Coluna: A empolgante decisão da Superliga feminina



No dia 25 de fevereiro, escrevi uma coluna com o seguinte título: “Alguém conseguirá desbancar o Itambé/Minas na Superliga?”.

A lista de concorrentes incluía antes do início dos playoffs os tradicionais Sesc e Osasco/Audax, os emergentes Sesi Bauru e Hinode/Barueri e logicamente o Dentil/Praia Clube, atual campeão da Superliga. Quase dois meses depois, restou apenas o time de Uberlândia com possibilidade de impedir o fechamento com chave de ouro de uma temporada incrível do Minas.

O time do italiano Stefano Lavarini venceu o Mineiro, o Campeonato Sul-Americano e a Copa Brasil. Falta a cereja do bolo, já que a Superliga não é conquistada pelo clube de Belo Horizonte desde 2002. A montagem do elenco com as selecionáveis Gabi e Natália se mostrou um baita acerto. Macris vive a melhor fase da carreira, o mesmo que pode ser dito à experiente Carol Gattaz, enquanto Bruna Honório, Léia e Mara/Mayany completam um time-base de respeito.

Junte a tudo isso o retrospecto altamente positivo no confronto direto na temporada, já que todos os títulos foram conquistados em cima do arquirrival, para ter o Itambé/Minas como favorito ou time a ser batido.

A grande diferença entre aquele texto de fevereiro e o atual foi a nítida evolução na performance do Dentil/Praia Clube.

Primeira final 100% mineira na Superliga feminina (Divulgação)

A equipe de Paulo Coco vive o melhor momento no ano. Os problemas de entrosamento da levantadora americana Carli Lloyd com algumas atacantes foram minimizados, a presença de Michelle equilibrou a linha de passe e peças-chave do time cresceram de produção, como Carol e Fernanda Garay. As vitórias na semi sobre o Sesi Bauru foram categóricas, fator essencial para melhorar a autoestima do elenco, algo que pareceu abalado em alguns dos confrontos contra o Minas.

Tudo isso posto, prevejo uma série em melhor de três eletrizante entre as mineiras, com altíssimo nível técnico nos encontros e alta possibilidade de cinco sets em cada um deles. Espero (e torço) pela realização das três partidas possíveis neste playoff final. Seria quase um prêmio para o fã de um bom jogo de vôlei, independentemente de torcer por Minas ou Praia.



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo