Coluna de segunda: Yes, existe um favorito ao ouro olímpico



Não. Ele não é o Brasil. Vice-campeã do Grand Prix, a Seleção Brasileira feminina de vôlei terá de desbancar o favoritismo dos Estados Unidos para conquistar em Londres o bicampeonato olímpico.

A prova final da força americana no atual cenário mundial foi dada neste domingo, com a conquista do Grand Prix. 14 vitórias em 14 jogos, nove delas por 3 a 0. Os cinco últimos triunfos, já na fase final em Ningbo (CHN), foram obtidos pelo time reserva, já que as titulares foram poupadas (e são nomes de peso, como Tom, Hooker, Larson, Akirandewo, Berg) e ficaram treinando para a Olimpíada. Contra o Brasil, dois duelos: 3 a 1 em São Bernardo do Campo – com as melhores em quadra –  e 3 a 2 na fase final.

Preocupante, ainda mais se for levado em consideração que José Roberto Guimarães convive com a instabilidade de diversas jogadoras e hoje não tem definida uma equipe-base. A formação titular inicial mostrou-se frágil em vários fundamentos e várias atletas perderam espaço nas últimas partidas, casos de Fabíola, Jaqueline e Fabiana. Como já escrevi aqui semanas atrás, não gostaria de estar na pele do treinador neste momento.

Voltando ao tema da coluna, este foi o terceiro título seguido do time muito bem dirigido por Hugh McCutcheon, mostrando uma hegemonia neste ciclo olímpico. O neo-zelandês de nascimento, inclusive, poderá igualar em Londres um feito de Zé Roberto, único campeão olímpico como técnico de homens (1992) e mulheres (2008). O comandante americano venceu os Jogos de Pequim no masculino, batendo exatamente o Brasil.

Essa pedra no sapato verde-amarelo tem muitos méritos na formação desta máquina yankee de ganhar. Impressionam o volume de jogo, a obediência tática e a quantidade de jogadoras que estão atuando bem, pouco menos de um mês antes da abertura da Olimpíada.

Se o final de alerta para o Brasil já estava aceso antes das finais do GP, ele ganhou uma intensidade ainda mais forte agora.

 



  • CMA

    esse time realmente é o melhor do mundo. Brasil briga por uma medalha, e deveríamos ficar felizes pela medalha que vier. não ficar de ciumes se a Sheilla ou a Mari joga. rs

    • Darci

      Concordo. Agora é hora de torcer muito pelo sucesso da nossa seleção e saber valorizar as atletas que forem convocadas.
      Titulares e reservas, todas serão muito importantes para o bom desempenho da equipe, uma vez que, a julgar pelas performances irregulares no grand prix, a tendência é que elas se revezem ao longo das partidas.

  • Felipe

    Ao meu ver, para nossa seleção se igualar as Yankees, precisamos de regularidade no passe e de uma derrubadora de bola, algo que atualmente na seleção não temos, embora que houve uma evolução na forma fisica e tecnica de jogadoras como Sheilla, Thaisa, Paula Pequeno, e uma leve melhora na Capitã Fabiana. Jaqueline no ultimo jogo que entrou mostrou mais regularidade no passe.
    Com certeza a seleção Norte-americana e a grande favorita, mais acho que o Brasil vem numa evolução muito boa, e espero ser surpreendido !

  • Felipe

    Ao meu ver, para nossa seleção se igualar as Yankees, precisamos de regularidade no passe e de uma derrubadora de bola, algo que atualmente na seleção nos carece , embora que houve uma evolução na forma fisica e tecnica de jogadoras como Sheilla, Thaisa, Paula Pequeno, e uma leve melhora na Capitã Fabiana. Jaqueline no ultimo jogo que entrou mostrou mais regularidade no passe.
    Com certeza a seleção Norte-americana e a grande favorita, mais acho que o Brasil vem numa evolução muito boa, e espero ser surpreendido !

  • Felipe

    Ao meu ver, para nossa seleção se igualar as Yankees, precisamos de regularidade no passe e de uma derrubadora de bola, algo que atualmente na seleção nos carece , embora que houve uma evolução na forma fisica e tecnica de jogadoras como Sheilla, Thaisa, Paula Pequeno, e uma leve melhora na Capitã Fabiana. Jaqueline no ultimo jogo que entrou mostrou mais regularidade no passe.
    Enquanto as levantadoras, acho que a responsavel pelo desenvolvimento das jogadoras citadas acima foi a Fernandinha, que apesar de ser a novidade na posição, acrescentou bastante a seleção e também está um passo a frente em relação as outras no quesito regularidade.
    Com certeza a seleção Norte-americana e a grande favorita, mais acho que o Brasil vem numa evolução muito boa, e espero ser surpreendido !

