Coluna: Quanta diferença na Seleção um ano depois



Minha coluna deste domingo, 13/11, no LANCE!, sobre o momento da Seleção feminina.

Em novembro de 2010, no mesmo Japão, a Seleção Brasileira feminina venceu a Itália por 3 a 0, com um impiedoso placar de 25 a 7 no terceiro set, pelo Campeonato Mundial. Em quadra, como titulares, Fabíola, Sheilla, Fabiana, Thaisa e Fabi, numa das atuações mais perfeitas de um time contra um rival de nível parecido que já vi. Neste sábado, as cinco jogadoras também foram titulares e o Brasil, que segue irreconhecível na Copa do Mundo, perdeu para a Azzurra (com quatro remanescentes daquela surra no time titular) por 3 a 0, sendo dominado do início ao fim do confronto e colocando em risco a conquista da vaga olímpica nesta competição.

Impressiona como basicamente o mesmo time do ano passado não consegue mais jogar bem. Em 2010, o restante do time-base era formado por Natália e Jaqueline, que, lesionadas, estão fora da Copa. Atualmente, Paula Pequeno e Mari são as titulares. Era para ter tamanha diferença? Definitivamente, não.

Já escrevi neste espaço no Diário, na semana passada, e desde o início da competição neste blog sobre a gritante irregularidade brasileira. O time não falha em um fundamento hoje, outro amanhã e um terceiro depois de amanhã. Consegue ser irregular em quase todos e ao mesmo tempo. O semblante das jogadoras também continua carregado e não transmite para quem vê, mesmo que de longe, confiança.

José Roberto Guimarães e sua comissão técnica precisarão refletir muito, na volta ao país, sobre os problemas (técnicos, táticos e emocionais) mostrados nesta campanha, a pior que já vi esta vitoriosa e talentosa geração fazer. Escrevi antes e repito: não acredito que este grupo tenha desaprendido a jogar. Mas, hoje, ele não joga como TIME. Precisa admitir seus erros e ser um GRUPO, deixando para trás vaidades e conflitos do passado.

Apenas assim vai poder sonhar com o bicampeonato olímpico.



  • Camilla

    Daniel, como o Brasil vai voltar a jogar como um TIME, se as nossas melhores e talentosas atacantes estão brigadas, não há como substituir uma Mari ou uma Sheilla. É mais fácil perde-las, e assim o Brasil perde. Mari precisa rescinde o contrato com o Rio, jogar em outro time o volei que sabemos que vale ouro! E quando ela voltar, a seleção vai ter que se abrir pra ela e voltar a jogar como um Time!Porque senão difícil será o ouro nas Olimpiadas, vc não concorda?

    • mari diva

      Essa “crise do grupo” é balela. A unica crise q existe dentro do grupo é entre mari e Sheilla, e isso só o tempo resolve. O ideal seria mesmo Mari rescindir o contrato e respirar novos ares. Mas isso não deve acontecer. É manter a calma, que tudo passa. A vaga nas olimpiadas é certa, mesmo que nao seja atraves da copa do mundo. Entao cabe a comissão se preparar melhor, estudar muito e motivar esse grupo que tem plenas condições de brigar pelo bi olimpico.

    • Adriano

      Mari precisa rescindir o contrato? O que uma coisa tem a ver com a outra?

      • Álvaro Médio

        Rescindir o contrato com o Rio de Janeiro (clube) onde as duas também jogam juntas…

        • Adriano

          Ainda assim. O que uma coisa tem a ver com a outra? Acho que tão misturando alhos com bugalhos.

  • Rafael

    De acordo Daniel. Vale lembrar que a diferença do time deste ano com o do ano passado (Mari e Paula) é a dupla de ponteiras q foi titular nas Olimpíadas! A seleção está irreconhecível! E a comissão não deve manter em quadra um time a não está rendendo. O banco está aí pra isso!!! Já a a vaga ta comprometida, q sejam feitos testes com as jogadoras q estão lá!!!

    • Daniela

      Cadê a Natália? Essa Mari não está jogando nada. Convenhamos.

