Coluna: Para quem a Superliga vale vaga olímpica



Coluna Saque publicada neste domingo, 8 de novembro, no LANCE!.

Está aberta a temporada de caça aos últimos lugares disponíveis para a Rio-2016. A Superliga, que começa hoje, é uma das derradeiras oportunidades para que alguns atletas convençam José Roberto Guimarães e Bernardinho de que merecem disputar a Olimpíada.

Até abril, os dois treinadores e seus respectivos assistentes estarão acompanhando atentamente o desempenho técnico e a condição de física de um grupo já restrito de atletas. Em jogo a definição das poucas vagas ainda abertas até a convocação final.

Entre as mulheres, das 12 vagas, vejo em aberto a condição de reserva de Sheilla, atualmente no vôlei turco. Monique, do Rexona-Ades, e Tandara, do Camponesa/Minas, estão na disputa, cientes de que a performance na Superliga ajudará na decisão de Zé Roberto. Outra interessantíssima briga por vaga acontece no meio de rede. Thaisa está retornando ao Vôlei Nestlé após cirurgia nos joelhos. Em tese forma a dupla titular com Fabiana, do Sesi. E quem será a terceira? Juciely e Carol, do Rexona, ou Adenízia, do Vôlei Nestlé? Na ponta, Jaqueline, Fernanda Garay, Natalia e Gabi levam vantagem. Mari Paraíba corre por fora. Macris, agora em Brasília, ainda sonha com a reserva de Dani Lins, mas tem a fortíssima concorrência de Fabíola, hoje na Suíça. Por fim, Camila Brait, do Vôlei Nestlé, e Léia, do Minas, são as líberos convocadas recentemente. E serão observadas de perto na Superliga.

Entre os homens, vejo outras disputas interessantes na principal competição nacional. William, do Sada/Cruzeiro, ou Rapha, da Funvic/Taubaté, para fazer dupla com Bruninho? Entre os centrais, Sidão, do Sesi, tenta se recuperar de um problema no ombro para recuperar a vaga na Seleção. E estão na disputa Isac e Eder, do Sada/Cruzeiro, e Mauricio Souza, do Brasil Kirin. Duas vagas para os
quatro. Promete ser interessante. Escadinha, do Sesi, é incontestável como líbero. Lucarelli e Lipe (Funvic/Taubaté), Murilo (Sesi) e Lucas Lóh (Brasil Kirin) são os pontas mais usados neste ciclo olímpico e assim favoritos para as vagas na Rio-2016. E a reserva de Wallace (Sada/Cruzeiro) ficará com um “gringo”: Evandro e Vissoto (estão no Japão); Renan (na Itália).

Que suba a bola para a Superliga, ou melhor, Rio-2016!



MaisRecentes

Brasil perde segunda para os Estados Unidos



Continue Lendo

Lucarelli oficialmente fora do Mundial



Continue Lendo

Rússia fatura torneio preparatório para o Mundial



Continue Lendo