  • EGSJ

    na verdade não acho que tenhamos um sinal de alerta, pois está claro a superioridade total desse time americano, que dificilmente perderá a medalha de ouro. Porém acho q o resultado final foi um pouco mais tranquilizador… Do jeito que as coisas vinham, parecia que iamos à Londres somente para fazer número, mas agora me parece que estamos na briga por medalha.. Ouro só se por uma grande sorte.

    • Afonso RJ

      Perfeito. Assino embaixo.

      • Daniel

        Sorte é para quem não trabalha… Para quem trabalha não há sorte e sim sucesso.

  • LAssis

    Favoritismo total para os EUA e “pressao” tambem para elas! Hoje, sao melhores, mais ESTÁVEIS e mais REGULARES. Porém, olimpuiada é olimpiada. Coração, raça, muitas vezes, prevalecem a técnica e tática. Elas entrarao nos jogos pra brigar pelo ouro e nao tenho duvidas, se o Brasil for regular, briga de igual pra igual. Elas, hoje, sentem mais o peso de vencer o Brasil nas Olimpiadas de q o inverso. Entao, tudo pode acontecer e nossas meninas so dependem delas. Apesar da superioridade demonstrada, nao vejo as americanas como imbativeis. O Brasil pode trazer o bi sim e nao será uma zebra. Será uma real possibilidade e as americanas sabem e “tremem” com isso. Vamos ver!

    • tiago

      Concordo plenamente. Olimpíada é Olimpíada, é um torneio mata-mata. Os EUA são os melhores no momento, mas pode acontecer de um dia elas não estarem bem e vem algum time que esteja iluminado e vence. Favoritismo e camisa não ganham jogo.
      Mas a seleção não pode entrar com medo delas como aconteceu em SÃO BERNARDO. Se entrar com medo, aí perderemos de fato.
      Num certo ponto é bom que o Brasil não seja favorito, porque em toda a história esportiva quando nossos times entram como favoritos, acabamos perdendo.
      Nem sempre o melhor ganha! Vide seleção brasileira de futebol em 1982.
      Vamos rezar, rezar, rezar e torcer, só nos resta isso agora.

    • Raffytcha

      Assino abaixo td q vc tc LAassis! Só acrescento q pra mim o GRAND PRIX foi para o Brasil um torneio preparatório para as OLIMPÍADAS, faltam 20 dias para a estreia da nossa seleção, até lá as jogadoras estarão mais entrosadas e o time enfim, para nooooooooossa alegria espero eu (rsrsrsrsrsrs), mais estavel em tds os fundamentos e prontinho pra encarar de frente as americanas! Eu acredito no BI-OLIMPICO!!! Vamos lá Brasilllllll…

  • nós brasileiros somos muito pessimistas pelo o que estou vendo ! as americanas ganham 3 gran prix seguidos e são super favoritAAS E O OURO JÁ É DELAS ! COMO ASSIM .. tudo bem o time delas é forte e se ganhar não será surpresa .. mais e o emocional .. e odia de cada jogadora napartida….,,,,, algunas adoram valorizar o terreiro do vizinho .. antes ganhavamos todos os gran prix e muitos diziam que era pq os outros times não levavam a sério …a qual é .. nossa seleção está para os EUA da forma como a rússia está para a nossa …. o brasil derrotou os eua nas duas ultimas olimpiadas . mandamos elas pra casa em 2004 nas quartas, tiramos o doce da boca em 2008 … e ai ? e ai que por mais que o esporte seja profissional o emocional deve pesar … e não existe isso de que o brasil nãopode ganhar delas… vejam o jogo em são bernado o brasil perdeu de 3X1 e jogando mal, sem um time montado e quase levou pro – tie break .. sendo que as americanas são aquilo ali mesmo.. td bem que elas podem melhorar um pouco, mais acho que elas já estão em seu apice,, e o brasil não ainda pode evoluir ..como também não e vale lembrar que em olimpiadas o buraco é mais embaixo !!! sem contar que vejo o fator casa para a seleção feminina de volei um fator contra.. acho que isso as pressiona mais do que as visitantes…. por isso tudo pode acontecer em um brasil XUSA nas olimpiadas ..e o ouro deve ficar entre brasil ou eua e russia, turquiqa e itália podem ganhar medalha….