  • Márlon

    Afinal, um texto sensato. Pois, os que um certo colunista apelativo escreveu não passaram de pura fofoca.
    As meninas realmente estão mais desestabilizadas do que já foram antes e, se as vaidades estão afetando o rendimento do time, que as peças defeituosas sejam consertadas ou substituídas. Não vejo a Mari fora da seleção e tenho medo só de pensar nisso. É ela a que mais sabe se virar com as bolas altas na seleção. As outras, ultimamente, só ficam esperando levantamentos perfeitos e depois, enquanto passam a bola terrivelmente para as levantadoras e sacam idem. Aliás, que saque fuleiro viu. Tá na hora de fazer a Fabiana, a Thaísa e a Sheilla treinarem o saque viagem pesado. Adredito que a volta da Natália, com seu ataque potente e impulsão, e da Jaqueline, com seu ótimo passe, deem uma elevada no nível do time e sejam um dessfogo.
    Eu não sou desses torcedores bobos que são adeptos das comparações, mas a postura de um técnico como o Bernardinho nessas horas faz falta. O Zé não soube ousar. As subatituições eram para ter sido feitas antes e as jogadoras precisam ser contagiadas. Sei que ele tem uma relação de amizade com muitas delas, porém, isso parece estar o impedindo de dar aquela bronca constrangedora quando elas estão errando.
    PRISCILA DAROIT já deveria ter sido convocada e a Tandara poderia permanecer mais tempo nas quadras nas substituições. Nem Priscila e nem Tandara
    tremem em momentos decisivos. Pelo contrário, elas descem o braço. A Fabi, para mim, continua sendo uma grande líbero, mas a Camila tinha que ser mais testada.

    A ITÁLIA SÓ VENCEU O BRASIL PORQUE NÃO JOGAMOS NADA.

    Como o Daniel bem colocou, o Brasil deu uma surra nas italianas com esse mesmo time em 2010. Quem viu o jogo, notou isso. As bolas manjadas da Gioli e Arrighetti não estavam sendo marcadas pelo bloqueio brasileiro.

    • Raimundo

      O cara não entende nada de volei, não sei como um site contrata um cara desses.
      Acho que vai de F Garay e jaque, ou outra jogadora que na ultima SL não vi nenhuma jogadora ou o Ze terá que improvisar.
      Quanto Priscila gosto da jogadora, agora ela joga como oposta não sei como seria ponteira passadora.
      Tandara e Natalia já jogaram como passadora e nã foram bem no passe.

  • Afonso (RJ)

    Daniel: Concordo m quase tudo. Só faria um reparo no último parágrafo: não creio tratar-se de vaidades propriamente, e os conflitos parecem não estarem no passado. Parece sim, estarem bem vivos no presente.

    Dando nome aos bois, o que transpirou é que duas das principais atacantes da seleção, verdadeiros pilares de grande parte das conquistas, terminaram conflituosamente uma relação afetiva ainda no primeiro semestre desse ano, inclusive com o pedido de dispensa da seleção por parte de uma delas do torneio em Chihuahua no México. Pelo que me parece, a comissão técnica apostou numa natural resolução do problema com o passar do tempo, o que até pareceu se concretizar com a conquista do ouro Panamericano em Guadalajara.

    Entretanto, pelo que se vê na atual competição, é que o problema não só permanece, como contagiou outras jogadoras que “tomaram partido” de uma ou outra, rachando o grupo. Sabidamente o volei feminino é bastante emocional (felizmente), e o resultado foi devastador, com a seleção principal fazendo a pior campanha numa competição em anos, senão décadas.

    Ao contrário de muita gente, acho que o Zé não é burro, e as atletas tem maturidade, discernimento e profissionalismo. Acho que o problema será equacionado por todos os envolvidos e uma solução proposta. Mesmo que envolva afastamento de atletas em próximas convocações, como ocorreu com o masculino no caso do Ricardinho.

    E é bom que se note que mesmo com essa performance pífia, a classificação para as olimpíadas ainda no atual torneio não está completamente afastada, tal a qualidade de nossa seleção. Imagine então o que poderíamos conquistar com essas maravilhosas meninas no ápice vontade e da forma! Que venham a união e a concórdia, e a medalha olímpica será uma real possibilidade. Ainda há tempo para isso.

    • mari diva

      Análise perfeita. O grupo sentiu sim, só não acho q tenham “tomado partido” como vc especulou. Ambas são muito queridas por todo o grupo.

      • Afonso (RJ)

        Você tem razão. Foi especulação da minha parte, se bem que baseado em fatos observáveis. Talvez tenha me expressado mal, mas o que eu quis dizer com “tomar partido” é que possívelmente as simpatias estejam divididas, por questões de amizade pessoal, convívio clubístico, etc… mais como desconforto do que como facções antagônicas. A verdade é que umas mais outras menos, mas parece que todas sentiram e aparentavam estar desconfortáveis com a situação.

    • Iceman

      Caro Afonso, você não deu nome aos bois. Afinal de contas, quem está brigada nesse time?

      • mari diva

        Mari e Sheilla.

      • Afonso (RJ)

        Desculpe, Iceman, mas não me sinto confortável em citar nomes. Por favor leia “colocando o dedo na ferida” ao invés de “dando nome aos bois”. Mas se você ler nas entrelinhas de inúmeros posts e comentários que rolam pela net, logo vai identificar as envolvidas.

      • Ana

        Bah está mt chato ler as colunas sobre o volei feninino ultimamente! “Precisa admitir seus erros e ser um GRUPO, deixando para trás vaidades e conflitos do passado.”
        Quais sao as vaidades, quais sao os conflitos?
        Acho que o torcedor tem o direito de saber…

  • Marcio

    Ninguem desaprende a jogar. É óbvio que tem algo de podre no reino da dinamarca…

  • Léo

    É muito estranho saber que esse time é quase o mesmo que foi CAMPEÃO OLÍMPICO.Está IRRECONHECÍVEL, apenas DUAS PEÇAS mudaram de lá pra cá e mesmo assim parece outro time.

  • Felipph

    O post retrata de forma perfeita a situação da seleção. Reparei que as centrais estão sempre privilegiando saltar nas bolas de 1º tempo… Mas o resultado disso é que as centrais adversárias continuam a marcar e as pontas ficam no block simples, marcando ponto atrás de ponto (aquela jogadora coreana Hwang, de apenas 1,77, passando por todos os blocks foi o ápice da irregularidade do block brasileiro).

    Fabíola e Sheilla errando saque é incabível (até a Thaísa, que tem um saque muito mais arriscado, vem errando menos).
    Concordo com o ZRG de começar as partidas com a Mari, dando-lhe uma certa moral. Assim esperava recuperá-la em algum jogo, fazendo o time melhorar no ataque. Porém, Mari vem fazendo partidas irreconhecíveis… Até me arrisco a dizer que entrando em quadra e sendo tão ineficaz ela só fica ainda mais desmotivada, ainda mais por ser a todo momento substituída.
    As jogadas de meio do Brasil já estão tão manjadas que chega a um momento do jogo que elas começam a ser bloqueadas/amortecidas várias vezes seguidas. Aliás, não vejo uma bola de 2º tempo por trás ou mesmo uma china (pelo menos com a Thaísa) há muito tempo, já nem me lembro mais.

    O ZRG deve começar a escalar o time de forma a tentar recuperá-lo emocionalmente, escolhendo e apostando de vez em uma levantadora. Trocando a todo momento de levantadora, ele pode até ganhar um jogo ou outro, mas lá nas Olimpíadas, que é o que importa, teremos 2 levantadoras que não possuem espírito nem atitude de titular.

    #AlwaysKeepTheFaith

  • Graca

    COPA DO MUNDO DE VOLEI: o torneio mais importante do VOLEI em 2011, com a NATA do voleibol MUNDIAL, um super classico: BRASIL x DONAS DA CASA, JAPAO, JOGACO imperdivel, importantissimo para as pretensoes de AMBAS AS EQUIPES! Quem vai transmitir? PASMEM: NINGUEM!!! No mesmo horario do SUPER-JOGO vc pode se deleitar na GLOBO com: “PEQUENAS EMPRESAS, GRANDES NEGOCIOS”, no SPORTV: GP2, no SPORTV: TROCA DE PASSES… Ainda tinha ridiculo reclamando da RECORD que transmitiu TODAS AS PARTIDAS DO PAN!!! A GLOBO compra os direitos, NAO TRANSMITE VOLEI e NAO DEIXA NINGUEM TRANSMITIR, o unico horario que a GLOBO pode transmitir e’ 4h, de madrugada. Quando o Brasil jogou ‘as 0h contra a ITALIA ou ‘as 7:20h contra o JAPAO, a GLOBO NAO TRANSMITE!!! PARABENS ‘A RECORD pelo COMPROMISSO e o PROFISSIONALISMO, comprou os direitos das OLIMPIADAS e do PAN e transmitiu todos os jogos em HORARIO NOBRE, coisa que a GLOBO NUNCA, JAMAIS faria! Que ENORME saudade da RECORD!!!

    • Graca

      Alem disso os comentarios do bicampeao olimpico MAURICIO LIMA, na RECORD, sao muito mais TECNICOS, INFORMATIVOS, PERTINENTES, COERENTES e sem tietagem ou babacao de ovo, ou chatisse, como os do INTRAGAVEL MARCOS FREITAS!!!

      • Iceman

        Não sei como, mas eu assisti ao jogo BRA X JAP pelo Sportv. Tem alguma coisa errada… concordo com todos quanto à seleção estar jogando pessimamente, mas inventar que o jogo não foi televisionado???? Isso parece aquelas imbecilidades de quem acompanha uma coisa ridícula chamada futebol…

        • Afonso (RJ)

          Caro Iceman. Simplesmente ignore. Eu já cheguei à conclusão que nem vale à pena ler…

  • Mauricio

    deve ser muito frustrante para o grupo a situação atual da equipe, já que a copa do mundo era a principal competição deste ano e toda a prepação estava direcionada para essa conquista e classificação olímpica. frustração deve ser a principal sensação.

    o grande aprendizado é entender os erros e consertá-los. cabe a comissão técnica reelaborar a composição da equipe.

    quem um dia ia imaginar que a sassá seria a salvadora da equipe no ataque? se ela serviu muito bem no jogo contra a china, será que poderia ser utilizada contra a rússia, por exemplo?

    um erro que me chamou a atenção foi a chegada da camila brait na rede, acho que ela estava substituindo a fabiona, no jogo contra a servia (?). como a comissão técnica deixou isso acontecer? a camila brait na rede???????

    sinceramente, foi desatenção do grupo como um todo.

    se há briga interna, ou não, cabe ao técnico resolver – e logo. tentar recuperar o grupo ou remontar a equipe para 2012. boas peças de reposição nós temos, vide o começo da temporada em que tínhamos uma equipe b tão forte quanto essa que está atuando no japão.

  • Graca

    Daniel vc fez a pergunta: Era para ter tamanha diferença? Nao era se cada jogadora cumprisse seu papel tatico na equipe… Em NOVEMBRO/2010: BRA 3×0 ITA com Fabíola, Sheilla, Natália, Jaqueline, Fabiana, Taisa e Fabi. Lo Bianco, Ortolani, Piccinini, Del Core, Gioli, Arrighetti e Cardulo. Novembro/2011:ITA 3×0 BRA com Fabíola, Sheilla, Paula, Mari, Fabiana, Taisa e Fabi. Lo Bianco, Bosetti, Costagrande, Del Core, Gioli, Arrighetti e Croce. Ou seja, a grande diferenca sao as PONTEIRAS. O final do jogo resume bem o que e’ a particpacao da MARI no torneio: bola p/ MARI, ela “amarela” e ataca p/ fora, a ITALIA recupera o saque e qual a instrucao do BARBOLINI?: NAO PRECISA FORCAR O SAQUE! SACA NA MARI! Dito e feito veio um saque BALAO, FACILIMO p/ cima da MARI, e o resultado? A MARI numa tremenda apatia, mais uma vez “amarela” e deixa a bola cair na sua frente, praticamente no seus pes, ACE da ITALIA num saque molezinha p/ cima da MARI e um FIM DE JOGO MAIS QUE DEPRIMENTE com 2 ERROS BOBOS da MARI!!! Aeh esta’ a grande diferenca: a APATIA, falta de comromisso, de vibracao e raca de uma PSEUDO-PONTEIRA-PASSADORA que desde o inicio da COPA DO MUNDO passou ja’ 7 jogos sendo a PIOR EM QUADRA: nao cumpre taticamente seu papel de ponteira-passadora e em vez de ajudar, esta’ atrapalhando e muito o rsto do time: tecnicamente, teticamente e, acima de tudo, psicologicamente! As outras jogadoras nao estao satisfeitas com isso: o gesto da FABIANA de premiar a Sassa’ com o MVP da partida demonstra isso! o Tecnico nao ajuda, Ze’ Roberto teimoso, lento insiste em escalar MARI sempre de titular e por a Sassa’ so’ na fogueira, as vezes quando a maionese ja’ desandou e nao da’ tempo p/ fazer muita coisa! A Tandara tbem pouco tem oportunidade de entrar no jogo! Qualquer uma dessas poderia estar no lugar de ponteira passadora desempenhando um papel melhor que MARI: Sassa’, Tandara, ou as contudidas Jaqueline e Natalia. Enquanto o Brasil regrediu de 2010 p/ ca’, a ITALIA evoluiu: no lugar de PICININI e ORTALANI entraram COSTAGRANDE e BOSETI, foi um grande SALTO DE QUALIDADE: COSTAGRANDE e’ uma ponteira-passadora NATA, excelente no fundo de quadra e uma maquina de fazer pontos na rede, a jovem BOSETI deu sangue novo ‘a selecao, rapidissima, acelera bastante as jogadas, defende como uma leoa e tem um saque que faz estrago na recepcao adversaria, DEL CORE dispensa comentarios e’ o sonho de qualquer levantdora, da’ um passe acucarado na mao da levantadora. Enfim enquanto a ITALIA melhorou e muito na posicao de ponteira o Ze’ vai insistindo com a MARI de titular e deixa Sassa’ e Tandara no banco!

