Coluna: O clássico dos clássicos em fase inédita



Como de costume, no ar a Coluna Saque publicada neste domingo, 20 de março, no LANCE!.

A coluna vai completar uma década e tenho absoluta certeza de que o tema mais recorrente neste espaço foi o maior clássico do vôlei nacional, quiçá, do planeta: Rexona-Ades x Vôlei Nestlé.

E, nesta segunda-feira, os rivais começarão a escrever um novo capítulo nesta longa história. Desta vez com algumas diferenças importantes no roteiro.

Mais um Vôlei Nestlé x Rexona pela frente (Wander Roberto/Divulgação)

Mais um Vôlei Nestlé x Rexona pela frente (Wander Roberto/Divulgação)

A primeira delas é o momento da Superliga que o duelo decisivo vai acontecer: as semifinais. Em dez temporadas, cariocas e paulistas fizeram a decisão da principal competição nacional. Quase sempre por um motivo muito simples: terminavam sempre em primeiro e segundo lugares na fase de classificação, forçando um reencontro apenas na última etapa dos playoffs. Na temporada 2015/2016, o Rexona cumpriu sua rotina, liderando a fase classificatória. O Vôlei Nestlé, por sua vez, decepcionou e ficou apenas em quarto.

Tal cenário está ligado ao segundo fator diferente no enredo. A campanha decepcionante aumentou a pressão sobre o time de Osasco. É um fato. E pode ter contribuído bastante para que o técnico Luizomar de Moura sofresse uma arritmia cardíaca durante as quartas de final diante de Brasília. Um susto nas atletas em quadra e no público que via o jogo no ginásio ou pela TV. É inegável que o alto investimento no projeto, com uma base formada por estrelas de seleções, exige resultados e atuações bem melhores das apresentadas até aqui. Luizomar voltou a comandar treinos nesta semana e fica a pergunta: as jogadoras vão querer fazer o “playoff da vida” e assim oferecer uma classificação sobre o maior rival para o técnico?

Diria que a maior chance de Osasco vencer a série e encará-la assim. Já são sete jogos seguidos sem vencer o Rexona. Dois anos de tabu. E o mostrado até aqui na temporada faz das cariocas as favoritas.



MaisRecentes

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo

O vice deixou algumas boas notícias para o Brasil



Continue Lendo