Coluna – Emanuel: Fim de uma era nas praias



Coluna Saque publicada neste domingo, dia 13 de março, no LANCE!.

Quando? Sexta-feira, 11 de março. Onde? Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Quem? Emanuel. O quê? Repescagem do Grand Slam. Por quê? Aos 42 anos, um dos maiores jogadores de vôlei de praia de todos os tempos disputou a última partida da carreira.

Ao responder as cinco perguntas que um texto jornalístico sempre precisa ter, segundo os manuais de redação mundo afora, o relato mais frio possível é transmitido para você, leitor ou leitora. Mas não dá para seguir apenas as regras básicas para escrever sobre o adeus deste gênio do esporte.

É preciso caprichar nos adjetivos, algo que o mesmo manual condena. É preciso relembrar que o mito, agora um ex-jogador, encerra os 25 anos de carreira com três medalhas olímpicas (um ouro, uma prata e um bronze), três títulos mundiais, dois ouros pan-americanos, dez conquistas no Circuito Mundial, nove outras pelo Circuito Brasileiro e algumas centenas de medalhas… Uma carreira brilhante!

É preciso tentar dar também algum tipo de emoção, por exemplo, ao reproduzir as palavras do tocante discurso dele ainda dentro de quadra. Com o corpo coberto de areia, como se o guerreiro ainda vestisse a armadura após mais uma batalha, ele parecia remexer na alma para não esquecer nenhum agradecimento. Os olhos marejados dele, da esposa Leila, do parceiro Ricardo e o choro dos familiares nas arquibancadas tratavam de emocionar quem estava ao redor sem entender tão bem aquele sentimento que Emanuel compartilhava com todos.

O discurso de despedida de Emanuel na sexta-feira (Divulgação)

O discurso de despedida de Emanuel na sexta-feira (Divulgação)

– Foi uma vida no vôlei de praia. Estou chorando porque eu paro, mas os outros jogadores seguem, a bola tem de continuar voando. Ajudei este esporte a crescer. O Brasil continuará a ser campeão, me espelhei nos que vieram antes de mim, tenho certeza de que servirei de exemplo para os que seguem. É um ponto final, mas sei que saio bem, é um ponto final de exclamação.

Obrigado por tudo, Emanuel! Você fará falta!



MaisRecentes

Quem se deu bem nos grupos da segunda fase do Mundial masculino?



Continue Lendo

Brasil cumpre obrigação e agora torce por rival por liderança



Continue Lendo

Brasil se recupera, vence o Canadá e ainda pode ser 1º do grupo



Continue Lendo