Coluna: O momento é do Minas



Atual campeão mineiro, sul-americano e agora da Copa Brasil. Mesma campanha do Dentil/Praia Clube, líder da Superliga (38 pontos, 13 vitórias, 1 derrota) na temporada 2018/2019, ficando atrás apenas no saldo de sets. Vice-campeão mundial no fim do ano passado na China.

A descrição do histórico recente do Minas não deixa mais dúvidas: o tradicional clube de Belo Horizonte está de volta aos seus melhores dias no vôlei feminino.

Na noite deste sábado, a conquista da Copa Brasil, em Gramado (RS), com vitória de virada sobre o arquirrival Praia, de Uberlândia, garantiu o título nacional ao Minas, somando-se ao estadual e ao continental, como citado acima.

É a comprovação de que o Minas está de volta para a prateleira de cima do vôlei brasileiro. Para o torcedor mais antigo, lembrar dos times patrocinados por L´Agua di Fiori e MRV, décadas atrás, era rememorar as últimas grandes conquistas do clube de Belo Horizonte.

Desde então, quase duas décadas se passaram. O Minas nunca deixou de ter o time disputando a Superliga, a principal competição nacional. Mas o investimento diminuiu, muitos times foram montados apenas com atletas das categorias de base (um dos pilares da política do clube) e consequentemente as grandes conquistas rarearam. Projetos como os de Bernardinho e Luizomar de Moura, no Rio e em Osasco, respectivamente, dominaram o cenário nacional. Nem por isso o time mineiro deixou de existir e projetar uma volta por cima.

Agora, depois de um longo e árduo trabalho, os fãs já colocam nomes como os de Macris, Carol Gattaz e Stefano Lavarini, ao lado dos de Cristina Pirv, Ângela Moraes e Fofão, que marcaram época no outro ciclo áureo de conquistas.

Comemoração do Minas em Gramado (Divulgação CBV)

A contratação da dupla Gabi/Natália, no ano passado, mostrou que o Minas não estava para brincadeira no mercado. O investimento pesado reforçava a ambição. Os resultados, meses depois, comprovam o planejamento. Na quinta-feira, o clube anunciou o patrocínio da Itambé, um investimento por duas temporadas que permitirá a manutenção dos atuais grandes nomes do elenco e, talvez, pensar em reforços estrangeiros para a próxima temporada.

Neste mês, o Minas defenderá em casa o título sul-americano, provavelmente repetindo a final contra o Praia. E sonha em fechar com chave de ouro 2018/2019 com a Superliga, taça não levantada desde a temporada 2001/2002. Por tudo o que foi escrito acima, sem esquecer da tradição, da estrutura e da competência de quem lá está nas diversas posições de comando, o torcedor tem todo o direito de sonhar ainda mais alto.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo