Coluna: O fundamento que vai decidir a Superliga



Coluna Saque publicada neste domingo, 9 de novembro, no LANCE!

Nesta temporada da Superliga feminina que acaba de começar, estou com mais dificuldade do que em anos anteriores para apontar um favorito destacado para o título. E o motivo, infelizmente, é negativo. Não vejo nenhum dos melhores times, no papel, com uma linha de passe que demonstre ser acima da média e que transmita tranquilidade para as levantadoras.

Primeiro dos grandes a estrear, na sexta-feira, o Rexona-Ades, atual campeão e maior vencedor da Superliga, perdeu um set, em casa, para o Rio do Sul/Equibrasil. E um fator que pesou foi exatamente a recepção. Apesar de contar com Fabi, líbero acima da média neste fundamento, o time carioca não terá excelência parecida com Gabi e Natália, pontas com ataque muito melhor do que o passe. A levantadora Fofão, aos 44 anos, em sua última temporada antes da aposentadoria, precisará ter a bola na mão para acionar Juciely e Carol, centrais que não são gigantes, e necessitam de uma bola de velocidade.

No Molico/Osasco, a situação é parecida. Dani Lins, titular da Seleção, sofreu com a linha de passe na reta final do Paulista. Com a  cubana Carcaces e a campeã olímpica Mari, o sistema não funcionou. Luizomar de Moura, então, apostou em Samara, com uma recepção melhor, abrindo mão de Mari. E ela deu mais equilíbrio ao fundamento, dividindo a responsabilidade com a líbero Camila Brait. Mas será Mari banco por muito tempo? Ou a saída é colocá-la na saída de rede, disputando a posição com Ivna. Eu optaria pela segunda opção.

No Dentil/Praia Clube, ainda tenho dúvidas sobre a formação que Ricardo Picinin vai optar. Tandara na saída, Sassá e Daymi Ramirez nas pontas, me parece mais lógico. Ou será que a americana Webster, que chegou por último, vai arrumar espaço nesta formação? Só com um passe equilibrado esse time com Karine ou Ju Carrijo no levantamento irá deslanchar.

O último dos favoritos é o Sesi, que não conseguiu um lugar na final do Paulista, justamente por ter sofrido no passe diante do São Caetano. Talmo tem Pri Daroit, Suelle e a possibilidade de revezar as líberos Suelen e Michelle como melhores opções. Terá de equacionar isso para ter chance de repetir a final da temporada passada.



  • Edu

    Pelo que vi,o Sollys entra na frente pelo volume de jogo apresentado na fase final do paulista com a entrada da Samara e uma estabilização do passe A na mão da Dani e a contratação da Carcaces no quesito atendimento a necessidade da equipe( a mulher tem uma pedrada nas mãos) e valor pago por esse beneficio.O jogo do RJ foi bem ruinzinho e já mostrando que fazer a Foffão correr atrás da bola é o caminho adequado para vencer a equipe.À proposito, alguém viu algum vestígio da Natália que desequilibrou a final contra o Sollys em quadra na sexta-feira.A maior razão da vitória do RJ infelizmente foi a enorme quantidade de erros cometidos pelo Rio do Sul e confirmou a afirmação da central Mara ,do São Caetano, que é uma perda ficar no elenco de um chamado time grande é praticamente não jogar como demonstrado pela ponteira Neneca cometendo erros bisonhos. Algumas jogadoras do Rio do Sul sentindo o nervosismo inclusive alcançaram o prodígio de erros de 100% dos saques não forçados e a levantadora como jogadora mais alta do sexteto titular apresentou dificuldades no limite da extensão do braços na bola em levantamento e ajuste para os ataques numa equipe não tão alta ,como frisou o Marcos Freitas.Falta mostrar a realidade do Praia, por enquanto, apesar do técnico bem fraco, na minha opinião.Quanto ao Sesi a batata do Talmo já começou a assar pela perda do paulista ,na fase das semis, e para um time com cerca de 25% do orçamento do Sesi.Em fevereiro, para se garantir, deve vencer pelo menos o Sulamericano classificatório do mundial de clubes.Num caso de insucesso deve chegar pelo menos a final da Superliga para sua situação se pacificar.Por hora, o sinal de alerta já foi acionado.

    • Roberto

      Fase final do paulista? Vamos ver na hora que enfrentar um time de verdade se a Samara vai aguentar o repuxo. Muito cedo pra falar em Sollys com base no paulistinha.

  • Ana Laura

    O Rio de Janeiro há algumas temporadas apresenta um passe muito ruim,só que isso não foi impedimento para conquistar as duas últimas superligas. O time sabe jogar sem passe.Vamos ver como Osasco e Praia se comportam jogando sem passe na superliga. O Sesi tem em seu elenco jogadoras que quando bem treinadas seguram muito bem o passe. A Suele,ponteira,já fez isso no Unilever quando substituiu a Mari. Muito cedo para qualquer prognóstico.

  • Diogo

    O Osasco depende da sanidade do Luizomar pra levar vantagem em relação aos outros nesse quesito..se ele entender q o time é Mari de oposta e Samara e Carcases de ponteiras a equipe será muito forte, pq terá um passe muito bem equilibrado, tendo assim um jogo + consistente e completo em todos os fundamentos, pq além de um bom passe o time conseguiria usar com continuidade a dua bola q + o diferencia dos demais q é a bola de meio com Thaísa e Adenizia, o time teria tbm 2 atacantes altas e fortes pra por as bolas altas no chão(Carcases e Mari), além de um time super alto e com um poder de bloqueio ainda maior, o + forte da SL..
    Enquanto aos torcedores do rio, ñ se iludam achando q o Bernardo faz milagres pq ñ faz ñ, o time nunca teve passe e msm assim foi campeão várias vezes,+ apesar de ñ ter o passe o time tinha atacantes pra por as bolas altas no chão, oq ñ acontece nessa temporada, pois a única jogadora q tem essa característica de bola alta é a Natália q ñ esta numa grande fase, o resto são jogadoras baixas e de velocidade e pra jogar com velocidade precisa de passe oq definitivamente não é o caso..

  • Ana Laura

    Bem, aguardemos a fim da superliga. Bernardo realmente não faz milagres,ele é um excelente técnico,como explicar a sl conquistada com Erika e Regina de ponteiras? Já o técnico do Osasco além de não fazer milagres…

    • Diogo

      A Erika naquela época era uma grande jogadora, o passe era muito + estável e tinha duas jogadoras extremamente altas (Joycinha e Regiane) nas pontas pra por as bolas altas no chão, além, é claro, de 2 centrais gigantes (Fabiana e Gattaz) q ñ precisam de passe perfeito pra jogar, oq de longe ñ é o caso desta temporada 😉

      • LEO

        Diogo acho muito cedo para qualquer prognóstico. Foi um jogo ruim o de sexta feira sim, o Rexona sem ritmo de jogo, pois o Estadual é muito fraco. Também, sabemos que as equipes nesse início de temporada estão mais focadas no físico para aguentar a temporada. O Osasco no papel tem o melhor plantel de todas as equipes, mas não jogo minhas fichas na Samara não, pois no Pinheiros ela quinava bastante passe e ainda mais com a pressão de estar em um clube que estará disputando o título. Vamos ver e torcer para que esse ano as equipes possam corrigir o fundamento passe e assim nos proporcionar grandes jogos de vôlei. Também, se o Bernardo precisar, ele pode por a Natália de oposta e a Régis na ponta.

      • Ana Laura

        O time só fez um jogo e vc já está definindo como será o passe na temporada? Tudo bem torcer,mas não precisa distorcer. Todos os times ,incluindo Rexona,Praia,Sesi,Osasco e Pinheiros,ainda vão evoluir nessa temporada. O que eu quis dizer no comentário anterior,é que o Rexona desde saída da Sassá nunca teve um bom passe. Qualquer um que acompanhe vôlei sabe disso,o time já se acostumou a jogar sem passe,inclusive ganhando superligas estando entre os últimos no passe. Não é um comentário de torcedora,é um fato.

        • Diogo

          É só o começo da temporada, o timedo Rio com certeza vai crescer e evoluir(assim como os outros) + eu conheço muito bem as características das jogadoras, ninguém aprende a passar de uma hora pra outra, então já é esperado q Natália e Gabi sofram com o passe, oq tbm seria esperado se o Osasco jogasse com Mari e Carcases no passe..ñ precisa de muito tempo pra conhecer os pontos fortes de cada jogadora e equipe..e eu entendi MUITO bem oq vc disse sobre o Rio jogar sem passe, vc q parece q ñ entendeu q nas outras temporadas o time tbm ñ tinha passe + tinha atacantes altas e muito fortes nas pontas oq ñ é o caso do time atual..

          • Ana Laura

            Tá bom,entendi,vc conhece muito bem as características de cada jogadora e o Bernardo não. Ele com certeza se “equivocou” na formação da equipe. Então tá.

  • Ana Laura

    Aguardemos a final.

  • “Doidinha por vôlei”

    Por isto Bortoletto é que digo: No final vai dar sempre o Bernardinho, é ele quem treina mais, que exige mais das jogadoras, treina o fundamento do passe e todos os outros fundamentos a exaustão. Então mesmo a Natália e a Gabi não sendo excelentes passadoras como são na função de atacantes, com o passar dos treinos e dos jogos e com a maior passadora do mundo ( a Fabizinha) junto, elas irão se aperfeiçoando, porque o Bernardinho sabe muito e por isto faz a diferença.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo