Coluna: Na Seleção, vida “recomeça” depois dos 30



Pessoal, bom dia. A coluna Saque transferida de domingo para segunda-feira e está na edição de hoje do LANCE!. Leiam, comentem e tenham uma boa semana.

Quais são as principais novidades da Seleção Brasileira masculina na Liga Mundial, a competição mais relevante neste importante ano pré-olímpico?

Não espere ler nas linhas abaixo nomes de jovens revelações ou talentos precoces. Quem tem aproveitado o início de 2015 para conseguir espaço na equipe nacional, após quatro vitórias em quatro jogos, são trintões, em uma renovação “às avessas”.

Escadinha, aos 39 anos, decidiu voltar à Seleção após três anos de aposentadoria. Já mostrou em quatro jogos na Liga que dificilmente deixará de ser o líbero titular na Rio-2016. Tem bola e disposição de sobra para superar qualquer limitação física que um sério problema nas costas o colocou em xeque em 2010.

Riad e Evandro, ambos com 33 anos, quase podem ser chamados de estreantes. Jogadores com carreiras consolidadas (aqui e no exterior), mas com poucas chances com Bernardinho e que apenas agora podem dizer que estão na briga por vagas na Olimpíada, quando pouca gente acreditava (arrisco a dizer que até eles). O central vem de ótimas performances na Superliga, mostra uma eficiência no bloqueio maior do que os concorrentes pela vaga e vem sendo uma agradável surpresa. Já o oposto de 2,07m, com altura e estilo parecido com Leandro Vissotto (32 anos e 2,12m), vem aproveitando as chances recebidas. É bom ficar de olhos nos dois.

Por fim William, que fará 36 anos no próximo mês, foi convencido por Bernardinho a também voltar à Seleção, após receber poucas chances nas temporadas anteriores. Disputa com Rapha, também prestes a fazer 36 anos, um lugar ao lado de Bruninho no levantamento.

Como se vê, experiência não deverá faltar ao Brasil na busca pelo título olímpico em 2016.



MaisRecentes

Brasil bateu recordes no Pan. Mas os vôleis ficaram devendo



Continue Lendo

Coluna: Brasil precisa aprender a perder



Continue Lendo

Passe virou a dor de cabeça do Brasil



Continue Lendo