Coluna: Quem mais aposta em equilíbrio no playoff?



Coluna Saque publicada neste domingo, 12 de março, no LANCE!, sobre o playoff de quartas de final da Superliga feminina.

A vitória do Vôlei Nestlé por 3 a 1 sobre o Genter/Bauru, neste sábado, sacramentou a definição dos confrontos das quartas de final da Superliga feminina.  Antes de uma análise de cada duelo, um palpite, que também não deixa de ser uma torcida: aposto em séries bem equilibradas já nas quartas de final, entre as mulheres serão jogadas em melhor de três partidas (no masculino serão cinco). Historicamente o equilíbrio é visto da semifinal em diante. A diferença que aponto desde o início da temporada é a presença de mais times na faixa dos intermediários, que tentam se meter entre os grandes. E eles terão agora a chance de provar que a mudança de patamar é possível.

Mari jogará playoff por Bauru (Divulgação)

Mari joga playoff pelo Genter/Bauru. Paula Pequeno defende o Terracap/Brasília (Divulgação)

Rexona-Sesc (1) x Pinheiros (8)
O time carioca, grande bicho-papão do vôlei brasileiro, foi soberano na fase de classificação, com 61 pontos (21 vitórias e uma derrota). Mas no returno, no Rio de Janeiro, precisou de cinco sets para superar o clube paulista, que chegou a estar vencendo por 2 sets a 1.

Vôlei Nestlé (2) x Fluminense (7)
O time de Osasco garantiu a liderança apenas na rodada final, fruto de sua instabilidade principalmente nos jogos como visitante. Já a equipe tricolor, com jogadoras experientes no elenco, precisa se inspirar no que já fez de bom contra o Vôlei Nestlé: derrota apenas no tie-break.

Dentil/Praia Clube (3) x Terracap/Brasília (6)
Após o vice na temporada passada, o Praia manteve as principais peças e contratou Fabiana para ser campeão. Mas ainda está devendo para quem foi montado para ser tentar o caneco pela primeira vez. Brasília fez um primeiro turno melhor do que o segundo. Já provou ter jogo para incomodar os grandes. No confronto direto, cada time venceu um jogo na Superliga.

Camponesa/Minas (4) x Genter/Bauru (5)
Estar entre os semifinalistas era o mínimo que os dois times projetavam na montagem dos elencos. Campeãs olímpicas dos dois lados, estrangeiras renomadas e jovens promissoras. Mas um ficará pelo caminho antes da meta. Até aqui, 1 a 1 na Superliga, com o mandante levando a melhor no duelo.



MaisRecentes

Audiências da Liga e do GP agradam



Continue Lendo

Brasil garantido nas finais do Grand Prix



Continue Lendo

Brasil faz dever de casa pela classificação



Continue Lendo