Coluna de segunda: Yes, existe um favorito ao ouro olímpico



Não. Ele não é o Brasil. Vice-campeã do Grand Prix, a Seleção Brasileira feminina de vôlei terá de desbancar o favoritismo dos Estados Unidos para conquistar em Londres o bicampeonato olímpico.

A prova final da força americana no atual cenário mundial foi dada neste domingo, com a conquista do Grand Prix. 14 vitórias em 14 jogos, nove delas por 3 a 0. Os cinco últimos triunfos, já na fase final em Ningbo (CHN), foram obtidos pelo time reserva, já que as titulares foram poupadas (e são nomes de peso, como Tom, Hooker, Larson, Akirandewo, Berg) e ficaram treinando para a Olimpíada. Contra o Brasil, dois duelos: 3 a 1 em São Bernardo do Campo – com as melhores em quadra –  e 3 a 2 na fase final.

Preocupante, ainda mais se for levado em consideração que José Roberto Guimarães convive com a instabilidade de diversas jogadoras e hoje não tem definida uma equipe-base. A formação titular inicial mostrou-se frágil em vários fundamentos e várias atletas perderam espaço nas últimas partidas, casos de Fabíola, Jaqueline e Fabiana. Como já escrevi aqui semanas atrás, não gostaria de estar na pele do treinador neste momento.

Voltando ao tema da coluna, este foi o terceiro título seguido do time muito bem dirigido por Hugh McCutcheon, mostrando uma hegemonia neste ciclo olímpico. O neo-zelandês de nascimento, inclusive, poderá igualar em Londres um feito de Zé Roberto, único campeão olímpico como técnico de homens (1992) e mulheres (2008). O comandante americano venceu os Jogos de Pequim no masculino, batendo exatamente o Brasil.

Essa pedra no sapato verde-amarelo tem muitos méritos na formação desta máquina yankee de ganhar. Impressionam o volume de jogo, a obediência tática e a quantidade de jogadoras que estão atuando bem, pouco menos de um mês antes da abertura da Olimpíada.

Se o final de alerta para o Brasil já estava aceso antes das finais do GP, ele ganhou uma intensidade ainda mais forte agora.

 



MaisRecentes

Em dia de justa homenagem por ouro em Pequim, Brasil perde a quarta seguida



Continue Lendo

Coluna: Uma semana estranha para o vôlei brasileiro



Continue Lendo

São Bernardo desiste do Paulista. Alerta ligado na Superliga



Continue Lendo