    • Fabiano

      Gomes, concordo com o que escreveu que o emocional conta muito numa Olimpíada, mas não podemos negar que para nós, latinos, esse fator é muito mais forte. Não podemos negar que taticamente e tecnicamente as americanas estão um nível acima das outras seleções.

      Em 2008 nós éramos o time a ser batido e por estarmos nesse nível acima fizemos uma campanha maravilhosa.

      Obvio que numa competição como as Olimpíadas tudo pode acontecer, mas não podemos negar que atualmente somos inferiores aos EUA.

    • Raffytcha

      Concordo plenamente com vc gomes! E da-lhe Brasil, rumo ao BI-OLIMPICO!!!

  • tiago

    Primeiramente temos que destacar o preparo físico do time americano. Impressionante. Com certeza tem alguma tecnologia esportiva por trás que fez esse time chegar a este nível. O que será? O Brasil tem o centro de treinamento de Saquarema, fantástico, que infelizmente o Brasil mostrou e deixou os outros países conhecerem. Grande erro.
    Em segundo lugar, as jogadoras americanas jogam em grandes centros de vôlei, e o volei brasileiro repatriou as nossas principais jogadoras. Essas jogadoras ficaram acomodadas, porque não tinham substitutas e não evoluíram. Se estivessem jogando na Europa, onde os times são cheios de grandes jogadoras, teriam que mostrar serviço e evoluir para não ficar no banco. Vide exemplo, Fabiana, é titular na seleção e era reserva do Fenerbach. Não temos a melhor liga de vôlei do mundo. A nossa Superliga é um campeonato meia boca, não tem estrutura, etc. Segundo erro.
    A maioria das nossas jogadoras são baixas para os padrões mundiais. A maioria das jogadoras altas que surgem no Brasil são ruins ou os técnicos não tentam nem sequer melhorá-las? Terceiro erro.
    Nosso time é velho. Sheila, Mari, Paula, Fabi, Fabiana não são aquelas jogadoras de 2008. O tempo passou e infelizmente elas não tem o condicionamento físico e técnico de uma jogadora de 23 ou 24 anos. Não houve renovação. Quarto erro.

    • MRE

      Fabiana era reserva no campeonato turco porque o regulamento não permitia mais de três jogadoras estrangeiras (Logan Tom, Kim e Sokolova). No campeonato mais importante, a Champions League, ela jogou e foi a melhor bloqueadora.

      • Raffytcha

        É isso mesmo MRE…

  • Concordo que as Americanas estão em melhores condições fisica e tecnica, que as Brasileiras,porem as Americanas não é o bicho papão que estão dizendo,elas foram derroatadas pela seleção Itáliana na copa do mundo de 2011,ela é uma das favorita, com Brasil, Itália,Rússia,China,Sérvia,nesta reta final de preparação para olimpiada as equipes favoritas esconde suas armas secreta,inclusive o Brasil,NATÁLIA.

    • dan

      Lúcio, foi os EUA quem ganhou da Itália por 3×1, a equipe Italiana só foi campeã, porque os EUA perdeu o último jogo por 3×0 para, acredite, para o Japão, nem as Italianas acreditaram.

      • È verdade dan foram as japonesas que derrotaram as americas,muito obrigado.

    • Raffytcha

      Natália como arma secreta??? Aí foi demais Lucio Santos!!! Sem ritmo de jogo pois há quase 1 ano não joga, acho q não vai ajudar muito a seleção em Londres caso esteja entre as selecionáveis. Aliás pra mim não deveria ir… Natália no auge só em 2016, FATO!

  • Roger

    O Brasil feminino sempre foi um pouco “pipoca”, perdeu daquela forma pífia da RÚSSIA, e conseguiu a medalha de ouro nas últimas Olimpíadas.

    Esse ano Feminino e Masculino periga NEM conquistar medalhas.

  • rogerio

    ahhhh como eu quero que essa seleção brasileira feminina de volei ganhe esse ouro pra calar a boca desse povo pessimista aqui…

    • Raffytcha

      Eu tb. Vamos lá Brasilllllllll rumo ao BI-OLÍMPICO!!!

  • Luiz

    Claro que eu acho que os EUA são favoristos. Mas, sabe que eu vejo com bons olhos as titulares não terem jogado a fase final – algo que a seleção brasileira não fez em 2008. Vejam bem, nosso time está se encontrando, então, se até Londres o Zé Roberto montar o time definitivo e este time se encontrar, as americanas não vão ter jogado com a gente em um momento bom e podem ser surpreendidas. Lembrando que a Russia abriu mão do Grand Prix em 2008 e fez vergonha.

  • Josie

    Que e uma ótima seleção nao há duvidas. Que estão um patamar acima também. Mas com a seleção brasileira ainda sem padrão o jogo foi para o Tiebreak .
    Acho que o crescimento da Sheila e da Paula Pequeno, e da Thaisa veio em função da entrada da Fernandinha . Por vezes, as bolas levantadas pela Fabiola estavam fora do ponto, baixas, espetadas, atras da cabeça, nao tem como bater forte e com agressividade bolas assim. e pode ser impressão minha, mas a Fabiola me parece apavorada quando entra durante o jogo, vindo do banco.

  • Mauricio

    EUA detonaram no Grand Prix 2010. Ouro. No Mundial, 2 meses depois, sacode do Brasil, da Itália, da Rússia e do Japão. Em 2011, BI no Grand Prix. Na Copa do Mundo, jurando que seriam campeãs, novos sacodes de ALEMANHA e do Japão HAHAHA.. Em 2012, TRI no Grand Prix. GP este com Brasil em testes, Itália e Japão sem as titulares, China escondendo o jogo como sempre e sem Rússia…. Daqui a 1 mês e meio eu volto aqui. Na boa, as americanas estão bem e o foco delas sempre foi Londres, MAS NÃO SÃO ISSO TUDO. A Itália é um time com tanto ou mais volume de jogo, a Costagrande na ponta ataca mais que Larson, Tom e Hodge juntas e as centrais são muito mais ágeis e jogueiras. Fora a Rússia, que é sempre uma incógnita e o Brasil, que pode sim, chegar bem forte agora que ja se “encontrou”. Londres tem tudo para repetir o equilíbrio de Atenas. Os times vão ganhar na camisa.

  • Rodrigo

    Esse time americano é muito bom, joga direitinho, mas não chega nem perto da máquina que foi o Brasil em 2008. Aquilo era time com volume de jogo, agressividade no ataque e bloqueio monstro. Só era mediano no saque. Londres tem tudo pra ser equilibrada no vôlei. Brasil vai chegar bem, sem dúvida. Itália vai completinha e com todas as jogadoras em ótima forma. A Rússia com o Trio Legendário novamente: Artamonova, Gamova e Sokolova. Devem ser as titulares, já que a Kosheleva ainda nem voltou a treinar na quadra. Rússia e Itália vão mostrar do que são capazes agora, na Yeltsin Cup. Aí sim, vai dar pra saber se as americanas são realmente tão favoritas assim.

  • César Castro

    Olha, eu pessoalmente prefiro essa superioridade americana do que quando os nossos bichos-papões eram Cuba e Rússia.
    O jogo de Cuba era muito físico, forte e de muito vigor. O da Rússia lento e alto. Escolas muito diferentes da do Brasil e que a gente apanhou mais do que menino travesso.
    As americanas têm um jogo mais parelho com o do Brasil. Técnica e talento são os diferenciais lá e cá. É claro que hoje as ianques vivem um momento bem melhor que o nosso, mas elas vão entrar com uma pressão do car…
    Vai ser a primeira olimpíada de Hooker, Larson, Akirandewo, Harmotto e será a primeira olimpíada da Nicole Davis como titular. Elas podem, sim, tremer em Londres.
    Do outro lado do grupo tem Rússia, Itália, Japão… Um escorregão poderá ser fatal já nas quartas.
    Tudo pode acontecer…
    Eu vou torcer e vou vibrar que nem um pirado. Se elas perderem vou chorar junto, disso eu tenho certeza. Porque vôlei pra mim é o tempero da vida!

  • laercio francisco

    Olha não dá para ganhar das américanas! não porque são imbatíveis, é que o Brasil erra muito, muito mesmo, tem jogo que é um set de errro! Que horror!
    Brasil não teve sorte no sorteio, pois ficou na chave das americanas!
    Visto se jogar o que demonstra atualmente deve ficar em segundo no grupo e pegar as americanas na semifinal (que pena), Acho que este cruzamento afastou o BRasil de uma possível final com as americanas!
    Mas não devemos esquecer de duas seleções que se engrenarem não darão chaces ao BRasil: Rússia e Itália.
    Palpite: 4 lugar para o Brasil!

MaisRecentes

Vaivém: Jaqueline no Hinode/Barueri



Continue Lendo

Cai o primeiro técnico após UMA rodada da Superliga



Continue Lendo

Luizomar e Rizola não conseguem vaga no Mundial



Continue Lendo