  • Marcello Souza

    Japão 3×0 Brasil.

  • Marcello Souza

    Não fiquemos nos lamentando pela Copa do Mundo, vamos comemorar os titulos do Sulamericano, a Copa Panamericana e os Jogos Panamericanos todos conquistados pelo Brasil de forma maravilhosa e vale lembrar que são campeonatos importantissimos no cenario internacional. A Copa do Mundo a gente tenta denovo em 2019.

    • Felipe Hiego

      Amei sua Ironia!

  • Carlinhos

    Que tristeza ver essa seleção jogar sem brilho algum, sem garra, sem técnica, sem alma. Não adianta colocar culpa em uma ou outra jogadora. Não tem fundo de quadra, não bloqueia, não saca bem, não ataca… A responsabilidade é total da comissão técnica e é bom ela assumir isso, para tentar que esse grupo volte com toda força. Não se enganem. A FIVB está adorando o Brasil desmoronar-se, porque a hegemonia incomodava. Vão fazer de tudo para nos dificultar sempre. Quanto à comissão técnica, a participação no Pan foi inexplicável. As jogadoras estão exaustas, muito tempo sem voltar pra casa. Outro problema foi levar apenas quatro ponteiras, ainda mais com o histórico de contusões na posição. Não precisava de quatro meios de rede, ainda mais se elas não são substituídas. Como sou supersticioso, lembro de 2007, quando fizemos um ano pífio, quando Fofão e Walewska pediram dispensa do GP e a Holanda foi campeã, além de perdemos o Pan em casa. No ano seguinte, ganhamos o Pan e as Olimpíadas de forma incontestável. Espero que todos descansem bastante (a vaga já era), joguem uma boa superliga, consigam a classificação para os Jogos. No ano que vem, espero que ZRG convoque as jogadoras que estiverem jogando melhor no momento e não jogadoras apenas pelo nome (sem esse de experiência internacional que não tem valido de nada). Quem sabe ele não convence Fofão e Walewska a voltarem… Não custa nada tentar. E ainda teve gente que achou que Cuba tinha evoluído. Se o Brasil estiver bem, apenas Rússia e EUA podem fazer frente…

  • Daniel

    Que mico o Brasil na copa do mundo

  • Rodrigo

    E nós que falávamos da Rússia…

  • Afonso (RJ)

    Dei uma olhada na tabela da copa do mundo, e fiz uns cálculos:
    Conquistando uma vitória de 3 pontos sobre o Japão, o Brasil ficaria em 5º, com três jogos fáceis pela frente, e com prováveis 9 pontos a mais. Tirando Itália e USA, que estão praticamente classificadas, ficariam apenas a Alemanha e a China com com possibilidades de nos alcançar. Acontece que cada uma dessas equipes teria jogos duríssimos pela frente, e inclusive jogariam entre si e com as líderes da tabela. As chances do Brasil conseguir um terceiro lugar eram para lá de boas.

    Acontece que o Brasil levou um vareio do Japão por 3 sets a zero, o que acabou inapelavelmente com nossas chances de classificação. Pode até existir alguma remota possibilidade matemática num mirabolante conjunto de resultados, não sei, mas para mim parece impossível. Não deu. A meu ver, chegamos ao fundo do poço.

    Nem vou comentar mais sobre a situação. Já disse o que tinha que dizer em outros posts. Só me resta torcer para que essa fase medonha e deprimente seja superda, seja lá como for. Espero que ainda em tempo para as Olimpíadas.

  • Curioso que a maior parte dos problemas da seleção são de atletas do Bernardinho. E a gente sabe da interferência dele, por meio de jogadoras suas, em 2004.

    O brasil deixou de ter volume de jogo, zero de passe e defesa.
    A Fabiola está operando um milagre a cada jogada.
    Além de receber um tijolo, tem que fritar a cabeça pra quem colocar a bola. Já que ninguém consegue virar nada.

    Muito preciosismo de paralela. Muita meia batida, tirada. O Zé mesmo reclamou da Mari no primeiro tempo técnico no jogo da Italia, pra entrar rasgando, que não começasse a pentear.

    É tenso quando vejo alguém pedindo Fofão e Fernanda 24 a 19 Venturini.
    Chega, já deu.

    A única solução daqui pra frente é trocar jogadoras.
    Fica uma aura de “desrespeito” sacar algumas campeãs olímpicas, mas é também falta de respeito o jogadoras como Mari, Fabi, Fabiana, vem apresentando.
    Podem ser talentosa, etc, mas “valeu pelos serviços prestado”, e é tchau e bença.

    Jogadoras que estiveram na Copa Yeltsin se deram muito bem.
    Priscila Daroit, Natasha podem perfeitamente fazer parte do grupo, inclusive serem titulares.

  • Rodrigo Cavalcante

    Quando o Brasil perdeu o Mundial e o Grand Prix falava-se que foi por causa da ausência de Mari e Paula Pequeno… Será? Acho que a Copa do Mundo respondeu que não né?
    Mari é extremamente ruim no passe e para um time que não dispõe de uma levantadora eficiente, isso faz a diferença!
    Paula faz um joguinho ou outro regular… Mas, definitivamente não tem bola pra ser a titular da seleção… Nunca vi tanto toco… E quando não é toco, as bolas são amortecidas pelas bloqueadoras…
    Espero que Natália e Garay se recuperem e possam ser ainda mais testadas…
    Foi frustrante e decepcionante essa Copa do Mundo pro Brasil… As vésperas de uma Olimpíada o time mostra toda essa instabilidade e consegue fazer um campeonato ridículo…

  • Adriano

    Não adianta fulaninho ficar pedindo jogadora X ou Y. Podem clamar pela Fernanda, Fofão, Walewska. Ou pela Natasha, Priscila, Ivna. São jogadoras de gerações diferentes. O tempo de umas já passou – mesmo que seja por escolha delas mesmas -, o de outras não chegou ainda. Foi uma fatalidade a seleção ter perdido três jogadoras da mesma posição por problemas físicos, mas isso não a exime do fiasco no Japão. As que estavam lá tinham condições de terem se apresentado melhor. Não livro a cara de ninguém. Coletivamente, foi um desastre.

    Em termos de classificação, a seleção feminina regride ao período anterior ao Bernardo na seleção. E com o perde-ganha que está essa Copa, não era um esforço tão grande se classificar. Como o Afonso apontou, matematicamente, mesmo diante de todos os resultados ruins anteriores, bastava o time vencer o Japão e torcer por uma vitória da Alemanha sobre a China, além de presumíveis derrotas de Alemanha pra Itália e China pros EUA. Com essa combinação, que era muito provável, o Brasil subiria ao pódio e garantiria a vaga olímpica.

    A questão não é mudar o grupo de jogadoras, mas a postura. Isso é que estava errado. As apresentações da seleção extrapolam problemas técnicos da equipe. Os resultados escancaram a fragilidade emocional do grupo. É isso.

  • Ana

    Como amante do vôlei eu só posso rir quando vejo alguém dizer que Natália e Jaqueline são a solução para os problemas da seleção. E, mais ainda, fazer uma suposição de diferenças baseado em ponteiras diferentes.

    Depois do primeiro jogo da seleção nessa Copa falei do técnico, do clima no grupo… mais uma vez não me gabando, está tudo aí. Todos vemos.

    Um técnico que não assume a culpa por ter feito uma seleção sem variação, fraca tecnicamente, com conflitos internos… PIOR, ele culpa UMA jogadora pelo fracasso. Se fosse homem, digno, tivesse vergonha na cara diria: “eu tive seis meses para treinar esse time e ele está uma bosta. Assumo a culpa por isso e vamos trabalhar apara melhorar”. NÃO! Ele chora por quem não está no grupo,acha que as outra seleções são mais fortes, reclama de lances isolados…

    Eu disse e reitero, mulher não aceita ser comparada, principalmente com quem não está no grupo. Quem não lembra em 2009 quando perguntaram a Mari se Paula e Jaqueline faziam falta, ela respondeu “VAMOS FALAR DE QUEM ESTÁ NO GRUPO”. É essa a postura que o técnico deveria ter.

    No mais, se para ele o problema todo é a Mari, corta ela ué. Coloca a super comprometida Jaqueline e nosso diamante bruto para jogar em Londres. O OURO É NOSSO, BRASIL, By Paula and Virna.

    • mari diva

      O pior de tudo eh que depois da campanha na copa do mundo, Jaque volta ainda mais “forte”. Agora o Zé nao precisa nem de desculpas para escala-la como titular. Valha-me Deus. Oremos.

      • Torcedor

        Melhor uma Pipoqueira com Passe (Jaqueline )

        Do que uma Pipoqueira sem Passe ( Mari )

        [/FikDik*

  • Ana

    Ah, quando falei também como o fim da relação de Sheilla e Mari estava afetando a seleção disseram: “isso é mentira, nunca existiu”. kkkkkkkkkkkkkk Gente, quem gosta de vôlei fem sabe, bastidores, gosta de bastidores. Não é pura fofoca, a gente simplesmente gosta de acompanhar tudo.

    As duas terminaram, Mari pediu dispensa; as duas nem se olhavam naquela copa que teve a Itália… Jogadoras vão a um evento da Olympikus em Ipanema e Sheilla leva seu namorado junto, pronto, começou a putaria. Por mais que elas hoje se suportem, isso pensa, MUITO. Não é o problema maior da seleção, os problemas da seleção são técnicos, táticos, de comissão técnica, mas uma situação dessas, de desentendimento no grupo, acentua tudo. Torna os problemas maiores.

    Atentem para hierarquia na seleção:

    Sheilla, melhor amiga de Fabiana, Presidente e vice do país.

    Garay, Brait, Tandara, Jucy: chegamos agora, não estamos do lado de ninguém.

    Mari, amiga de anos de Fabi, colega respeitosa e companheira de Paula, essa, apesar de colega, se ama demais para tomar o lado de alguém. para ela só existe o seu lado. Thaísa colega de Mari, apesar de ser amiga também da vice-presidente, Fabiana. Lins: eu amo a Mari, extra-quadra.

    Sassá: sou forever alone.

    Fabíola: amo Jesus.

    Natália: sou palhaça, amiga de todas.Sou o diamante bruto.

    Jaqueline: sou linda. Não quero ser amiga de ninguém. Faço o que quero e volto titular. CHUPEM.

    • mari diva

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ai Ana, vc me mata! seria comico se nao fosse tragico. Presidente e vice foi demais!!! hehehe… A analise eh essa aí mesmo. Só nao vejo a Fabi tão proxima da Mari como antes. Nessa historia quem ta certa eh a Fabiola! Garrada em Cristo!

  • Mario

    Mesmo com a idade delas sou mais Fernanda V. e Fofão.

  • renata reis

    EU AMO VOLEI. E NÃO CONSIGO ACREDITAR EM TODOS ESSES BOATOS, SOBRE A SHEILA E A MARY
    ACHO QUE ESTÃO EXAGERANDO.
    AS MENINAS ESTÃO MESMO É COM ACUMULO DE CANSAÇO.
    DÁ UM TEMPO GENTE.
    NÃO DÁ PARA GANHAR TODAS.
    QUANDO FAZEM BONITO POUCOS ELOGIAM. PORTANTO…
    QUANTO A SHEILA E MARY, NINGUÉM PROVA NADA.

MaisRecentes

Vaivém: Mais estrangeiras na Superliga?



Continue Lendo

Com emoção, Corinthians se garante na Superliga



Continue Lendo

Com méritos, Brasil cumpre obrigação



Continue Lendo