpe de mestre do Minas. Presença dele faz bem ao vôlei brasileiro

Minas – virada no segundo set da semi do Mundial contra o Eczacibasi nunca mais será esquecida

Natália – sofreu com o joelho, mas deu sinais de renascimento na reta final da temporada

Ofelia Malinov – com apenas 22 anos, a levantadora é peça-chave na Azzurra com tremendo potencial

Polônia – a renovação deu frutos, a mescla com experientes funcionou e o resultado foi o bi mundial

Q – prometo me esforçar bastante para encontrar algo útil no alfabeto para 2019

Rússia – na Liga das Nações masculina, atropelou Brasil e França nas finais com surgimento de novos nomes

Sérvia – o título mundial feminino premia uma geração talentosa e agora também vitoriosa

Tecnologia – é cara, eu sei. Mas o challenge precisava estar presente em mais jogos da Superliga

Uberlândia – o projeto do Dentil/Praia Clube venceu a primeira Superliga com méritos

Fernanda Garay em título do Praia (Divulgação CBV)

Vakifbank – uma tradução de conquistas e mais conquistas internacionais

Web Vôlei – a minha melhor notícia no fim de um ano de mudanças profissionais para mim.

X – em romano, dez. O número da camisa de Ognjenovic, que voltou à Sérvia para fazer a diferença

Yoandy Leal – conta os dias para poder estrear pela Seleção Brasileira. Parece estar com fome de bola

Zhu – Essa era a mais óbvia. Como joga a chinesa! Para encerrar essa lista com chave de ouro



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo